A ANÁLISE DA FUNCIONALIDADE DE PACIENTES SUBMETIDOS A CUIDADOS INTENSIVOS ATRAVÉS DE ESCALAS FUNCIONAIS: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Luis Arthur Dias Matos, Ana Carolina do Nascimento Calles

Resumo


Introdução: O número de sobreviventes após um evento grave tem aumentado consideravelmente, e muitas vezes acarretando um maior tempo de internação na unidade de terapia intensiva (UTI) e hospitalar. Frequentemente esses pacientes evoluem com decréscimo da qualidade de vida e comprometimento das habilidades funcionais para realização de suas atividades de vida diária. Objetivo: Analisar a funcionalidade de pacientes submetidos a cuidados intensivos. Metodologia: Trata-se de uma revisão de literatura, com o levantamento bibliográfico realizado nas bases de dados Scielo e PubMed, utilizando como descritores isolados ou em combinação estabeleci¬dos pelo DeCS (Descritores em Ciências da Saúde): Funcionalidade; Unidade de Terapia Intensiva; Fisioterapia. Resultados e discussão: Ao estudar a literatura, constatou-se que em ambientes de UTI é comum que a independência funcional seja diretamente afetada pelo uso de bloqueadores neuromusculares e medicações de uso prolongado, assim como o tempo prolongado de internamento na UTI e/ou em uso de ventilação mecânica invasiva (VMI). Conclusão: As escalas ou questionários não são capazes de dizer exatamente para aos profissionais da saúde o que se fazer, porém, são capazes de demonstrar se os pacientes conseguem executar determinadas atividades de vida diária e como se sentem quando as estão praticando, servindo para elaboração de um plano de tratamento fisioterapêutico adequado, evitando possíveis agravos à saúde do paciente.

Palavras-chave


Funcionalidade; Unidade de Terapia Intensiva; Fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, V. DE et al. A influência da mobilização precoce no tempo de internamento na Unidade de Terapia Intensiva The influence of early mobilization in length of stay in the Intensive Care Unit A imobilidade é um problema frequente em pacientes ventilados mecanicamente e pod. Assobrafir Ciência, v. 3, n. 2, p. 31–42, 2012.

BORGES, V. M. et al. Fisioterapia motora em pacientes adultos em terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 21, n. 4, p. 446–452, 2009.

CHOI, JIYEON; TASOTA, FREDERICK J.; HOFFMAN, L. A. Mobility Interventions to Improve Outcomes in Patients Undergoing Prolonged Mechanical Ventilation: A Review of the Literature. Biological research for nursing, v. 10, n. 1, p. 21–33, 2008.

CLINI, E.; AMBROSINO, N. Early physiotherapy in the respiratory intensive care unit. Respiratory Medicine, v. 99, n. 9, p. 1096–1104, 2005.

DANTAS, C. M. Influência da mobilização precoce na força muscular periférica e respiratória em pacientes críticos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 24, n. 2, p. 173–178, 2012.

GOSSELINK, R. et al. Physiotherapy for adult patients with critical illness: Recommendations of the European Respiratory Society and European Society of Intensive Care Medicine Task Force on Physiotherapy for Critically Ill Patients. Intensive Care Medicine, v. 34, n. 7, p. 1188–1199, 2008.

HERRIDGE, M. S. et al. One-Year Outcomes un Survivors of the Acute Respiratoy Distress Syndrome. N Engl J Med, v. 348, n. 8, p. 859–873, 2003.

LATRONICO, N.; GOSSELINK, R. A guided approach to diagnose severe muscle weakness in the intensive care unit. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 27, n. 3, p. 199–201, 2015.

MATURANA, M. J. et al. Escalas De Avaliação Funcional Em Unidade De Terapia Intensiva (Uti): Revisão Sistemática. v. 13, p. 21–29, 2017.

MESQUITA, T. M. DE J. C.; GARDENGHI, G. Imobilismo e fraqueza muscular adquirida na unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Saúde Funcional, v. 1, n. 3, 2016.

MONTAGNANI, G. et al. Use of the Functional Independence Measure in People for Whom Weaning From Mechanical Ventilation Is Difficult. Physical Therapy, v. 91, n. 7, p. 1109–1115, 2011.

MORRIS, P. E. et al. Early intensive care unit mobility therapy in the treatment of acute respiratory failure. Critical Care Medicine, v. 36, n. 8, p. 2238–2243, 2008.

NETO, M. Functional decline in intensive care unit (ICU). movimento&saude. REVISTAINSPIRAR, v. 5, n. 23, p. 1, 2013.

NOZAWA, E. et al. Perfil de fisioterapeutas brasileiros que atuam em unidades de terapia intensiva. Fisioterapia e Pesquisa, v. 15, n. 2, p. 177–182, 2008.

PARRY, S. M. et al. Functional outcomes in ICU - what should we be using? - an observational study. Critical Care, v. 19, n. 1, p. 1–9, 2015.

PERME, C. et al. A tool to assess MoBility status in CritiCally ill patients: the perMe intensive Care unit MoBility sCore. Methodist Debakey Cardiovasc J., v. 10, n. 1, p. 41–9, 2014.

SCHWEICKERT, W. D. et al. Early physical and occupational therapy in mechanically ventilated, critically ill patients: a randomised controlled trial. The Lancet, v. 373, n. 9678, p. 1874–1882, 2009.

SILVA, A. P. P. DA; MAYNARD, K.; CRUZ, M. R. DA. Efeitos da fisioterapia motora em pacientes críticos: revisão de literatura. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 22, n. 1, p. 85–91, 2010.

SILVA, I. T.; OLIVEIRA, A. A. Efeitos da mobilização precoce em pacientes críticos internados em uti. Rev Bras Ter Intensiva., v. 8, n. 2, p. 41–50, 2015.

VILA, V. DA S. C.; ROSSI, L. A. O significado cultural do cuidado humanizado em unidade de terapia intensiva: “muito falado e pouco vivido”. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 10, n. 2, p. 137–144, 2002.

WINKELMAN, C.; HIGGINS, P. A.; CHEN, Y.-J. K. Activity in the Chronically Critically III Chris. Dimensions of Critical Care Nursing, v. 13, n. 2, p. 83–96, 2005.