ACOLHIMENTO PSICOLÓGICO COMO FORMA INTERVENTIVA NO PUERPÉRIO

Elyemerson Alves de Souza, Karolline Hélcias Pacheco Acácio

Resumo


O nascimento de um filho pode ser um evento muito significativo para a vida de uma mãe e sua família e, junto a este significado, são atribuídas às inúmeras modificações dos papéis e responsabilidades sociais e familiares, principalmente em uma época em que a mulher está cada vez mais atuante. A presente pesquisa visa realizar uma revisão bibliográfica narrativa da literatura existente entre 2011 a 2017, nas plataformas Scientific Eletronic Library On-line (Scielo), Google Acadêmico, Lilacs, Biblioteca Virtual BVS-Psi Brasil, Biblioteca Digital Brasileira de Tese e Dissertação e em livros. Desta forma, o presente trabalho tem por objetivo apresentar a importância e as contribuições do acolhimento psicológico frente aos adoecimentos do puerpério. Concluímos que a possibilidade de um acolhimento psicológico no estado puerperal pode ser preventivo aos adoecimentos que podem se instalar.

Palavras-chave


Puerpério; Acolhimento Psicológico; Intervenção Psicológica.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMCHESK, J.; WIECZORKIEVICZ, A. M. Conhecimentos das mulheres relacionados ao período do puerpério. Saúde e meio ambiente: revista interdisciplinar, v. 2, n. 1, p. 69-83, 2013.Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2017.

AGUIAR, D. T.; SILVEIRA, L. C.; DOURADO, S. M. N. A mãe em sofrimento psíquico: objeto da ciência ou sujeito da clínica?. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 622-628, 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2017.

ALVES, C. F. et al. Intervenção Psicológica No Período Pós-Parto Em Uma Maternidade. Jornada de Pesquisa em Psicologia, 2012. Disponível em: . Acesso em 12 out. 2017.

AMARAL, C. S. C.; CASTRO, N. R. PROJETO ACOLHER. ANAIS SIMPAC, v. 5, n. 1, 2015.Disponível em: . Acesso em: 02 out. 2017.

AMORIM, A. R. T.et al. Impactos da aplicação da escala de Edimburgo em puéperas acompanhadas na unidade básica de saúde do município de São Luís do Quitunde-AL. 2016. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2017.

American PsychiatricAssociation. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artes Médicas. 5ª edição. 2013

ANGELO, B. H. B.; BRITO, R. S. Consulta puerperal: o que leva as mulheres a buscarem essa assistência?. Northeast Network Nursing Journal, v. 13, n. 5, 2012.Disponívelem: < http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/4129>. Acesso em 24 out. 2017.

ANGERAMI-CAMON, V. A.; TRUCHARTE, F. A. R. Psicologia hospitalar: teoria e prática. Livraria Pioneira Editora, 1994.

ARRAIS, A. R. A Configuração subjetiva da depressão pós-parto: para além da padronização patologizante. 2013. Disponível em: < http://repositorio.unb.br/handle/10482/14011 >. Acesso em 20 de out. 2017.

ARRAIS, A.R.; MOURAO, M. A. Proposta de atuação do psicólogo hospitalar em maternidade e UTI neonatal baseada em uma experiência de estágio. Rev. Psicol. Saúde, Campo Grande , v. 5, n. 2, p. 152-164, dez. 2013 . Disponível em . acessos em 23 out. 2017.

ARRAIS, A. R.; MOURÃO, M. A.; FRAGALLE, B. O pré-natal psicológico como programa de prevenção à depressão pós-parto. Saúde e Sociedade, v. 23, n. 1, p. 251-264, 2014. Disponível em: . Acesso em 23 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada [Internet]. Brasília; 2005. Disponível em:< http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/05_ 0151_M.pdf >. Acesso em 20 de out. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. GM 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica: estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília; 2006. Disponível em: < http://189.28.128.100/dab/docs/ legislacao/portaria_648_28_03_2006.pdf >. Acesso em 20 out. 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde, Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – Manual técnico/Ministério da Saúde, Secretaria de atenção à saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégias – Brasília, 2006. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_pre_natal_

puerperio_3ed.pdf >. Acesso em 20 de out. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n. 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 jun. 2011. Republicado em 1º jul. 2011. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html >. Acesso em: 10 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde; Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília. 2012 Disponível em: < http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf>. Acesso em 24 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Rede Cegonha: Gravidez, parto e nascimento com saúde, qualidade de vida e bem-estar. Brasília-DF, 2013. Disponível em: . Acesso em:05/10/2017.

CABRAL, F. B. et al. Atendimento pré-natal na ótica de puérperas: da medicalização à fragmentação do cuidado. Rev Esc Enferm USP, p. 281-287, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v47n2/02.pdf>. Acesso em 20 de out. 2017.

CAMPOS, B. C.; RODRIGUES, O. M. P. R. Depressão pós-parto materna: crenças, práticas de cuidado e estimulação de bebês no primeiro ano de vida. Psico, v. 46, n. 4, p. 483-492, 2015.Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

CASSIANO, A.N.et al. Percepção de enfermeiros sobre a humanização na assistência de enfermagem no puerpério imediato. Rev. pesqui. cuid. fundam.(Online), p. 2051-2060, 2015. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

COELHO, C. A. T. Determinantes das alterações psicoemocionais do puerpério: efeitos da autoestima. 2015. Tese de Doutorado.Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

CORRÊA, M. S. M. et al. Acolhimento no cuidado à saúde da mulher no puerpério. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, n. 3, 2017. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2017.

