FATORES DE RISCO PARA O EXCESSO DE PESO EM FUNCIONÁRIOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE MACEIÓ – AL

Anacássia Fonseca de Lima

Resumo


A obesidade encontra-se entre os desafios de saúde pública, e as preocupações envolvidas estão relacionadas com a morbidade, a mortalidade, os gastos públicos e com o aumento da longevidade da população brasileira, pois as literaturas estimam uma elevação considerável na população idosa e estas em conjunto aumentam o numero de portadores de DCNT.  O desenvolvimento dessa patologia segue a necessidade multifatorial, ou seja, há necessidade de exposição do indivíduo a diversos agentes externos e/ou internos que favorecem o acúmulo excessivo de gordura corporal. Por isso, este artigo tem o objetivo de verificar a ocorrência de sobrepeso em trabalhadores da FITS e identificar quais fatores podem estar relacionados com o desenvolvimento do sobrepeso.  A metodologia segue uma pesquisa transversal com aplicação de questionário relacionado às condições de exposição do individuo pesquisado aos fatores de risco. Os resultados apontam para uma maior relação de risco existente entre sobrepeso e/ou obesidade com carga horária semanal superior a 40, já com a renda mensal familiar, por exemplo, não houve dados que expusessem essa mesma relação. Investigando os fatores de risco presentes em populações específicas, identifica-se a importância em orientar a mudança de hábitos quotidianos. Assim como, a de expor as consequências e os perigos advindos do excesso de peso.


Palavras-chave


Obesidade; Sobrepeso; Fatores de risco.

Texto completo:

PDF

Referências


ABESO - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade 2009/2010 / ABESO - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. - 3.ed. - Itapevi, SP : AC Farmacêutica, 2009.

ABRANTES, M. M.; LAMOUNIER, J. A.; COLOSIMO, E. A. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes das regiões Sudeste e Nordeste. Jornal de Pediatria. (Rio J.) vol.78 no.4 Porto Alegre 2002.

BARBOSA, J. N. et al. Fatores socioeconômicos associados ao excesso de peso em população de baixa renda no Nordeste brasileiro. ARCHIVOS LATINOAMERICANOS DE NUTRICION. Organo Oficial de la Sociedad Latinoamericana de Nutrición . Vol. 59 Nº 1, 2009. Instituição de financiamento: Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas (FAPEAL).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Obesidade / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília : Ministério da Saúde, 2006. 108 p. il. - (Cadernos de Atenção Básica, n. 12) (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 152 p.: il. – (Série G. Estatística e Informação em Saúde) Doença crônica. 2. Fatores de risco. 3. Vigilância. I. Título. II. Série.

DE OLIVEIRA, A. M. A. et al. Sobrepeso e obesidade infantil: influência de fatores biológicos e ambientais em Feira de Santana, BA. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia. v.47 n.2 São Paulo abr. 2003.

ENES, C. C.; SLATER, B. Obesidade na adolescência e seus principais fatores determinantes. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 13 n° 1. São Paulo. Mar/2010.

FERREIRA, V. A.; MAGALHÃES, R. Obesidade entre os pobres no Brasil: a vulnerabilidade feminina. Ciência & Saúde Coletiva, 16(4):2279-2287, 2011.

GUIMARÃES, A. C. A; et al. Excesso de peso e obesidade em escolares: associação com fatores biopsicológicos, socioeconômicos e comportamentais. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia. 2012;56/2.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010.

LINHARES, R. S. et al. Distribuição de obesidade geral e abdominal em adultos de uma cidade no Sul do Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 28(3):438-448, mar, 2012.

MARIATH, A. B.; et al. Obesidade e fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis entre usuários de unidade de alimentação e nutrição. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23(4):897-905, abr, 2007.

MONTEIRO, C. A.; CONDE, W. L.; POPKIN, B. M. Is obesity replacing or adding to undernutrition? Public Health Nutrition: 5(1A), 105–112.

MONTEIRO, C. A.; et al. Da desnutrição para a obesidade: a transição nutricional no Brasil. In: Monteiro C. A., organizador. Velhos e novos males da saúde no Brasil: a evolução do país e de suas doenças. São Paulo: Editora Hucitec; 1995. p. 247-55.

PEREIRA, L. O.; DE FRANCISCHI, L. P.; LANCHA JUNIOR, A. H. Obesidade: Hábitos Nutricionais, Sedentarismo e Resistência à Insulina. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia. vol 47 nº 2 Abril 2003.

PINHEIRO, A. R. O.; DE FREITAS, S. F. T.; CORSO, A. C. T. Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Revista de Nutrição, Campinas, 17(4):523-533, out./dez., 2004.

RIBEIRO, A. J. P. et al, PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM ESCOLARES COM IDADE DE 7 A 17 ANOS, RESIDENTES NOS MUNICÍPIOS PERTENCENTES À SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE SÃO MIGUEL DO OESTE/SC. Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 11, n. 1, p. 57-73, jan./mar. 2013. ISSN: 1983-9030.

WHO. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Report of a WHO Expert Committee. Geneva, World Health Organization, 1995 (Technical Report Series, N°. 854): 368 - 369.

WHO. Obesity: Preventing and Managing The Global Epidemic. Report of a WHO Consulation on Obesity. Geneva, World Health Organization, 1998. Division of Noncommunicable Diseases. Programme of Nutrition Family and Reproductive Health. 98.1: 1-158.