PERFIL DOS BENEFICIADOS DO PROGRAMA MESA BRASIL EM ASSOCIAÇÕES DE MACEIÓ, ALAGOAS

Thays Lane Ferreira dos Santos, Eduardo Lima dos Santos, Layra Caroline Costa de Oliveira, Raphaela Costa Ferreira, Fernanda Maranhão Lages de Brito, Sybelle de Araújo Cavalcante

Resumo


Introdução: O Mesa Brasil é um programa que atua contra o desperdício de alimentos e combatendo a fome em âmbito nacional, atua em forma de banco de alimentos, usando produtos alimentícios, sem valor comercial, advindos de doações para distribuição a pessoas que se encontram em vulnerabilidade nutricional e social oriundas de entidades sociais. Objetivo: Caracterizar o perfil socioeconômico, nutricional e social dos indivíduos que são beneficiados pelo programa Mesa Brasil e residem em algumas comunidades de Maceió - AL. Métodos: Estudo transversal que foi realizado em comunidades de Maceió com os beneficiários do programa Mesa Brasil. Foi aplicado questionário que inclui dados: socioeconômicos, demográficos, clínicos, de estilo de vida, antropométricos e dietéticos. No tratamento estatístico foram usadas variáveis categóricas e calculadas medidas de tendência central (média e mediana) e de dispersão (desvio padrão) para o cálculo do intervalo de confiança de 95%. Resultados: Foram avaliados 78 indivíduos, destes 79,7% eram mulheres, 39,7% Analfabetos ou semianalfabetos, houve predominância da cor parda com 60%, e 50% eram da classe econômica D. Além disso, 68% declarou sedentarismo, e 15,4 % tabagismo. Em relação à antropometria verificou- se que 72,2% estavam acima do peso e 83,3% apresentaram risco cardiovascular segundo a circunferência da cintura, porém apenas 20,5% apresentou circunferência do pescoço elevada que indica risco para o desenvolvimento de apneia do sono. Os dados clínicos apresentaram uma baixa prevalência de doenças crônicas não transmissíveis, totalizando 33,3 % de casos de hipertensão, 14,1% de diabetes e 28,2 % de outras doenças crônicas. O questionário de frequência alimentar revelou o elevado consumo de embutidos e industrializados, correspondentes a 83,3% do consumo de 4 vezes ou mais na semana. Além destes, observou-se o baixo consumo de óleos vegetais como o azeite, tendo em vista, que apenas 57,7% não consumiam. Conclusão: O presente estudo traçou o perfil dos beneficiários do Programa Mesa Brasil tendo sido identificado o predomínio de mulheres, de indivíduos da cor parda e de classe econômica D. Destacaram-se os fatores de risco cardiovascular modificáveis como sedentarismo, excesso de peso e consumo elevado de embutidos, industrializados e frituras que agravam e comprometem o estado de saúde dos indivíduos.

Palavras-chave


Segurança alimentar e nutricional; Fatores socioeconômicos; Indicadores sociais; Consumo de alimentos

Texto completo:

PDF

Referências


Mota LM. Espaço social alimentar: o programa Mesa Brasil Sesc Goiás. 2014. Goiás: Universidade Federal de Goiás; 2014.

Teixeira RA, Tenuta N. A eficácia dos Bancos de Alimentos mineiros. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas. Segurança Alimentar e Nutricional 2017. 24(1): 53-61.

Serviço Social do Comércio (SESC), Programa Mesa Brasil. Quem doa.2018 [acessado 2018 ago 12]. Disponível em: http://www.sesc.com.br.

Binotto FC. Segurança alimentar nos ciclos da vida : um estudo com a população atendida pelo programa mesa Brasil em organizações sociais, no município de Santa Maria - RS. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2010.

Depa J., et al. An explorative cross-sectional study examining self-reported health and nutritional status of disadvantaged people using food banks in Germany. Int J Equity Health 2015; 14(141):1-10.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Organização Mundial da Saúde (OMS). Diretrizes e recomendações cuidado integral de doenças crônicas não transmissíveis. Brasil: OPAS, OMS; 2008.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Avaliação do peso em adultos de 20 a 59 anos.[acessado 2018 ago 15] Brasília: MS; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Avaliação do peso em adultos de 20 a 59 anos.[acessado 2018 ago 15] Brasília: MS; 2017.

Faludi AA., et al. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose – 2017. ArqBrasCardiol 2017; 109(2Supl.1):1-76.

Vasques ACJ., et al. Utilização de medidas antropométricas para avaliação do acúmulo de gordura visceral. Rev. Nutr 2010; 23(1):107-118.

Musman S., et al. Avaliação de um modelo de predição para apneia do sono em pacientes submetidos apolissonografia. J. Bras. Pneumol 2011; 37(1):75-84.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: MS; 2014.

Microsoft Office Excel [computer program]. Version 14.0 for Windows; 2010.

Statistical Package for Social Sciences (SPSS) [computer program]. Version 13.0 for Windows; 2004.

Prazeres F. Santiago L. Prevalence of multimorbidity in the adult population attending primary care in Portugal: a cross-sectional study. BMJ Open 2015; 5(9):e009287.

Sperandio N., et al. Impacto do Programa Bolsa Família no consumo de alimentos: estudo comparativo das regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2016; 22(6):1771-1780.

Marengoni A., et al. Prevalence of chronic diseases and multimorbidity among the elderly population in Sweden. Am J Public Health 2008; 98(7):198-200.

Silvani J., et al. Consumo alimentar de usuários do Sistema Único de Saúde segundo o tipo de assistência e participação no Bolsa Família. Ciênc. saúde Coletiva 2016;13(8):2599-2608.

Baldassarre S., et al. NTproBNP in insulin-resistance mediated conditions: overweight/obesity, metabolic syndrome and diabetes. The population-based Casale Monferrato Study. Cardiovasc Diabetol 2017;16(1):119.

Garcia C., et al. Obésitéabdominale, insulinorésistanceetniveau de La pressionartérielle. Diabetes Metab 2008; 34(3):89.

Ziyyat A., et al. Epidemiology of hypertension and its relationship with type 2 diabetes and obesity in eastern Morocco. Springerplus2014;3(644):3-6.

Howards JA, Bower K, Wayne P. Factors influencing the management of hypertension in type 2 diabetes.Can J Diabetes 2006; 30(1):38-45.

Haslam DW, James WP. Obesity. The Lancet 2005; 366(9492):1197-1209.

Schinner S, Scherbaum WA, Bornstein SR, Barthel A. Molecular mechanisms of insulin resistance. DiabetMed2005; 22(6):74–82.

LIMA FEL, Rabito EI, Dias Gomes MRM. Estado nutricional de população adulta beneficiária do Programa Bolsa Família no município de Curitiba, PR. Rev Bras Epidemiol2011; 14(2):198-206.

Viegas CAA, Oliveira HW. Prevalência de fatores de risco para a síndrome da apnéia obstrutiva do sono em motoristas de ônibus interestadual. J. Bras. Pneumol 2006; 32(2):144-149.

Cabral MJ., et al. Perfil socioeconômico, nutricional e de ingestão alimentar de beneficiários do Programa Bolsa Família. Estud Av 2013; 27(78):71-87.