A AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ESTRESSE E A CONSEQUÊNCIA SOBRE A VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM DOCENTES

Ana Carolina do Nascimento Calles, Joyce Annenberg Araújo dos Santos

Resumo


Introdução: O estresse é definido como um evento psicofisiológico desencadeado por uma exposição frequente a qualquer agente agressor, conduzindo o sujeito a um estado de alta tensão com o intuito de manter o equilíbrio fisiológico. Sendo assim, como o organismo tende a buscar sempre o equilíbrio, a consequência de qualquer disfunção emocional passa a ser observada, sobretudo na variabilidade da frequência cardíaca, correspondendo às oscilações do batimento cardíaco. Por esse motivo, é importante mencionar que quando o estresse não é identificado e tratado no inicio, além de não haver o acompanhamento de especialistas, seus efeitos podem ocasionar sérios danos à saúde. Estudos comprovam que a relação do estresse com a variabilidade da frequência cardíaca causa disfunções em todo o organismo, contribuindo, principalmente, com o surgimento de doenças cardiovasculares. Observa-se que essas patologias se manifestam geralmente em docentes, tendo em vista o nível de exigência da profissão e o excesso de atividades e deveres para cumprir, razão pela qual vivem quase sempre em estado de tensão e ansiedade. Nesse contexto, a consequência é justamente a variabilidade da frequência cardíaca do docente. Objetivo: Investigar os principais fatores desencadeadores do estresse ocupacional em docentes universitários e analisar as consequências sobre a variabilidade da frequência cardíaca. Metodologia: Revisão bibliográfica, com as bases de dados: Scielo, Lilacs e Medline publicados entre 2000 e 2016, utilizando os descritores: estresse ocupacional, frequência cardíaca e doenças cardiovasculares. Foram utilizados como fonte de pesquisa, dissertações, monografias, artigos científicos e revistas que tiveram seus principais argumentos analisados ao longo do presente artigo. Resultados e discussão: Ao estudar a literatura, foi possível notar que os principais fatores que contribuem para o desenvolvimento do estresse no ambiente de trabalho é a exigência física e psíquica, o excesso de cobrança, o excesso de atividades que se levam para casa e a falta de tempo para executar determinadas tarefas. Além disto, foram mencionados outros fatores como os turnos variáveis, as longas jornadas de trabalho, as horas extras, o ritmo excessivamente acelerado e a responsabilidade com os alunos e com a instituição. Quanto as principais consequências na variabilidade da frequência cardíaca, destacam-se a taquicardia, a arritmia ventricular, o aumento no débito cárdico, o aumento na frequência cardíaca, o aumento na contratilidade e da pressão arterial. Conclusão: Como não se podem evitar tais problemas e nem resolvê-los, a melhor maneira para conduzir uma vida saudável e sem maiores problemas é saber lidar com os conflitos diários motivados pelo ambiente de trabalho. Para tanto, é recomendado à prática de atividades físicas, como a ginástica laboral, que ajuda a aliviar a exaustão física e psicológica desses docentes, além de diminuir a tensão e ansiedade causada pelo estresse ocupacional.


Palavras-chave


Estresse Ocupacional; Frequência Cardíaca; Doenças Cardiovasculares; Docentes Universitários.

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, L. MALAGRIS, L.E.N. Avaliação do nível de stress em profissionais de saúde. Revista Estudos e Pesquisas em Psicologia. v.7 n.3. Rio de Janeiro. dez. 2007.

CARVALHO, A. V. de; SERAFIM, O. C. G. Administração de recursos humanos. São Paulo: Ed. Pioneira. v. 2. 2002.

CAMBRI, L.T. FRONCHETTI, L. OLIVEIRA, Fernando Roberto de. et. al. Variabilidade da frequência cardíaca e controle metabólico. Arquivos Sanny de Pesquisa e Saúde v.1. n.1.p. 72-82. 2008.

