A PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA NO TRABALHO DE REABILITAÇÃO DA CRIANÇA COM MICROCEFALIA

LEIDIANE SILVA SANTOS, ALEX SANDRO SILVA BARBOSA, ANNE FLÁVIA SILVA GALINDO SANTANA, LAISSA FONSECA TATAJUBA MONTEIRO

Resumo


A microcefalia é caracterizada por uma malformação congênita em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. As crianças que apresentam problema neurológico e possuem o perímetro cefálico significativamente abaixo da média. Na microcefalia existe uma má formação em nível da estrutura óssea do crânio evidenciando o crescimento/desenvolvimento anormal do cérebro. O objetivo do estudo foi analisar a importância da participação da família no trabalho de reabilitação da criança com microcefalia e identificar as dificuldades em relação ao tratamento e evolução. Realizou-se um estudo descritivo exploratório, com um grupo de crianças com microcefalia, de ambos os sexos, com idades entre dois (2) e vinte quatro (24) meses, utilizando uma abordagem transversal e quantitativa. A amostra foi não probabilística, composta por crianças em atendimento no setor de fisioterapia infantil da Associação Pestalozzi de Maceió e da Associação de Deficientes Físicos de Alagoas (Adefal). Os responsáveis legais foram informados de todos os objetivos e etapas da pesquisa e submetidos a um questionário próprio (Anexo I). Conclui-se que a participação no trabalho de reabilitação da criança com microcefalia é indispensável e que carece que os pais deem continuidade em casa. Colaborando para que a família vivencie esse momento de forma plena, buscando sempre esse momento de afetividade e cuidado.

Palavras-chave


microcefalia, reabilitação, fisioterapia

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE. Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor decorrente de microcefalia / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 123 p: il.

HARRIS SR. Congenital idiopathic microcephaly in an infant: congruence of head size with developmental motor delay. Dev Neurorehabil. (2013) 6(2):129–32.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Briefing notes on Zika and Microcephaly; 2016. Disponível em: Acesso em: 30 abri. 2017.

COFFITO. Sistema COFFITO/CREFITOs. Diagnóstico: Microcefalia. E agora? 2016, 12 p. Disponível em: Acesso em: 04 Jun. 2016.

PANTELIADIS CP, HAGEL C, KARCH D, HEINEMANN K. (2015) Cerebral Palsy: A Lifelong Challenge Asks for Early Intervention. Open Neuro; Jun 26; 9:45-52.

ROSENBAUM P, PANETH N, LEVITON A, GOLDSTEIN M, BAX M, DAMIANO D, DAN B, JACOBSSON B. (2007) A report: the definition and classification of cerebral palsy April 2006. Dev Med Child Neurol Suppl. 2007 Feb; 109:8-14. Erratum in: Dev Med Child Neurol. Jun; 49(6):480.

BAX M, GOLDSTEIN M, ROSENBAUM P, LEVITON A, PANETH N, DAN B, JACOBSSON B, DAMIANO D. (2005) Executive Committee for the Definition of Cerebral Palsy. Proposed definition and classification of cerebral palsy April 2005. Dev Med Child Neurol. Aug; 47(8):571-6.

LEMES L.C E BARBOSA M.A.M. Comunicando a mãe o nascimento do filho com deficiência. Acta Paul Enfermagem 2007; 20(4): 441-5.

DANTAS, MERYELI et al. Impacto do diagnóstico de paralisia cerebral para a família. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v.19, n.2, p. 229-37. Abri – jun. 2010.

GONDIM, K et al. Participação das mães no tratamento dos filhos com paralisia cerebral. Revista Rene Fortaleza, v.10, n, 4, p. 136-144, out/dez.2009.

NUNES A.M.S. O perfil do cuidador da criança portadora de Paralisia Cerebral. Revista Meio Ambiente Saúde 2007; 2 (1) :1- 21.

LOPES G.B. et al. Os pais das crianças com deficiência: reflexões acerca da orientação em reabilitação motora. Psicologia: teoria e pratica, São Paulo, v.4, n.2, p.67-72, 2002.

ROTTA NT. Paralisia Cerebral, novas perspectivas terapêuticas. J Ped 2002; 78 (supl.1): 48-54.

