As novas questões da linguística aplicada para o ensino de língua inglesa: multiletramentos, identidade e cultura

Rodrigo Belfort Gomes

Resumo


A linguística aplicada, como afirma Almeida Filho (2007), Moita Lopes (2006) e Rajagopalan (2006), está preocupada com todos os aspectos que envolvem o ensino de línguas, o que fez com que o objetivo do professor de idiomas e estudiosos desse campo, fosse, por muito tempo, a busca pelo melhor método a ser empregado. Essas questões, no entanto, vêm sendo modificadas com o desenvolvimento da linguística crítica, que agregou ao professor um papel de formador de cidadãos, não sendo suficiente apenas ensinar o idioma. É objetivo deste artigo, fazer um levantamento sobre os principais métodos e abordagens utilizados para o ensino de língua estrangeira, mais especificamente de língua inglesa, destacando os seus objetivos educacionais. Após esse levantamento inicial, foi feita uma análise sobre o papel do professor em sala de aula, que, diante deste novo cenário educacional, precisa conciliar os conhecimentos linguísticos que serão transmitidos com as novas discussões da linguística aplicada sobre as teorias de multiletramentos, as questões culturais e o processo de (re) construção identitária, possibilitados a partir do trabalho textual.

 

 


Palavras-chave


Cultura; Identidade; Linguistica Aplicada; Multiletramentos

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, JOSÉ CARLOS PAES. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes editores, 2007.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. O ensino de línguas no Brasil de 1978. E agora? Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 1, n. 1, p. 15-29. 2001.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira / Secretaria de Educação Fundamental. . Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASÍLIA. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.Orientações curriculares para o ensino médio: volume 1, 2006.

BAUMAN, Zigmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Trad: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

COPE, B.; KALANTZIS, M. Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000

HALL, Stuart. Identidade Cultural na pós-modernidade. São Paulo: DP&A, 2002.

KALANTZIS, M.; COPE, B. Literacies. Cambride: Cambridge University Press, 2012

KRAMSCH, Claire. Language and culture. Oxford: Oxford University Press, 1998

LARSEN-FREEMAN, Diane. Techniques and principles in language teaching.

Oxford: Oxford University Press, 2000.

LOPES, Luiz Paulo da Moita (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola editoria, 2006.

MATTOS, Andréa Machado de Almeida; VALÉRIO, Kátia Modesto. Letramento

crítico e ensino comunicativo: lacunas e interseções. RBLA, Belo Horizonte, v. 10, n. 1, p. 135-158, 2010.

NORTON, B. Critical literacy and international development. Critical Literacy:

Theories and Practices, v. 1, n. 1, p. 6-15, 2007. Disponível em:

. Acesso em: 28 maio 2012.

RAJAGOPALAN, Kanavillie. Repensar o papel da linguística aplicada. In: LOPES, Luiz Paulo da Moita (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola editoria, 2006.

SAVIGNON, S. J. Communicative language teaching for the twenty-first century. In: CELCE-MURCIA, M. (Ed.). Teaching English as a second or foreign language. Boston, MA: Heinle & Heinle, 2001. p. 13-28.

TAVARES, Roseanne Rocha; BEZERRA, Selma Santos Atividades culturais no ensino de inglês. In: GOMES, Carlos Magno (Org.). Língua e literatura: proposta de ensino. São Cristóvão: Editora UFS, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2014v2n2p111-119


Indexada em: