SORRISO DE PLANTÃO: a percepção da criança sobre o processo de hospitalização antes e após a atuação do palhaço doutor

Andressa Lima Cavalcante, Krízia Kricília Lins de Araújo, Laíse Gabrielly Matias de Lima Santos, Maria Rosa da Silva, Nadja Romeiro dos Santos, Alice Correia Barros, Leylane de Araújo Melo

Resumo


A criança hospitalizada passa a conviver com uma série de restrições e sentimentos que trazem medo, ansiedade e insegurança durante esse processo, tornando assim uma vivência traumática e estressante. As atividades lúdicas aparecem como forma de amenizar essa situação, tornando o meio mais humanizado e menos traumático no hospital. Com base nessa temática, realizou-se o presente estudo de abordagem qualitativa que teve por objetivo analisar a percepção da criança sobre o processo de hospitalização diante da presença dos palhaços doutores do projeto Sorriso de Plantão. Para isso foi realizados entrevistas com a amostra de 15 crianças de 5 a 12 anos internadas no Hospital Geral do Estado (HGE) que teve contato com os integrantes do projeto. Através da pesquisa observou-se que a atuação dos mesmos ajuda na recuperação infantil e que a percepção da criança com a presença do lúdico no hospital é diferenciada. Os resultados obtidos com a entrevista confirmaram a necessidade de atividades lúdicas no âmbito hospitalar, com o propósito de ajudar na humanização e resgatar lúdico perdido na infância durante o período de internação.


Palavras-chave


Criança, hospitalização, palhaço doutor.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, T.C.C.F.; GUIMARÃES, T. B. Interações entre voluntários e usuários em onco-hematologia pediátrica: um estudo sobre os “palhaços-doutores”. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v.9, n.3, p.632-647, 2009.

BOCCANERA, N. B. A utilização das cores no ambiente de internação hospitalar. Universidade Federal de Goiás: Goiânia, 2007.

BORTOLOTE, G. S; BRÊTAS, J. R. S. O ambiente estimulador ao desenvolvimento da criança hospitalizada. Rev. esc. Enferm. USP, v.42, n.3, p.422-429, 2008.

BRASIL. CÂMARA DOS DEPUTADOS. Estatuto da criança e do adolescente. 9. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 2012.

CAIRES, S.; ESTEVES, C. H.; ALMEIDA, I. Palhaços de hospital como estratégia de amenização da experiência de hospitalização infantil. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 19, n. 3, p.377-386, 2014.

CASTRO, E.; PERUCH, C.; FERREIRA, N. Doutores palhaços em ambiente hospitalar: O uso do riso como instrumento terapêutico. IN: SEMINÁRIO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA REGIÃO SUL, 31, 2014, Florianópolis. Anais do 31º SEURS. Florianópolis: UFSC, 2014.

CUNHA; L.C.R. A cor no ambiente hospitalar. IN: Congresso Nacional da ABDEH - Seminário de Engenharia Clínica, I, IV, 2004, Salvador. Anais do I Congresso Nacional da ABDEH. Salvador: 2004. p.57-61.

DIONÍSIO, R. P. P; ESCOBAR, E. M. A. Importância da presença e participação dos pais durante a hospitalização da criança. Rev Enferm UNISA, v.3, p.23-26, 2002.

ESTEVES, C. H.; ANTUNES, C.; CAIRES, S. Humanização em contexto pediátrico:

o papel dos palhaços na melhoria do ambiente vivido pela criança hospitalizada. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 18, n. 51, p.1-12, 2014.

FRANÇANI, G. M. et al. Prescrição do dia infusão de alegria. Utilizando a arte como instrumento na assistência à criança hospitalizada. Revista Latino Americana Enfermagem, v.6, n.5, p.27-33, 1998.

FURTADO, M.C.C; LIMA, R.A.G. Brincar no hospital: subsídios para o cuidado de enfermagem. Rev Esc Enf USP, v.33, n.2, p,364-369, 1999.