REBEL, MF et al. Prognóstico motor e perspectivas atuais na paralisia cerebral. Rev. Bras. Cresc. e Desenv. Hum. 2010; 20(2): 342-350.

MANCINI MC, FIÚZA PM, REBELO JM, MAGALHÃES LC, COELHO ZAC, PAIXÃO ML, et al . Comparison of functional activity performance in normally developing children and children with cerebral palsy. Arq. Neuro- Psiquiatr. 2002; 60 (2B): 446 - 452.

BARBOSA AP, SANTOS DT, SANTOS LS, GOMES RAS, ANJOS CC. O uso da cif como proposta para o acompanhamento das crianças com síndrome congênita do zika vírus: relato de um caso. Revista Científica CIF Brasil. 2016; 6(6):18-33.

SANCHES, L. et al. Relatos maternos sobre o impacto do diagnóstico da deficiência dos filhos. Caderno de Saúde Colet, 2011, Rio de Janeiro, 19 (3): 366-74.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo de vigilância e resposta a ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus Zika. Versão 1. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

PETERSEN EE, STAPLES JE, MEANEY-DELMAN D, FISCHER M, ELLINGTON SR, CALLAGHAN WM, et al. Interim Guidelines for Pregnant Women During a Zika Virus Outbreak - United States, 2016. Disponível em: Acesso em: 31 mar. 2016.

SARI FL, MARCON SS. Participação da Família no Trabalho Fisioterapêutico em Crianças com Paralisia Cerebral. Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2008; 18(3): 229-239.

BRASIL, A. C. O. et al. O papel do fisioterapeuta do programa saúde da família do município de Sobral – Ceará. Revista Brasileira de Promoção de Saúde, Fortaleza, v. 18, n.1, p. 3-6, 2005.

LEITE CN, VARELLIS MLZ. MICROCEFALIA E A ODONTOLOGIA BRASILEIRA Journal Health NPEPS. 2016; 1(2): 297-304.

MARIA-MENGEL, M. R. S.; LINHARES, M. B. M. Risk factors for infant developmental problems. Revista Latino-Americana de Enfermagem, [S.l.], v. 15, p. 837-842, 2007.

SABATES L.A.; BORBA R.I.H. As informações recebidas pelos pais durante a hospitalização de seu filho. Revista Latino am Enfermagem 2005 nov/dez; 13(6): 968-73.

CARVALHAES, M.A.B. L E BENICIO M.H.D. Capacidade materna de cuidar e desnutrição infantil. Revista de Saúde Publica. V.36, n.2, p.188-97. Abr.2002.

GUILLER, C.A. et al. Criança com anomalia congênita: estudo bibliográfico de publicações na área de enfermagem pediátrica. Acta Paulista de Enfermagem. V.20, n.1, p.18-23. 2007.

BEE H. A criança em desenvolvimento. In: Bee H. (Org). Desenvolvimento atípico. 9ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GRACAO DC, SANTOS MGM. A percepção materna sobre a paralisia cerebral no cenário da orientação familiar. Fisioterapia Mov 2008; 21 (2): 107-13.

LEVITT S. O Tratado da Paralisia Cerebral e do Retardo Motor. 3ª ed. São Paulo: Manole, 2001.

FINNIE NR. A importância da comunicação entre os pais e profissionais. In: Finnie NR (Org.). O manuseio em Casa da Criança com Paralisia Cerebral. 3ª ed. São Paulo: Manole, 2000, p.03-07.

ORTIZ V.K.B. E FAVARO J. Identificação de alguns fatores motivacionais que levam à família a adesão ao tratamento terapêutico de crianças com deficiência. Caderno de Pós Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento. São Paulo, v.4, n.1, p.35-45, 2004.

MAIRE LEVANDOWSKI, LISANDRA CARRILHO. EXPECTATIVA DOS PAIS DE CRIANÇAS COM PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS EM RELAÇÃO À FISIOTERAPIA. Saúde Integrada 2014_Biomedicina. Indd.

MARCHESE, D.M.A. O Nascimento do Cidadão Diferente: Prognóstico ou Julgamento? Dissertação de Mestrado em Distúrbios do Desenvolvimento. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2002.