A NEOPLASIA NA INFÂNCIA: ASPECTOS EMOCIONAIS E CUIDADOS HUMANIZADOS NO ÂMBITO HOSPITALAR

Alessandra Karina Galli, Amanda Nunes da Silva, Delevati Minuzzi Dalnei

Resumo


No intuito de propiciar reflexões sobre a Neoplasia na infância, propõe-se nesse artigo uma discussão sobre aspectos científicos e profissionais que norteiam esse tema. As neoplasias causam dor e sofrimento na vida das crianças e das famílias devido ao seu diagnóstico impregnado de medos e pessimismos e, principalmente, devido às suas formas invasivas dos tratamentos disponíveis. O objetivo deste trabalho é discutir as formas de atenção psicológica para as neoplasias infantis, da perspectiva de uma atenção humanizada. Para isso, uma pesquisa bibliográfica foi realizada possibilitando o entendimento das diferentes produções acerca do tema e resultando, inclusive, na compreensão das diferentes técnicas existentes que visam os cuidados humanizados. Tais cuidados não pretendem transpor as técnicas tradicionais, mas auxiliar na atenção a criança. A relevância deste artigo relaciona-se com as questões que visam promover o bem estar infantil em casos de adoecimento e internação hospitalar, tema de suma importância para profissionais de saúde, em todas as áreas de atuação.


Palavras-chave


Humanização. Neoplasia Infantil. Tratamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ABC - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO CÂNCER. Sobre o Câncer. Brasil, 2007. Disponível em: http://www.abcancer.org.br/sobre.php?c=8&s=18〈=16.

AZEVEDO, Deleuse Russi. Psicooncologia e interdisciplinaridade: uma experiência na educação à distância. Edipucrs, 2004.

BEARISON, David J. Pediatric psychooncology: psychological perspectives on children with cancer. Oxford University Press on Demand, 1994.

BLAYA, Marcelo. Ambientoterapia: comunidade terapêutica. Arq. de Neuropsiquiatria, 1963.

BORGES, Emnielle Pinto; NASCIMENTO, Maria do Desterro Soares Brandão; SILVA, Silvana Maria Moura da. Benefícios das atividades lúdicas na recuperação de crianças com câncer. Bol. - Acad. Paul. Psicol., São Paulo, v. 28, n. 2, dez. 2008

BOZEMAN, Mary F.; ORBACH, Charles E.; SUTHERLAND, Arthur M. Psychological impact of cancer and its treatment. III. The adaptation of mothers to the threatened loss of their children through leukemia: Part I. Cancer, v. 8, n. 1, p. 1-19, 1955.

BRAGA, Patrícia Emília; CURADO, Maria Paula. Câncer na infância: análise comparativa da incidência, mortalidade e sobrevida em Goiânia (Brasil) e outros países Childhood cancer: a comparative analysis of incidence, mortality, and survival in Goiania. Cad. Saúde Pública, v. 18, n. 1, p. 33-44, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Formação e intervenção, Cadernos Humaniza SUS, Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

BRENTANI, Maria Mitzi et al. Bases da oncologia; Basis of oncology. Lemar Editora, 1998.

CAMPOS. Elisa Maria Parahyba. A Psico-Oncologia: Uma nova visão do câncer – Uma Trajetória. 2010. 155 p. TESE (Livre-Docência), Departamento de Psicologia Clínica, Universidade São Paulo, São Paulo, 2010.

CARDOSO, Flávia Tanes. Câncer infantil: aspectos emocionais e atuação do psicólogo. Rev. SBPH v.10 n.1 Rio de Janeiro jun. 2007.

CARVALHO, Maria Margarida. Psico-oncologia: história, características e desafios. Psicol. USP, São Paulo, v. 13, n. 1, 2002.

CARVALHO, Raquel Gomes de Melo. A psico-oncologia pediátrica: uma estratégia de acolher e amenizar o sofrimento da hospitalização infantil. 2010. 43 p. TCC, (Graduação em Psicologia), Departamento de Psicologia, Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, 2010.