CAMELO, S. H. H.; ANGERAMI, E. L. S. Sintomas de estresse em trabalhadores de cinco núcleos de saúde da família. Revista Latino-Americana de Enfermagem. v. 12, n.1, p.14-21. 2004.

CONTAIFER, T.R.C. BACHION, M.M. YOSHIDA T. SOUZA, J.T. Estresse em professores universitários da área de saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre (RS). v.24. n. 2 p: 215. 2003.

FINAMORE, FS. SANTANA, K.S. Fatores de risco cardiovascular e análise do nível de estresse em docentes do curso de enfermagem de uma instituição de ensino superior filantrópica de Vitória/ES. Monografia apresentada a Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo. Vitória. Espírito Santo. 53 f. 2011.

GASPARINI, S.M. BARRETO, S.M. ASSUNÇÃO, A.Á. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Universidade Federal de Minas Gerais. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31. n. 2. p. 189-199. 2005.

GOTTLIEB, L.S.N. Estresse ocupacional: algumas abordagens de intervenção. (internet). Disponível em: . Acessado em: 11 mai. 2016.

KOCH, M. O. BIAZI, R. J. BENEDETTO, C.D. Estresse Em Docentes: Um Estudo Comparativo entre uma Instituição de Ensino Superior Pública e uma Instituição de Ensino Superior Privada na Cidade de Toledo-Pr. Revista UNINGÁ Review. v.21. n.1. p.17-23. 2015.

LIPP, M.E.N. Estresse emocional: a contribuição de estressores internos e externos. Revista de Psiquiatria Clínica. v. 28 n. 6. p: 347-348, 2001.

LONGHI, A. Variabilidade da frequência cardíaca, estresse, ansiedade e depressão em intensivistas: um estudo nas unidades de terapia intensiva da cidade de Dourados – MS. Dissertação apresentada a Faculdade de Brasília, Brasília, Distrito Federal. 73 f. 2009.

LOURES, D.L. SANT'ANNA, I.BALDOTTO, C.S.R. et. al. Estresse Mental e Sistema Cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v.78 n.5. São Paulo. 2002.

MURTA, S.G. TRÓCCOLI, B.T. Intervenção em Estresse Ocupacional. Psicologia: Teoria e Pesquisa. v. 20. n. 1. p: 039-047. 2004.

OLIVEIRA J.M.S. Um estudo sobre as causas do stress dos professores de educação infantil, da rede municipal de Lauro de Freitas, em sala de aula. 61 f. 2012. Projeto de pesquisa apresentado ao curso de Pedagogia da Faculdade Integrada – UNIBAHIA, Lauro de Freitas, Bahia;

PAIVA, K.C.M. SARAIVA, L.A.S. Estresse ocupacional de docentes do ensino superior. R.Adm., São Paulo, v.40. n.2. p: 145-158. 2005.

PIEGAS, L.S. III Diretriz sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio. Arquivos Brasileiros de Cardiologia v.83 n.4. 2004.

PORTO, L.A. REIS, I.C. ANDRADE, J.M. NASCIMENTO, C.R. CARVALHO, F.M. Doenças ocupacionais em professores atendidos pelo centro de estudo do trabalhador (CESAT). Revista baiana de saúde pública. v. 28 n.1. p 33-49. 2004.

SILVA, P.L.A. Percepção de Fontes de Estresse Ocupacional, Coping e Resiliência no Fisioterapeuta. Monografia apresentada a Universidade Católica de Goiás. 2006.

SILVA, S. F.P. COLTRE, S. M. O nível de estresse dos docentes da área da saúde em uma instituição de ensino superior privada no oeste do paraná. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2009.

SOUZA, M.C. GUIMARÃES, A. C. A. ARAUJO, C. C.R. Estresse no Trabalho em Professores Universitários. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. v. 11, n. 35. 2013.

VANDERLEI L.C.M.PASTRE, C.M.; HOSHI, R.A. et al. Noções básicas de variabilidade da frequência cardíaca e sua aplicabilidade clínica. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. v.24 n.2 São José do Rio Preto. 2009.