GARCIA, D. T. R et al. A influência da terapia do riso no tratamento do paciente pediátrico. IN: ENCONTRO LATINO AMERICANO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, ENCONTRO LATINO AMERICANO DE PÓS-GRADUAÇÃO, ENCONTRO LATINO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, XIII, IX, III, 2009, São José dos Campos. Anais de trabalhos. São José dos Campos: Universidade do Vale do Paraíba, 2009.

GOMES, G. C.; ERDMANN, A. L.; BUSANELLO, J. Refletindo sobre a inserção da família no cuidado à criança hospitalizada. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v.18, n.1, p.143-147, 2010.

GUIMARÃES, A. F. A importância do brincar no cotidiano das crianças na educação infantil. Bauru: Universidade Estadual Paulista, 2008.

KODAMA, K. M. R. O. A representação imagética da criança nos vários processos históricos sociais e sua identidade ameaçada pela cultura globalizada. In: CARDOSO, C. M et al. Diversidade e igualdade na comunicação. Coletânea de textos do Fórum da Diversidade e Igualdade: cultura, educação e mídia. Bauru: FAAC/Unesp, SESC, SMC, 2007.

KOTH, D. A influência da iluminação e das cores no ambiente hospitalar: a saúde vista com outros olhos. Especialize, jan., 2013.

LIMA, R.A.G. et al. A arte do teatro Clown no cuidado às crianças hospitalizadas. Ver Esc Enferm USP, v.43, n.1, p.186-193, 2009.

LUZ, J. H. Do horror ao amor: compreendendo o significado de estar hospitalizado no cotidiano de crianças e adolescentes com doenças crônicas. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2009.

MINAYO, M. C. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & Saúde Coletiva, v.17, n.3, p.621-626, 2012.

MITRE, R. M. A.; GOMES, R. A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Rio de Janeiro: Instituto Fernandes Figueiras, 2004.

MOLINA, R.C.M. et al. Presença da família nas unidades de terapia intensiva pediátrica e neonatal: visão da equipe multidisciplinar. Esc Anna Nery R Enferm, v.11, n.3, p.437-444, 2007.

MORCERF, C. C. P. et al. Projeto de extensão ilumine: a entrada da figura do palhaço no ambiente hospitalar. Revista Conexão UEPG, Ponta Grossa, v.11, n.1, 2015.

MOTTA, A. B.; ENUMO, S. R. F. Brincar no hospital: estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 9, n. 1, p. 19-28, 2004.

MUSSA, C.; MALERBI, F. E. K. M. O impacto da atividade lúdica sobre o bem-estar de crianças hospitalizadas. Psicol. teor.Prat., São Paulo, v.10, n.2, p.83-93, 2008.

OLIVEIRA, B.R.G.; COLLET, N. Criança hospitalizada: percepção das mães sobre o vínculo afetivo criança família. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v.7, n.5, p.95-102, 1999.

OLIVEIRA, F. M. et al. Recuperação imediata pelo riso: uma experiência clown. Rev. Ciênc. Ext. v.8, n.3, p.75-85, 2012.

OLIVEIRA, H. A enfermidade sob o olhar da criança hospitalizada. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, v.9, n.3, 1993.

OLIVEIRA, R. S.; A Importância do Brincar no Ambiente Hospitalar: da Recreação ao Instrumento Terapêutico. Psicologado, 2012.

PAVEZI, M; LIMA, L. S. O papel da brincadeira e do brinquedo no desenvolvimento e aprendizagem da criança. IN: SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS: “HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL”, IX, 2012, João Pessoa. Anais do IX Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas. João Pessoa: Universidade do Vale do Paraíba, 2012.

SOUSA, L. D.; GOMES, G. C.; SANTOS, C. P. Percepções da equipe de enfermagem acerca da importância da presença do familiar/acompanhante no hospital. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v.17, n.3, p.394-399, 2009.

TIAGO, M. T. S. M. C. C. Ação dos dr. Palhaços em contexto hospitalar com crianças em risco de desenvolvimento. Escola Superior de Educação de

Lisboa: Lisboa, 2013.

VASCONCELOS, C. G. M. O sorriso do cliente em terapia: um estudo exploratório sobre a resposta não verbal do cliente à pergunta-milagre usada na terapia breve orientada para as soluções. Lisboa: Universidade de Lisboa Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, 2009.