CHIATTONE, HB de C. A criança e a hospitalização. A psicologia no hospital, v. 2, p. 23-100, 2003.

COSTA JUNIOR, Áderson L.. O desenvolvimento da psico-oncologia: implicações para a pesquisa e intervenção profissional em saúde. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 21, n. 2, June 2001.

COSTA, Juliana Cardeal da; LIMA, Regina Aparecida Garcia de. Criancas/adolescentes em quimioterapia ambulatorial: implicacões para a enfermagem; Children and adolecents in outpatient clinic chemotherapy: nursing implications. Rev. latinoam. enferm, v. 10, n. 3, p. 321-333, 2002.

CRIST, W. M.; SMITHSON, W. A. The leukemias. Textbook of Pediatrics, ed, v. 15, p. 1452-1457, 2000.

DÁVILA, L. F. C. El duelo del paciente infantil con cáncer. 2006. Disponível em http://www.psicooncologia.org/articulos/articulos_detalle.cfm?estado=ver&id=83&x=91&y=. Acesso em 22 set 2012.

DO VALLE, Elizabeth Ranier Martins. Psico-oncologia pediátrica. Casa do Psicólogo, 2001.

FERREIRA, Deise Luci Barsotti. Musicoterapia e câncer infantil: resultado de uma experiência. Monografia de conclusão do curso de Bacharelado em Musicoterapia, da Universidade Federal de Goiás: Goiânia, 2002.

FERREIRA, EABF. Musicoterapia e Câncer: o canto da dor. Monografia (Especialização). Universidade Federal de Goiás, 1999.

FRANÇOSO, Luciana Pagano Castilho. Vivências de Crianças com Câncer no Grupo de Apoio Psicológico: Estudo Fenomenológico. 2001. 270p. Tese (Doutorado em Letras), Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2001.

FREIRE, Maristela do Carmo Barbosa; PETRILLI, Antônio Sérgio; SONSOGNO, Maria Cecília. Humanização em Oncologia Pediátrica: novas perspectivas na assistência ao tratamento do câncer infantil. Pediatria Moderna, v. 43, n. 5, p. 225-236, 2007.

FROELICH, Tatiane Cristine. Psico-oncologia e terminalidade: casos em que o paciente é uma criança. Jornada de Pesquisa em Psicologia, 2011.

GIMENES, M. Glória G. Definição, foco de estudo e intervenção. Introdução à psiconcologia, v. 2, 1994.

HART, Carla Fabiane Mayer. Câncer: uma abordagem psicológica. Editora AGE Ltda, 2008.

HERMAN, A. R. S. Câncer pediátrico: impacto de intervenção psicoeducacional sobre enfrentamento e práticas parentais. Tese de Doutorado, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, SP, 2007.

HOLLAND, Jimmie C. History of psycho-oncology: overcoming attitudinal and conceptual barriers. Psychosomatic Medicine, v. 64, n. 2, p. 206-221, 2002.

HOLLAND, Jimmie C.; ROWLAND, Julia Howe (Ed.). Handbook of psychooncology: psychological care of the patient with cancer. New York: Oxford university press, 1990.

INCA - INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Particularidades do câncer infantil. Brasil, 2007. Disponível em: http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=343. Acesso em 22 set 2012.

KOWALSKI, Luiz Paulo. et al. Manual de condutas diagnósticas e terapêuticas em oncologia. p. 285-286, 2.ed. São Paulo: Âmbito, 2002.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer (TL Kipnis, Trad.) São Paulo. 1987.

LESHAN, Lawrence. Câncer Como Ponto de Mutacao, O. Grupo Editorial Summus, 1992.

LEVI, Rachel B.; DROTAR, Dennis. Health‐related quality of life in childhood cancer: Discrepancy in parent–child reports. International Journal of Cancer, v. 83, n. S12, p. 58-64, 1999.

LIBERATO, R. P.; MACIEIRA, R. C. Espiritualidade no enfrentamento do câncer. Temas em psico-oncologia, p. 414-431, 2008.

