PERFIL DAS GESTANTES CADASTRADAS EM UM CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE RIO LARGO NO ESTADO DE ALAGOAS NO PERÍODO DE 2013 A 2014

Egleson Kleyton dos Santos Oliveira, José Cleiton da Conceição Alves, Andressa Lima Cavalcante, Laíse Gabrielly Matias de Lima Santos, Ana Paula Miyazawa, Maria Rita Webster de Moura, Sabrina Gomes de Oliveira

Resumo


O programa de humanização no pré-natal e nascimento visa garantir um atendimento de qualidade, melhoria do acesso e cobertura, no acompanhamento do pré-natal. Estudos demonstram que mulheres grávidas que recebem a devida assistência no começo da gestação e comparecem rotineiramente a mais consultas de pré-natal possuem uma propensão de apresentar melhores resultados maternos posteriores. O objetivo deste estudo foi identificar o perfil das gestantes atendidas em um Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) do município de Rio Largo - Alagoas, favorecendo o desenvolvimento de ações específicas às suas necessidades. A pesquisa foi realizada na forma de estudo documental, quantitativo e transversal, incluindo todas as gestantes atendidas no período de 2013 a 2014. Cerca de 60% das gestantes eram adultas, 36% adolescentes; 55% iniciaram o pré-natal após a 12ª semana de gestação; 46% nunca tiveram filhos, 28% tinham um e 25% mais de um filho; 90% tinham renda menor de meio salário mínimo; cerca de 49% estavam fora dos padrões nutricionais recomendados. O perfil das gestantes atendidas no CRAS se relaciona aos fatores socioeconômicos locais, que influenciam desde a idade gestacional em que as mulheres iniciam o pré-natal até seu estado nutricional, o que aumenta a responsabilidade e a necessidade de elevar a qualidade da assistência dos serviços de saúde no município.


Palavras-chave


Pré-natal, gestante, saúde da mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C. A. L.; TANAKA, O. Y. Perspectiva das mulheres na avaliação do Programa de Humanização do Pré-Natal e Nascimento. Rev Saúde Pública, São Paulo, v.43, n.1, p.98-104, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2014.

BARBOSA, H. H. M. M. et al. Estudo das principais causas que levam a gravidez na adolescência. Revista Paraense de Medicina, Belém, v.20, n.3, 2006. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2014.

BARRETO C. N. et al. Atenção pré-natal na voz das gestantes. Rev enferm UFPE online, Recife, v.7, n.5, p.4354-4363, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2014.

BARROS, F.C. et al. The challenge of reducing neonatal mortality in middle-income countries: findings from three Brazilian birth cohorts in 1982, 1993, and 2004. Lancet, v.365, n.9462, p.847-854, 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2015.

BEHRMAN, R. E.; KLIEGMAN, R. M.; JENSON, H. B. Nelson: tratado de pediatria. 17ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

BELARMINO, G. O. et al. Risco nutricional entre gestantes adolescentes. Acta Paul Enferm, São Paulo, v.22, n.2, p.169-175, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2015.

BERQUÓ, E.; CAVENAGHI, S. Mapeamento socioeconômico e demográfico dos regimes de fecundidade no Brasil e sua variação entre 1991 e 2000. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 14º, Minas Gerais, 2004. Anais do 14º Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Minas Gerais: ABEP, 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2014.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Síntese de indicadores sociais 2002. Rio de Janeiro: IBGE, 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2015.

______. Pesquisa de Orçamentos Familiares, 2008-2009. Rio de Janeiro: IBGE 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2015.

BRASIL. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Pnad 2007: primeiras análises - demografia e gênero. Brasília: IPEA. 2008. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2015.

______. Programa humanização do parto: humanização do pré-natal e Nascimento. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2014.

COELHO, K. S.; SOUZA, A. I.; BATISTA FILHO, M. Avaliação antropométrica do estado nutricional da gestante: visão retrospectiva e prospectiva. Rev Bras Saúde Matern Infant, Recife, v.2, n.1, p.57-61, 2002. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2014.

DALFOVO, M.S.; LANA, R. A.; SILVEIRA, A.. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-13, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2015.

DIAS, A. C. G.; TEIXEIRA, M. A. P. Gravidez na adolescência: um olhar sobre um fenômeno complexo. Paidea, Ribeirão Preto, v.20, n.45, p.123-131, 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2014.

DREHMER, M. et al. Socioeconomic, demographic and nutritional factors associated with maternal weight gain in general practices in Southern Brazil. Cad Saúde Pública, v.26, n.5, p.1024-1034, 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2014.

ENKIN, M. W. et al. Guia para atenção efetiva na gravidez e no parto. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2005.

GALTIER-DEREURE, F.; BOEGNER, C.; BRINGER J. Obesity and pregnancy: complications and cost. Am J Clin Nutr, v.71, suppl.5, p.124S-128S, 2000. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2014.

