A INFLUÊNCIA DO PSICÓLOGO NO PROCESSO DE ADOÇÃO

Profª. Thalita Carla LIMA MELO, WalleskaThaynná Vieira de Andrade, Arielly Ferro Gomes do Nascimento, Mariana Medeiros Soares

Resumo


O ato de adotar existe desde a antiguidade e ao longo dos anos vem sofrendo alterações quanto a sua conceituação, percebemos que antigamente os adotantes não tinham como objetivo proporcionar uma maior atenção para a criança, muito menos protegê-la, ficando evidente aqui a necessidade de algo para legislar esse processo, provocando, assim, discussões que acarretaram mudanças no Código Civil Brasileiro e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), bem como a equipe multidisciplinar envolvida no contexto. O presente artigo tem por objetivo entender a influência do psicólogo no processo de adoção, identificando os profissionais que atuam nesse âmbito, delimitando a atuação do psicólogo na casa de adoção e visando compreender as consequências da ausência de um profissional qualificado durante o processo. Entendendo, então, que a adoção envolve muita subjetividade, a presença da Psicologia é de suma importância antes, durante e depois desse processo que se torna longo e exaustivo em sua maioria. Trata-se de uma pesquisa descritiva, na qual foi feita uma análise qualitativa dos dados obtidos por meio de uma entrevista com um profissional da área comparando as informações encontradas na entrevista com o referencial teórico.


Palavras-chave


Adoção, Equipe multidisciplinar, Psicologia Jurídica.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. 12ºed. Brasília: Câmara dos Deputados, 2014.

BRASIL. Código civil. 53º ed. São Paulo: Saraiva; 2002

CAMPOS, N. M. V. A; COSTA, L. F. Subjetividade Presente no Estudo Psicossocial da Adoção. Psicologia: Reflexão e Crítica. v.14. n.1. p.95-104. 2004.

CNJ. Passo-a-passo da adoção. Disponível em:. Acesso em: 18 mai. 2016.

EBRAHIM, S. G. Adoção Tardia: Altruísmo, Maturidade e Estabilidade Emocional. Psicologia: Reflexão e Critica. v.14. n.1. p.73-80. 2001.

FIORELLI, J. O.; MANGINI, R. C. R. Psicologia Jurídica. 6ªed. São Paulo: Atlas S.A., 2015.

FONSECA, C. Caminhos da adoção. São Paulo: Cortez, 1995.

FUTINO, R. S.; MARTINS, S. Adoção por Homossexuais – uma nova configuração familiar sob os olhares da psicologia e do direito. Aletheia, v.24, p.149-159. Jul/Dez. 2006.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Orgs.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GODIM, A. K. (et.al). Motivação dos pais para a prática da adoção. Boletim de Psicologia. v.57. n.129. p.161-170. 2008.

NUNES, M. L. T. Entrevista como instrumento de pesquisa. In.: MACEDO, M. M. K.; CARRASCO, L. K. (Con)textos de entrevista: olhares diversos sobre a interação humana. Itabira: Casa do Psicólogo, 2005.

REPPOLD, C. T.; HUTZ, C. S. Reflexão social, controle percebido e motivações à adoção: características psicossociais das mães adotivas. Estudos de Psicologia.v.8. n.1. p.25-36. 2003.

RODRIGUES, A. J. Metodologia Científica. 4. ed., rev., ampl. Aracaju: UNIT, 2011.

SOUZA, R. P.; MIRANDA, V. R. Adoção: considerações históricas sociais, psicológicas e jurídicas. In.:CARVALHO, M. C. N.; MIRANDA V. R. (orgs.). Psicologia Jurídica: Termos de Aplicação I. 4º reimpr.Curitiba: Juruá, 2014.

TRINDADE, Z. A. Concepções Arcaicas de Maternidade e Paternidade e seus Reflexos na Prática Profissional. Apud MAUX, A. A. B.; DUTRA, E. Do útero à adoção: a experiência de mulheres férteis que adotam uma criança. Estudos de Psicologia, n.1. v.14. p.113-121. mai/ago, 2009.

TRINDADE, J. Manual de Psicologia Jurídica para operadores do Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2010.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WEBER, L. N. D. O psicólogo e as práticas de adoção. In: BRANDÃO, E. P.; GONÇALVES, H. S. (orgs.). Psicologia jurídica no Brasil. Rio de Janeiro: NAU Ed., 2004.