A DESCOBERTA E EVOLUÇÃO DA INSULINA INDUSTRIALIZADA

Arlecia Maria da Silva Cruz, Maria do Amparo Torres de Barros, Ana Paula Rebelo Aquino Rodrigues, Ironaide Barros Ribas, Sabrina Gomes de Oliveira

Resumo


O presente estudo aborda as principais descobertas da insulina como tratamento do Diabetes Mellitus (DM), o que permitiu que os indivíduos, portadores da doença, pudessem sobreviver e alcançar qualidade de vida. Tem como objetivo fazer um levantamento histórico sobre a origem da insulina industrializada e constatar se houve melhora desde seu descobrimento até os dias de hoje com o uso das novas insulinas e dispositivos de aplicação. Trata-se de uma revisão de literatura, realizada através da busca de artigos em bases de dados como SciELO (Scientific Library Online) e LILACS nos meses de fevereiro a outubro do ano de 2015, conforme critérios de inclusão e exclusão. Percebeu-se, através dos achados, que a ciência levou a uma evolução do tratamento com redução dos efeitos colaterais das insulinas e proporcionou adequação, através de algumas opções de administração da insulina, conforme a necessidade do portador de DM e a sua necessidade metabólica. Por fim, é necessário destacar o papel do profissional da enfermagem como agente que lida diretamente com o indivíduo e contribui para o sucesso do tratamento, ressaltando que os avanços tecnológicos, por si só, não são determinantes para a obtenção do êxito no tratamento.


Palavras-chave


Insulinoterapia. Diabetes Mellitus. Tratamento.

Texto completo:

PDF

Referências


BALTHAZAR, A.P.S.; RIGON, F.A. Avaliação dos diferentes esquemas de insulinoterapia prescritos aos pacientes hiperglicêmicos do Hospital Governador Celso Ramos, Florianópilis, SC, Brasil. Arquivos Catarinenses de Medicina, v. 42, n. 1, p. 34-39, 2013.

BARBOSA, J.H.P.; OLIVEIRA, S.L.; SEARA, L.T.E. O papel dos produtos finais da glicação avançada (AGEs) no desencadeamento das complicações vasculares do diabetes. Arq Bras Endocrinol Metab, v. 52, n. 2, p. 940-950, 2008.

DIB,S.; GABBAY,M.A.L.; INSULINOTERAPIA NO DIABETE MELITO TIPO 1. IN: GRAF, H.; CLAPAUCH, R.; LYRA, R.; PROENDÓCRINO – Programa de atualização em Endocrinologia e Metabologia – Ciclo 1, módulo 2. Porto Alegre: Artmed/Panamericana Editora, 2009.

FRANCO, L.J.; SARTORELLI, D.S.; DIABETE MELITO: ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS. IN: GRAF, H.; CLAPAUCH, R.; LYRA, R.; PROENDÓCRINO – Programa de atualização em Endocrinologia e Metabologia. Porto Alegre: Artmed/Panamericana Editora, 2009.

HEIDRICH, D.N.; DELIZOICOV, D. Fleck e a construção do conhecimento sobre Diabetes Mellitus e insulina: contribuições para o ensino. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Cieñcias, v. 9, n. 2, p. 1-18, 2009.

HISSA, M.N.; HISSA, A.S.; BRUIM, V.M.S.D. Tratamento do Diabetes Mellitus tipo I com bomba de infusão subcutânea contínua e Insulina Lispro. Arq Bras

Endocrinol Metab, v. 45, n. 5, p. 487-93, 2001.

KRALL, L. P. Manual do diabete de Josilin. São Paulo: Roca, 1983.

LIBERATORE JR, R.D.R.; DAMIANI, D. Bomba de infusão de insulina em diabetes melitu tipo 1. Jornal de Pediatria, v. 82, n. 4, p. 249-54, 2006.

MALERBI, D. Posição de Consenso da Sociedade Brasileira de Diabetes - Insulinoterapia e terapêutica Intensiva com Bombas de Insulina. Arq Bras Endocrinol Metab, v. 50, n. 1, p. 125-35, 2006.

MIRANDA, M.T.M.; LOFREDO, C. Um marco na bioquímica e na medicina. Revista Ciência Hoje, v. 36, p. 75-77, 2005.

MORESI, E. Metodologia da Pesquisa. Universidade católica de Brasília – UCB pró-reitoria de pós-graduação – PRPG programa de pós-graduação stricto sensu em gestão do conhecimento e tecnologia da informação. Brasília – DF, mar. 2003.

OLIVEIRA, J.E.P.; Conceito, Classificação e Diagnóstico do Diabetes Mellitus. IN: OLIVEIRA, J.E.P.; MILECHE, A.; Clínica, Diagnóstico Tratamento Multidisciplinar. São Paulo, Ed. Atheneu, 2006, pag.12.

PASSOS, V.M.A.; BARRETO, S.M.; DINIZ, L.M. Diabetes tipo 2: prevalência e fatores associados em uma comunidade brasileira. Projeto Bambuí de estudo de saúde e envelhecimento. J. Méd. v. 123, n. 2, p. 66-71. São Paulo, março 2005.

POWERS, Alvin C.; DIABETES MELITO, In: LONGO et al; Medicina Interna de Harison, Porto Alegre, Ed. AMGH, 2013, cap. 344, P. 2968-3002.

PIRES, A. C.; CHACRA, A. R. A evolução da insulinoterapia no Diabetes Melito Tipo 1. Arq Bras Endocrinol Metab, v. 52, n. 2, p. 268-78, 2008.

SANTOS, V. O que é e como fazer “revisão da literatura” na pesquisa teológica. Fides Reformata XVII, n.1, p.89-104, 2012.

SMELTZER, S.C.; BARE, B.G.; HINKLE,J.L.; CHEEVER, K.H. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica, v.3, 12ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2012, p. 1200-1249.

SOUZA, C.R.; ZANETTI, M.L. Administração de insulina: uma abordagem fundamental na educação em diabetes. Rev. Esc. Enf. USP, v. 34, n 3, p. 264-70, 2000.

SOUTO, C. Novo método para produzir insulina artificial. Ciência Hoje, 2001.

VAISMAN, M.; TENDRICH, M. Diabetes Mellitus: na prática clínica. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 1994.

VASQUES, A.C.J.; GELONEZE NETO, B.; Pâncreas endócrino e métodos laboratoriais para avaliação da função das células-beta in vivo. IN: GRAF, H.; CLAPAUCH, R.; LYRA, R.; PROENDÓCRINO – Programa de atualização em Endocrinologia e Metabologia. Porto Alegre: Artmed/Panamericana Editora, 2009, p. 168.

WONG, D. A criança com disfunção endócrina. In: DL, W. Enfermagem pediátrica: elementos essenciais à intervenção efetiva. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999. p. 936-49.