REFLETINDO SOBRE O WELFARE STATE E A CRISE ESTRUTURAL DO CAPITAL

Albani Barros, Bianca Gomes Alves, Maria Lucilene Barbosa

Resumo


O presente trabalho é o resultado de uma reflexão crítica sobre  o Estado de bem-estar e o intenso ataque do capital sobre o trabalho a partir da década de 1970. No período posterior à Segunda Guerra Mundial, a combinação entre o modelo fordista e políticas públicas de caráter reformista propiciou um acelerado processo de crescimento econômico. A longa onda de crescimento começa a sinalizar que estaria perdendo força já a partir do final da década de 1960, no decênio seguinte a economia capitalista mundial entra num processo de desaceleração. Com o aprofundamento da crise, a ação reformista e de negociação passou a experimentar derrotas seguidas e o ataque ao trabalho ganha contornos mundiais. Estando sob as pressões restritivas da crise, o capital já não tinha mais o que oferecer de positivo, a não ser uma contínua piora nas condições de vida dos trabalhadores.


Palavras-chave


Acumulação capitalista, crise estrutural do capital, Estado de bem-estar.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. SADER, Emir. (Org.) Pós-neoliberalismo. São Paulo: Paz e Terra, 2008. Pág. 09 à 28.

ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do trabalho – ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2004.

BISNETO, José Augusto. Serviço Social e saúde mental: uma análise

institucional da prática. São Paulo: Cortez, 2007.

DAVIS, Mike. Planeta Favela. São Paulo: Boitempo, 2008.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

______. O enigma do capital e as crises no capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2012.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

LESSA, Sérgio. Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo. São Paulo: Cortez, 2007.

______. Capital e Estado de Bem-Estar. O caráter de classe das políticas públicas. Maceió, mimeo, 2013. Livro no prelo, a ser lançado pelo Instituto Luckács.

______, Identidade e individuação. Revista Katalysi, Volume 7 nº. 2 p 147-153, Florianópolis: UFSC, Dep. Serviço Social, 2004.

MALLET, Serge. La nouvelle classe ouvrière. Paris: Éditions du Seuil, 1963.

MARX, Karl. Glosas Críticas marginais ao Artigo: “O rei da Prússia e a Reforma Social. De um prussiano. In: Revista Práxis, nº 5, Projeto Joaquim de Oliveira: Belo Horizonte, 1995.

______. O Capital – Crítica da Economia Política. Livro primeiro, tomo 1. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

______. O Capital – Crítica da Economia Política. Livro primeiro, tomo 2. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

______. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, 2004.

______. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

MONTAÑO, Carlos. DURIGUETTO, M. Lúcia. Estado, Classe e Movimento Social. São Paulo: Cortez, 2010.

NAVARRO, Vicenç. O ataque ao modelo social Europeu. Site da Revista Carta Maior. http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=22390, acessado em 14 de agosto de 2013.

NETTO José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia Política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2008.

PANIAGO, Cristina. Mészáros e a incontrolabilidade do capital. Maceió: Edufal, 2007.

______. 2008. Neoliberalismo e os antecedentes da “crise” do estado. Comunicação científica apresentada no XI ENPESS, em São Luis, 2008.

______. Keynesianismo, neoliberalismo e os antecedentes da “crise” do Estado. In: (Org) PANIAGO, Cristina. Marx, Mészáros e o Estado. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

TAVARES, Maria Augusta. Os fios (in) visíveis da produção capitalista: informalidade e precarização do trabalho. São Paulo: Cortez, 2004.