LIMA, Regina Aparecida Garcia. A enfermagem na assistência à criança com câncer. AB, 1995.

LINDQUIST, Ivonny. A criança no hospital: terapia pelo brinquedo; The children at the hospital: play therapy. 1993.

LITTLE, Julian. Epidemiology of childhood cancer. IARC scientific publications, 1999.

LOGIA. IN DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática, 2012. Disponível em: < http://www.priberam.pt/DLPO/default.aspx?pal=logia>. Acesso em: 30 abr. 2013.

LOPES, G.; PINHEIRO, M.C.D. A influência do brinquedo na humanização da assistência de enfermagem à criança hospitalizada. Rev. Bras. Enf. Brasília, v. 46, n.2, 117-131, 1993.

LOPES, L. F.; CAMARGO, B. de; BIANCHI, A. Os efeitos tardios do tratamento do câncer infantil. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 46, n. 3, p. 277-284, 2000.

MARQUES, Ana Paula Felippe de Souza. Cancer and stress: a study on children in chemotherapy treatment. Psicol. hosp. (São Paulo), São Paulo, v. 2, n. 2, dez. 2004.

MATTHEWS-SIMONTON, Stephanie. A família e a cura. Grupo Editorial Summus, 1990.

MAUSNER, Judith S. et al. Introdução à epidemiologia. 1999.

MENDONÇA, Nubia. Por que o câncer deve ser considerado como uma doença “própria da infância”. J Pediatr, v. 76, n. 4, p. 261-2, 2000.

MENEZES, Catarina Nívea Bezerra et al . Câncer infantil: organização familiar e doença. Rev. Mal-Estar Subj., Fortaleza, v. 7, n. 1, mar. 2007.

MITRE, Rosa Maria de Araujo; GOMES, Romeu. A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Ciência e saúde coletiva, v. 9, n. 1, p. 147-154, 2004.

MORETTO, Cybele Carolina; CONEJO, Simone Peixoto; TERZIS, Antônio. O atendimento em uma instituição de saúde mental infantil. Vínculo, São Paulo, v. 5, n. 1, jun. 2008.

MOTTA, Alessandra Brunoro. Brincar no hospital: câncer infantil e avaliação do enfrentamento da hospitalização. Psicologia, saúde & doenças, v. 3, n. 1, p. 23-41, 2002.

MOTTA, Alessandra Brunoro; ENUMO, Sônia Regina Fiorim. Brincar no hospital: estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Psicologia em estudo, v. 9, n. 1, p. 19-28, 2004.

MUTTI, Cintia Flores; PAULA, CC de; SOUTO, Marise Dutra. Assistência à saúde da criança com câncer na produção científica eira. Rev bras cancerol, v. 56, n. 1, p. 71-83, 2010.

NASCIMENTO, Lucila Castanheira et al. Crianças com câncer e suas famílias. Rev esc enferm USP, v. 39, n. 4, p. 469-74, 2005

OLIVEIRA SILVA, Jane Kelly et al. Câncer Infantil: Monitoramento da Informação através dos Registros de Câncer de Base Populacional. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 58, n. 4, p. 681-686, 2012.

ONCO. IN DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática, 2012. Disponível em: < http://www.priberam.pt/DLPO/default.aspx?pal=onco>. Acesso em: 30 abr. 2013.

ORMEZZANO, Graciela et al. Questões de arteterapia. Passo Fundo: UPF, 2004.

ORTIZ, Marta Cristina Meirelles. À margem do leito: a mãe e o câncer infantil. Arte & Ciência, 2003.

OSÓRIO, CSM. Ambientoterapia: atualização e perspestivas. Rev. Psiquiátrica. Porto Alegre, v. 4, n. 3, p. 228-234, 1982.

OSÓRIO, Luiz Carlos. Ambientoterapia na infância e adolescência. Editora Movimento, 1975

PARKES, Colin Murray. Luto estudos sobre a perda na vida adulta. Summus editorial, 1998.

PARKIN, D. Maxwell et al. The international incidence of childhood cancer.International Journal of Cancer, v. 42, n. 4, p. 511-520, 1988.

