EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS DA ATUAÇÃO EDUCATIVA DO ENFERMEIRO PARA RESULTADOS PERINATAIS SATISFATÓRIOS

Bárbara Regina dos Santos, Débora Lima da Silva, Alba Maria Bomfim de França, Giselle Mamede Tenório, Lays Nogueira Miranda

Resumo


Compreende-se que o período perinatal começa na 22ª semana de gestação até o sétimo dia após o parto, sendo este de extrema importância para a atuação dos profissionais de saúde no sentido de prevenir agravos à saúde da mãe e do concepto. O presente estudo tem como objetivo verificar, a partir de evidências científicas, os aspectos relacionados à atuação educativa do enfermeiro para a promoção de resultados perinatais satisfatórios. Trata-se de uma revisão integrativa sobre a atuação educativa do profissional enfermeiro a partir de uma avaliação das evidências científicas publicadas na literatura. Foi obtido um número de 172 artigos a partir da estratégia de busca, porém, após as leituras apenas 07 respondiam a questão norteadora do estudo. As ações educativas promovem as mulheres melhores segurança às consultas de pré-natal, oferecem tranquilidade e informações sobre o período gestacional, e diminuem a ansiedade e o medo do parto, além de proporcionar um parto humanizado, bem como tem reflexos positivos para a formação e manutenção do binômio mãe-filho.


Palavras-chave


Enfermagem; Cuidado pré-natal; Educação em Saúde; Mortalidade Perinatal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. G.; AERTS, D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n.1, Jan. 2011. Disponível em: . Acesso em: 01 Ago.2015.

BARBOSA, Fernanda Gonçalves; SILVEIRA, Laura Menezes. Análise da assistência prestada à gestante em uma unidade de saúde mista do município de Passos-MG. 2007. 67 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Faculdade de Enfermagem de Passos, Universidade do Estado de Minas Gerais, Passos, MG, 2007.Disponível em: < http://www.muz.ifsuldeminas.edu.br/attachments/307_HUMANIZA%C3%87%C3%83O%20NO%20ATENDIMENTO%20AO%20PR%C3%89-NATAL.pdf >. Acesso em: 01 ago. 2015.

BRASIL. Definições DATA SUS.2008.Disponível em: < http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/WebHelp/definicoes.htm >. Acesso em: 17, out. 2015.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento

de Ações Programáticas. Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Manual devigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de prevenção do óbito infantil e

fetal. Editora do Ministério da Saúde, Brasília, DF: 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento / Ministério da Saúde. Universidade Estadual do Ceará. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

______. Ministério da Saúde. Programa de Humanização do Parto: Humanização no Pré-natal e Nascimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

______.Ministério da Saúde (BR): uma análise da situação de saúde. Brasília (DF); 2004.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção à Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012.

BRITTES, F., N., PRADEBON, V. M., SOARES , l. S. Enfermagem no pré-natal de baixo risco na estratégia Saúde da Família. Aquichan. 2013. Vol. 13, No. 2, 261-269. Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/741/74128688002.pdf >. Acesso em 23 de Ago. 2015.

CALDEIRA, A. P.; OLIVEIRA, R. M. de; RODRIGUES, O. A.. Qualidade da assistência materno-infantil em diferentes modelos de Atenção Primária. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 2011.

CIAMPONE, M.H.T.; PERES, A.M. Gerência e competências gerais do enfermeiro. Texto Contexto Enferm. 2006.

COREN-DF, Livro de Legislação dos Profissionais de Enfermagem, 1ª edição, Brasília-DF, 2010.

DUARTE, S.J.H.; ANDRADE, S.M.O. O Significado do Pré-natal Para Mulheres Grávidas: Uma Experiência no Município de Campo Grande, São Paulo, 2008.Disponivel em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902008000200013> Acesso em 12 de out. 2015.

DUARTE, S.J.H.; ANDRADE, S.M.O.Assistência pré-natal no Programa Saúde da Família. Esc. Anna Nery2006, vol.10, n.1, pp. 121-125. Disponível em: Acesso em 18 jul. 2015.

DUARTE, S.J.H.; ALMEIDA, P. O papel do enfermeiro do programa saúde da família no atendimento pré- natal. R. Enferm. Cent. O. Min. 2014.Disponivel em:< http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/viewArticle/137> Acesso em 16 de out 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed. – reimpr. – São Paulo: Atlas, 2007.Disponivel em < https://professores.faccat.br/moodle/pluginfile.php/13410/mod_resource/content/1/como_elaborar_projeto_de_pesquisa_-_antonio_carlos_gil.pdf> Acesso em 2 de out 2015.

Guerreiro,et al . O cuidado pré-natal na atenção básica de saúde sob o olhar de gestantes e enfermeiros. 2011. Disponivel em :. Acesso em 19 de out,2015.

GONÇALVES, R. et al. Avaliação da efetividade da assistência pré-natal de uma Unidade de Saúde da Família em um município da Grande São Paulo. Rev. bras. enferm., Brasília, v. 61, n. 3, Jun. 2008 .Disponivel em: < http://www.scielo.br/pdf/reben/v61n3/a12v61n3.pdf > Acesso em 7 de out 2015.

GUERREIRO, E.M.; RODRIGUES, D.P.; QUEIROZ, A.B.A.; FERREIRA, M.A. Educação em saúde no ciclo gravídico-puerperal: sentidos atribuídos por puérperas. Rev. bras.enferm. vol.67 no.1 Brasília, 2014. Acesso em :18 de ago de 2015.

Revista do Hospital Universitário / UFMA, periódico biomédico de divulgação científica do Hospital Universitário da UFMA, v.1, n.1, 1995- .-São Luís, 1995. v. 10, n. 2, 2009.Disponivel em < http://www.ebserh.gov.br/documents/16424/491465/Revista_HU_Volume_8_1_JAN_JUN_2007.pdf/9438d5a6-dccb-4d6a-8e54-756751e61ef2> Acesso em 28 de out, 2015.

SANTOS, A.L; RADOVANOVIC, C.A.T.; MARCON, S.S. Assistência Pré-Natal: Satisfação e Expectativas. Rev. Rene, 2010.Disponivel : Acesso 14 de out,2015.

TAVARES. A.S.; ANDRADE, M.; SILVA, J.L.L. Do programa de assistência integral à saúde da mulher à política nacional de atenção integral à saúde da mulher: breve histórico. Informe-se em promoção da saúde, v.5, n.1.p.30-32, 2009.