AVALIAÇÃO DO CONTROLE GLICÊMICO PELA GLICEMIA CAPILAR, DE USUÁRIOS DIABÉTICOS TIPO 2, EM UM SERVIÇO DE ATENÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DO RECIFE

Netânias Soares Rocha, Marilene Pessoa Souza, Ana Claudia Rodrigues de Oliveira Paegle, Ana Célia Oliveira dos Santos

Resumo


O diabetes melittus (DM) é uma doença crônica de etiologia múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou incapacidade da insulina de exercer adequadamente seus efeitos. O estudo teve como objetivo avaliar o controle glicêmico pela glicemia capilar, de pacientes diabéticos cadastrados em um serviço de Atenção Primária à saúde. A coleta dos dados aconteceu através da identificação dos pacientes, gênero, faixa etária, escolaridade e do registro da última testagem da glicemia capilar, além do diagnóstico de doenças crônicas. Dos 63 indivíduos selecionados, eram mulheres 79,36% e homens 20,23%, com idades entre 36 e 88 anos, com média de 62 anos. O tempo de escolaridade variou de 0 a 4 anos com 52,38%; de 4 anos ou mais com 47,61%. A média da glicemia foi de 215,5 mg/dL (DP 67,18). Ambas as faixas etárias obtiveram resultados da glicemia em jejum indicativo de um não controle glicêmico. Apresentaram complicações cardiovasculares e cerebrais, 60 (95,23%); doenças infecciosas 29 (46,03%); obesidade 08 (12,69%). Conclui-se que a falta de controle da glicemia, prevalece na população estudada, em ambas as faixas etárias; a escolaridade não demonstrou influencia no controle glicêmico. Além disso, a presença de complicações cardiovasculares foi bem expressiva.


Palavras-chave


Diabetes, hiperglicemia, comorbidades

Texto completo:

PDF

Referências


BARRILE, S. R. et al. Comprometimento Sensório-motor dos Membros Inferiores em Diabéticos do Tipo 2. Fisioter. Mov. Curitiba, v.26, n.3, p.537-548, jul./set. 2013.

BATISTA, F. et al. Associação de Diabetes e Hanseníase em Portadores de Pés Sensíveis. ReV. ABTPé. 1(2):41-4, 2007.

BRASIL. Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica: diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de Atenção Básica, n. 36).

CECILIO, H. P. M. et al. Comportamentos e Comorbidades Associados às Complicações Microvasculares do Diabetes. Acta. Paul. Enferm. Maringá, PR. 28(2):113-9, 2015.

COSTA, S. M. et al. Agente Comunitário de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 18(7): 2147-2156, 2013.

HEILBERG, I. P.; SCHOR, N. Abordagem Diagnóstica e Terapêutica na Infecção do Trato Urinário – ITU. Rev. Assoc. Med. Bras. São Paulo, SP, 49(1): 109-16, 2003.

LERARIO, C. A. et al. Avaliação da Prevalência do Diabetes e da Hiperglicemia de Estresse no Infarto Agudo do Miocárdio. Arq. Bras. Endrocrinol. Metab. 52/3, 2008.

LONNROTH, K; ROGLIC, G.; HARRIES, A. D. Improving Tuberculosis Prevention and Care Through Addressing the Global Diabetes Epidemic: from Evidence to Policy and Practice. The Lancet Diabetes & Endocrinology, Vol. 2, n.9, p.730-739, September 2014.

LOPES, F. M. et al. Avaliação da Hemoglobina Glicada como Importante Marcador do Diabetes Mellitus. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, vol. 15, n. 3, pp. 65-82, Universidade Anhanguera Brasil, 2011.

MAZUR, C. E. et al. Antropometria e Pressão Arterial Predizem Risco de Doenças Cardiovasculares em Diabéticos. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo v.7, n.37, p.12-22, Jan/Fev, 2013.

NETTO, A. P. et al. Atualização sobre Hemoglobina Glicada (HbA1C) para Avaliação do Controle Glicêmico e para o Diagnóstico do Diabetes: aspectos clínicos e laboratoriais. J. Bras. Patol. Med. Lab., vol.45, n. 1, p. 31-48, Fevereiro 2009.

PONTIERI, F. M.; BACHION, M. M. Crenças de Pacientes Diabéticos Acerca da Terapia Nutricional e sua Influência na Adesão ao Tratamento. Ciênc. Saúde coletiva, vol.15, n.1, Rio de Janeiro, Jan. 2010.

SANTOS, I. C. R. et al. Prevalência de Pé Diabético e Fatores Associados nas Unidades de Saúde da Família da Cidade do Recife, Pernambuco, Brasil, em 2005. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(12): 2861-2870, dez, 2008.

SANTOS, I. C. R. et al. Prevalência e Fatores Associados a Amputações por pé Diabético. Ciência & Saúde Coletiva, Recife, PE, 18(10):3007-3014, 2013.

SEISCENTO, M. Tuberculose em Situações Especiais: HIV, Diabetes Mellitus e Insuficiência Renal. Pulmão, RJ, 21(1):23-26, 2012.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2014-2015.– São Paulo: AC Farmacêutica, 2015.

SUSO, K. et al. Prevalência de Diabetes Mellitus e Correlação entre Testes de Glicemia em Pacientes Idosos Atendidos no Ambulatório do Instituto de Geriatria e Gerontologia, PUCRS. RBAC, vol. 43(2): 155-159, 2011.

TSCHIEDEL, B. Complicações Crônicas do Diabetes. JBM, vol. 102, n.5, Set/Out, 2014.

WINKELMANN, E. R.; FONTELA, P. C. Condições de Saúde de Pacientes com Diabetes Mellitus tipo 2 Cadastrados na Estratégia Saúde da Família, em Ijuí, Rio Grande do Sul, 2010-2013. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 23(4):665-674, out-dez 2014.