PEDREIRA, Jose Luis; PALANCA, Inmaculada. Psicooncología pediátrica. Acesso em, v. 18, n. 04, p. 2007, 2007.

PEDROSA, Arli Melo et al. Diversão em movimento: um projeto lúdico para crianças hospitalizadas no Serviço de Oncologia Pediátrica do Instituto materno. Rev. Bras. Saúde Materno. Infantil (Recife), v. 7, n. 1, p. 99-105, 2007.

PETRILLI, A. Sérgio et al. Diferenças clínicas, epidemiológicas e biológicas entre o câncer na criança e no adulto; Clinical, epidemiological and biological differences between cancer in children and in adults. Rev. bras. cancerol, v. 43, n. 3, p. 191-203, 1997.

OLLOCK, Raphael E. et al. UICC manual de oncologia clínica; UICC manual of clinical oncology. John Wiley; Fundação Oncocentro de São Paulo, 2006.

REDD, William H. et al. Physiologic and psychobehavioral research in oncology. Cancer, v. 67, n. S3, p. 813-822, 1991.

RIBEIRO, Elisa M. Parahyba Campos. O paciente terminal e a família. In. CARVALHO. M. M. M. J. Introdução à Psiconcologia. São Paulo: Psy II, 1994.

RODRIGUES, Karla Emilia; DE CAMARGO, Beatriz. Diagnóstico precoce do câncer infantil: responsabilidade de todos. Rev. Assoc. Med. Bras., v. 49, n. 1, p. 29-34, 2003.

ROMANO, Bellkiss Wilma. Princípios Para a Pratica Da Psicologia Clinica. Casa do psicólogo, 1999. WINNICOTT, D. W. A família e o desenvolvimento do indivíduo. Belo Horizonte: Interlivros, 1980.

ROUQUAYROL, Maria Zélia; ALMEIDA FILHO, Naomar de. Introdução a epidemiologia; Introduction to the epidemiology. 2002.

SCHWAB, Manfred. Encyclopedia of cancer. Springer Verlag, 2011.

SILVA, F. O; CRAVEIRO DE SÁ, L. Musicoterapia e o desenvolvimento de estratégias de enfrentamento ao estresse de adolescentes portadores de câncer. Anais do 8º Encontro Nacional de Pesquisa em Musicoterapia.[CD-ROM] Rio de Janeiro: CBM/CEU, 2008.

SILVA, Gisele Machado; TELES, Shirley Santos; VALLE, ERM do. Estudo sobre as publicações brasileiras relacionadas a aspectos psicossociais do câncer infantil-período de 1998 a 2004. Revista brasileira de cancerologia, v. 51, n. 3, p. 253-261, 2005.

SILVA, Lucia Cecília da. Vozes que contam a experiência de viver com câncer. Psicologia Hospitalar, v. 3, n. 1, p. 1-17, 2005.

SIMONTON, Stephanie; SIMONTON, Oscar Carl; CREIGHTON, James L.Com a vida de novo. Grupo Editorial Summus, 1987.

SVAVARSDOTTIR, Erla Kolbrun. Caring for a child with cancer: a longitudinal perspective. Journal of Advanced Nursing, v. 50, n. 2, p. 153-161, 2005.

VALLE, Elizabeth Ranier Martins do. Vivências da familia da criança com câncer. In. CARVALHO. M. M. M. J. Introdução à Psiconcologia. São Paulo: Psy II, 1994.

VASCONCELLOS, Erika Antunes; GIGLIO, Joel Sales. Arte na psicoterapia: imagens simbólicas em psico-oncologia. Vetor Editora, 2006.

VOGEL, W. H.; BOWER, D. B. Stress, immunity and cancer. Stress and immunity (ed. Plotnikoff NP, Margo AJ, Faith RE, Wybran J), p. 493-507, 1991.

WINNICOTT, D. W. Crescimento e desenvolvimento na fase imatura. ___. A família eo desenvolvimento do indivíduo. Belo Horizonte: Interlivros, 1980.