Estresse dos profissionais de saúde nas unidades hospitalares de atendimento em urgência e emergência

Marcio Vieira de Melo, TTiago Pedro da Silva, Zenilda Gondim Novaes, Maria Luiza Maciel Mendes

Resumo


O conteúdo deste artigo reúne uma abordagem sobre o estresse dos enfermeiros nas unidades de urgência e emergência. Os maiores estressores nessa área são: número reduzido de funcionários; falta de respaldo institucional e profissional; carga de trabalho excessiva; necessidade de realização de tarefas em tempo reduzido; indefinição do papel do profissional; descontentamento com o trabalho; falta de comunicação e compreensão por parte da supervisão de serviço; relacionamento com os familiares; ambiente físico das unidades;assistência ao paciente e situação de alerta constante, devido à dinâmica do setor, a dupla jornada de trabalho, que os obrigam a trabalhar em mais de uma instituição para aumento da renda familiar, além disso, o trabalho  em turnos é uma característica da enfermagem, uma vez que a assistência é prestada 24 horas. Trata-se de um estudo de revisão literária realizado em banco de dados eletrônicos (GOOGLE ACADÊMICO, SCIELO (Scientific Eletronic Library Online), tendo com inclusão materiais publicados entre 2009 a março de 2012 periódicos de textos nacionais. O objetivo desse trabalho foi identificar os motivos de estresse de enfermeiros atuantes em unidades de urgências e emergências. Os resultados indicaram que o estresse também, repercute na qualidade do atendimento ao paciente, a família e na equipe de profissionais. Concluímos que os profissionais que atuam na enfermagem estão imersos em um ambiente onde as relações de poder são determinadas pela hierarquia vigente na força de trabalho, subordinados a regras e normas.


Palavras-chave


Urgência e emergência; Trabalho; Estresse

Texto completo:

PDF