DESPATOLOGIZAÇÃO DAS IDENTIDADES TRANS – A SAÍDA PARA UMA SOCIEDADE MAIS IGUALITÁRIA

Profª. Thalita Carla LIMA MELO, Alicia Daniele Calaça Cavalcante, Carolina Alves Rosa de Araujo, Josberto Teixeira de Almeida Neto, Luiz Carlos de Oliveira Ferreira

Resumo


O presente artigo tem como objetivo apresentar teoricamente o que é a identidade de gênero e as discussões sobre a despatologização da transexualidade através de pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo. A falta de informação e compreensão na diversidade de gênero promove exclusão das pessoas que não se encaixam no modelo binário, feminino ou masculino. No caso dos transexuais a intolerância e o preconceito tomam uma proporção ainda maior, onde a discriminação começa no âmbito familiar, enraizado dentro de uma sociedade de elementos morais contraditórios. Para composição das discussões sobre o tema, foi realizada pesquisa qualitativa e entrevista semi estruturada, onde foi utilizado gravação das falas da psicóloga entrevistada e consentimento do uso deste material através do TCLE (Termo de Consentimento Livre e Esclarecido) que garantiu sigilo e confiabilidade dos dados coletados.


Palavras-chave


Despatologização. diversidade. gênero.transexualidade

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders: DSM-IV-TR. 4ª ed. Arlington: Publishing, 2000.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-IV. 4ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

AUAD, Daniela. Educar meninas e meninos: relações de gênero na escola. São Paulo: Contexto, 2006.

BEIRAS, A; TAGLIAMENTO, G; TONELIS, M. J. F.; Revisitado seus próprios valores: trabalhando sobre sexualidade e gênero junto a educadores. v. 2, n. 3, 2005

BENTO, B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Editora Garamond Universitária, 2008.

BENTO, B. Luta globalizada pelo fim do diagnóstico de gênero? In: SANTOS, L.H.S.; RIBEIRO, P.R.C. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: instâncias e práticas de produção nas políticas da própria vida. Rio Grande: FURG, 2011. p.89-108. Disponível em

. Acesso em: 02 abr. 2016

BENTO, B.; PELÚCIO, L. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 20, n. 02, ago. 2012.

BLOG ENSAIO DE GÊNERO. Disponível em: Acesso em 1 abr. 2016

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Parecer CFM no 8/13. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/pareceres/CFM/2013/8_2013.pdf acesso em 02 abr. 2016

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Despatologização das identidades trans e travestis. Disponível em http://www2.cfp.org.br/aovivo/despatologizacao Acesso em: 22 mai 2016.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução nº 001/99, de 22 de março de 1999. Estabelece normas de atuação para os psicólogos em relação à questão da Orientação Sexual. Disponível em: Acesso em: 2 abr. 2016.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA-SP. Manifesto pela despatologização das identidades trans. São Paulo, 2011. Disponível em: Acesso em: 2 abr. 2016.

DICIONÁRIO VIRTUAL AURÉLIO. Disponível em https://dicionariodoaurelio.com/transexual > Acesso em 1 abr. 2016.

DSM V. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5ª ed. rev. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ESTATUTO DA DIVERSIDADE SEXUAL. Estatuto da Diversidade Sexual. Anteprojeto, pg. 6. Disponível em: http://www.direitohomoafetivo.com.br/uploads/5.%20ESTATUTO%20DA%20DIVERSIDADE%20SEXUAL%20-%20texto.pdf> Acesso em: 2 abr. 2016.

FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio Online. Disponível em Acesso em 2 abr. 2016

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. São Paulo: Graal, 2005.

JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília, 2012.

LOURO, G. L. Um Corpo Estranho: Ensaios Sobre Sexualidade e Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica. Resenha de: SABAT, R. Uma viagem pós-moderna. Resenhas educativas. 2005.

LOURO, G. L.; Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ Vozes, 1997.

MISKOLCI, R. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, nº 21, 2009, p. 150-182.

NEGREIROS, T. C. G. M; CARNEIRO, T. F. Masculino e feminino na família contemporânea. Estudos e Pesquisas em Psicologia, UERJ, RJ, Ano 4N, 1 semestre, 2004.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Classificação dos Transtornos Mentais e de Comportamento da CID – 10. Artes Médicas: Porto Alegre, 1993.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à saúde- Décima revisão- CID 10. Disponível em: Acesso em: 3 abr 2016.

SABAT, R. F. R. Filmes infantis e a produção performativa da heterossexualidade. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto alegre, 2003.

SANTOS, A. P. Heteroqueers contra a heteronormatividade: Notas para uma teoria queer inclusiva. Centro de estudos sociais, Oficina do CES. 239 (2005)

Seminário Corpo, Gênero e Sexualidade, 2011, Rio Grande: Corpo, gênero e sexualidade: instâncias e práticas de produção nas políticas da própria vida: FURG, 2011, 154p. Disponível em: http://www.corpogeneroesexualidade.furg.br/arquivos/v_seminario_corpo_genero_sexu alidade.pdf#page=89. Acesso em: 02 abr. 2016.

VIEIRA, T. R. Bioética e direito. 5. ed. São Paulo: Jurídica Brasileira, 2011.

WYLLYS, J.; KOKAY, E. Projeto de Lei 5002/2013 João W. Nery - Lei de Identidade de Gênero. Disponível em: Acesso em: 02 abr. 2016.