A PRÁTICA DO PROFISSIONAL DA PSICOLOGIA INSERIDO NA PSIQUIATRIA: UMA CRÍTICA BASEADA NA PSICOLOGIA DA SAÚDE

Bárbara Camilla Barbosa de Mendonça, Gabriella Santos Miranda, José Rodrigues Rocha

Resumo


A prática do profissional de Psicologia, ainda encontra-se arraigada ao modelo biomédico, e sua área de saber surgiu na Psicologia Clínica perpassando a outras ramificações. O trabalho realizado pelos psicólogos nas instituições, integrados pela Medicina não mudou o olhar, e o paciente ao ser hospitalizado passa a sofrer o estigma de doente. Ele deixa de ser compreendido em sua subjetividade e seu Eu-Ser e torna-se o paciente de determinado leito ou hospital. É plausível pensar que a atividade do psicólogo deve considerar a saúde e a doença como um processo. Este trabalho teve como objetivo identificar como os psicólogos que atuam na psiquiatria e qual modelo seu fazer deve estar baseado, utilizando como metodologia uma revisão bibliográfica por meio de livros e artigos de base científica. Os resultados apresentam que essa práxis restringe-se a uma saúde dita mental, separando corpo e mente; essas atividades ainda tem enfoque no modelo biomédico, retardando os progressos a serem alcançados com a reforma psiquiátrica. Dessa forma, conclui-se que, o fazer psicológico necessita passar por um aprimoramento profissional, pautado em um campo de atuação que contempla a realidade social e cultural, em que vivemos.

Palavras-chave


Psicologia, Psiquiatria, Saúde Mental.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGERAMI-CAMON, V. A. Psicologia hospitalar: Pioneirismo e as pioneiras. In V. A. Angerami-Camon (Org.),O doente, a psicologia e o hospital (pp. 1-29). São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

ARAÚJO, S. F. Wilhelm Wundt e a fundação do primeiro centro internacional de formação de psicólogos. Minas Gerais: Temas em Psicologia, 2009.

BLAYA, M. O papel do psicólogo clínico na equipe psiquiátrica. Rio Grande de Sul: Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul, 1967.

CASTRO, E. K. de; BORNHOLDT, E. Psicologia da saúde x psicologia hospitalar: definições e possibilidades de inserção profissional. Brasília: Psicologia Ciência e Profissão, 2004.

CFP – Conselho Federal de Psicologia. Relatório final da pesquisa sobre o perfil do psicólogo brasileiro. 2003. Disponível em: Acesso em 01 maio 2013.

DÉJOURS, C. A loucura do trabalho. São Paulo: Cortez, 1980.

DIMENSTEIN, M. D. B. O psicólogo nas unidades básicas da saúde: desafios para a formação e atuação profissionais. Natal: Estudos de Psicologia, 1998.

FARCI, Maristela da Silva; COMANDULE, Alexandre Quelho. Contribuições da Psicologia da Saúde ao tratamento da depressão. In: ________. Psicologia da Saúde: Especificidades e diálogo interdisciplinar. São Paulo: Vetor, 2007.

FERRAZ, M. S. e F. C. O conceito de saúde. São Paulo: Revista de Saúde Pública, 1997.

GIOIA-MARTINS, D.; ROCHA-JÚNIOR, A. Psicologia da saúde e o novo paradigma: novo paradigma?. São Paulo: Revista Psicologia Teoria e Prática, 2001.

MESQUITA, J. F. de.; NOVELLINO, M. S. F.; CAVALCANTI, M. T. A reforma psiquiátrica no Brasil: Um novo olhar sobre o paradigma da saúde mental. Minas Gerais: ABEP, 2001.

RIBEIRO, J. P.; LEAL, I. P. Psicologia clínica da saúde. Portugal: Análise Psicológica, 1996.

ROCHA, G. S. Introdução ao nascimento da psicanálise no Brasil. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

SILVA, L. B. de C. A psicologia da saúde: entre a clínica e a política. Rio de Janeiro: Revista do Departamento de Psicologia, 2005.

TENÓRIO, Felipe. A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. Rio de Janeiro: Scielo, 2002.