GRAVENA, A. A. F. et al. Idade materna e fatores associados a resultados perinatais. Acta Paul Enferm, v. 26, n. 2, p.130-135, 2013. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2014.

GOMES, R. N. S. et al. Avaliação do estado nutricional de gestantes atendidas em unidades básicas de saúde de Caxias/MA. Revista Interdisciplinar, v.7, n.4, p.81-90, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2015.

MAGALHÃES, M. L. C. et al. Gestação na adolescência precoce e tardia: há diferença nos riscos obstétricos? Rev Bras Ginecol Obstet, Rio de Janeiro, v. 28, n.8, p.446-452, 2006. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2014.

MENEZES, A. M. B. Noções básicas de epidemiologia das doenças respiratórias. Rio de Janeiro: Revinter, 2001.

MONTEIRO, C. A. et al. Velhos e novos males da saúde no Brasil: a evolução do país e de suas doenças. 2ª ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2000.

MONTEIRO, L. M.; CUNHA, A. A.; BASTOS, A. C. Gravidez na adolescência. Rio de Janeiro: Revinter. 1998.

MOURA, E. R. F; HOLANDA, J. R.; RODRIGUES, M. S. P. Avaliação da assistência pré-natal oferecida em uma microrregião de saúde do Ceará. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.19, n.6, p.1791-1799,2003. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2014.

OLIVEIRA, E. X. G.; TRAVASSOS, C; CARVALHO, M. S. Acesso à internação hospitalar nos municípios brasileiros em 2000: territórios do Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.20, supl.2, p.S298-S309, 2004. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2014.

OSIS, M. J. D. et al. Atenção ao planejamento familiar no Brasil hoje: reflexões sobre os resultados de uma pesquisa. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.22, n.11, p.2481-2490, 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2014.

PAGNINI, D. L.; REICHMAN, N. E. Psychosocial factors and the timing of prenatal care among women in new jersey’s healthstart Program. Fam Plann Perspect, v.32, n.2, p.56-64, 2000. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2014.

PANICALI, M. P. Gravidez na adolescência e projeto de vida: como as adolescentes concebem seu projeto de vida após a ocorrência da gravidez. Palhoça: Universidade do Sul de Santa Catarina, 2006.

PÉCORA, O.A. et al. Control prenatal tardío:¿ barreras em el sistema de salud? Revista del Hospital Materno Infantil Ramón Sardá, v.27, n.3, p.114-119, 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 dez. 2014.

PELAI, E. et al. Perfil social e obstétrico de mulheres avaliadas no puerpério imediato. Colloquium Vitae, v.5, n.1, p.09-17, 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2014.

PEREIRA, P. H. G. et al. Fatores associados ao acesso tardio ao pré-natal do Centro de Saúde n° 1 do Paranoá, 2005. Comun Ciênc Saúd, v.17, n.2, p101-110, 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2014.

PORTAL BRASIL. OMS: Brasil reduz a mortalidade materna em 43% de 1990 a 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2015.

PUCCINI, R. F. et al. Eqüidade na atenção pré-natal e ao parto em área da Região Metropolitana de São Paulo, 1996. Cad. Saude Publica, v.19, n.1, p.35-45, 2003. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2015.

RUSCHI, G. E. C. et al. Aspectos epidemiológicos da depressão pós-parto em amostra brasileira. Rev Psiquiatr Rio Gd Sul, Porto Alegre, v.29, n.3, p.274-280, 2007. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2014.

SILVA, F. N. et al. Gravidez na adolescência: perfil das gestantes, fatores precursores e riscos associados. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, v. 3, n. 3, p.1166-1178, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2015.

SOARES, V. M. N.; SCHOR, N. Perfil de mulheres com alta fecundidade em um grande centro urbano no Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva, v.18, n.4, p.1041-1050, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2014.

TREVISAN, M. R. et al. Perfil da assistência pré-natal entre usuárias do Sistema Único de Saúde em Caxias do Sul. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, p.293-299, 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical status: the use and interpretation of report anthropometry – report of a WHO Expert Committee. Geneva: WHO, 1995. Disponível em: < http://www.who.int/childgrowth/publications/physical_status/en/>. Acesso em: 17 jan. 2015.

YAZLLE, M. E. H. D., et al. A Adolescente Grávida: Alguns Indicadores Sociais. Rev Bras Ginecol Obstet, Rio de Janeiro, v.24, n.9, p.609-614, 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2014.

YAZLLE, M. E. H. D. Gravidez na adolescência. Rev Bras Ginecol Obstet, Rio de Janeiro, v.28, n.8, p.443-445, 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2014.

YAZLLE, M. E. H. D.; FRANCO, R. C.; MICHELAZZO, D. Gravidez na adolescência: uma proposta para prevenção. Rev Bras Ginecol Obstet, Rio de Janeiro, v.31, n.10, p.477-479, 2009. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2014.

ZIMMERMANN, M. B.; HURRELL, R. F. Nutritional iron deficiency. Lancet, v.370, n.9586, p.511-520, 2007. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2014.