COSTA, P. C. P. Depressão perinatal: das relações familiares ao desenvolvimento da criança. Estratégias de prevenção. 2015. Dissertação de Mestrado.Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

EDUARDO, Kylvia Gardênia Torres et al. Vivenciando o puerpério: depoimento de mulheres. Northeast Network NursingJournal, v. 6, n. 2, 2016.Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/3240/324027951004.pdf>. Acesso em 24 out. 2017.

FERREIRA, Ana Carolina Delgado. Sintomas psicopatológicos e suporte social na gravidez e no pós-parto: um olhar sobre a parentalidade. 2013. Tese de Doutorado. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

FREITAS, F. et al. Rotinas em obstetrícia. 6.ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

Forlenza, O. V; Miguel, E. C. Compêndio de clínica psiquiátrica. Barueri, SP: Manole, 2012.

IAGHER, F. Implicações psicológicas para o homem frente à depressão pósparto materna na literatura psicológica. 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2017.

LOBATO, G.; MORAES, C. L.; REICHENHEIM, M. E. Magnitude da depressão pós-parto no Brasil: uma revisão sistemática. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 11, n. 4, p. 369-379, Dez. 2011. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

LOURENÇO, I. M. M. L. Acompanhar a maternidade de forma holística: efeitos sobre a autoestima materna e a vinculação mãe-bebé. 2013. Dissertação de Mestrado. Universidade de Évora. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

MALDONADO, M. T. Psicologia da gravidez. Editora Jaguatirica Digital, 2013.

MARTINS, M. C. et al. Fatores associados ao estado emocional materno no período pós-parto e sua relação com a prática da amamentação. 2013. Disponível em: . Acesso em 14 out. 2017.

MORAES, M. H. C.; CREPALDI, M. A. A clínica da depressão pós-parto. Mudanças-Psicologia da Saúde, v. 19, n. 1-2, p. 61-67, 2012. Disponível em: . Acesso em 14 out. 2017.

NETO, L. F. S.; ALVARES, L. B. O papel do obstetra e do psicólogo na depressão pós-parto. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840, v. 15, n. 1, p. 180-183, 2013. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

OLIVEIRA, M. J. M.; DUNNINGHAM, W. A. Prevalência e Fatores de Risco Relacionados a Depressão Pós-Parto em Salvador. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria, v. 19, n. 2, 2016. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

OLIVEIRA, E. A. D. Atuação do enfermeiro na detecção e prevenção da depressão pós-parto. 2016. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

Organização Mundial de Saúde. CID-10. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Tradução: Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português, 10ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

PEDROTTI, B. G. A influência da chegada do bebê na relação conjugal no contexto da depressão materna. 2016. Disponível em: < http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/157169>. Acesso em 24 out. 2017.

PEREIRA, I. B. B. et al. Cartilha educativa para profissionais de saúde para reconhecimento de depressão pós-parto. 2016. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

PINHEIRO, M. S.; MACIEL, F. BLUES: Manifestação e inserção sociocultural do negro no início do século XX. Outros Tempos–Pesquisa em Foco-História, v. 8, n. 12, 2011. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

PUNTEL, M. A. Qualidade da assistência no período pós-parto: visão das puérperas. 2016. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

QUERINO SOUZA, Ana Beatriz; FERNANDES, Betânia Maria. Diretriz para assistência de enfermagem: ferramenta eficaz para a promoção da saúde no puerpério. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 15, n. 4, 2014. Disponível em: < http://www.redalyc.org/html/3240/324032212006/>. Acesso em 24 out. 2017

RIBEIRO, D. C. Proposta para melhorias no Programa de Pré-Natal e Puerpério da Unidade Básica de Saúde Laurença Abreu da Silva, Baixa Grande, Município de União-Piauí. 2017.Disponível em: < https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/8069>. Acesso em 24 out. 2017

SCALCO, L. M. et al. Psicose puerperal: relato de caso. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, v. 2, n. 2, 2013. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

SIMONETTI A. Manual de psicologia hospitalar. O mapa dadoença. 6ª ed. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2011.

SOLER, D.R. et al. Qualidade de vida no puerpério: avaliação no pós-parto imediato, tardio e remoto. Revista de enfermagem UFPE online-ISSN: 1981-8963, v. 9, n. 12, p. 1093-1101, 2015. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

SOUZA, M. G.; OLIVEIRA, C. A.; JUSTI, J. Puerpério e atenção à saúde: percepção de mulheres assistidas pelo Sistema Único de Saúde. Revista Saúde e Desenvolvimento, v. 11, n. 7, p. 158-177, 2017. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

TAVARES, M. F. M. Transição para a parentalidade e a saúde mental no puerpério: Significados para a mulher em risco de depressão pós-parto. 2015. Disponível em: . Acesso em 24 out. 2017.

Winnicott, D. W. Textos selecionados: Da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 3 ed.1988.

ZUGAIB, M. et al. Zugaib obstetrícia básica. 1 ed. Barueri, SP: Manole, 2015.