Gibi Quilombos: por dentro dos muros das escolas brasileiras

Ana Fátima Cruz dos Santos

Resumo


A educação quilombola no Brasil tem obtido avanços em conquistas legislativas e amplitude de sua dinâmica coletiva enquanto exemplo de tradição afro-brasileira além de conquistarem outras demandas como registro da terra, manutenção da cultura e costumes e uma educação que respeite a organização da sociedade local. No século XXI, a formação de um currículo que alcance objetivos básicos dos quilombolas provocou diversos debates e até mesmo a construção de uma cartilha que orientasse a elaboração de diretrizes educativas específicas para estes povos afro-brasileiros. Objetiva-se apresentar neste trabalho o quadro de produção de materiais impressos em quadrinhos para as escolas de comunidades quilombolas ou outras instituições escolares que planejam abordar o tema em sua sala de aula. Após a implementação da Resolução nº 8 das Diretrizes Curriculares Nacionais para a educação quilombola na educação básica, 2012, questiona-se: Há uma produção significativa e incentivadora por parte das representações municipais, estaduais e federais de Educação para estas instituições educativas? Serão expostos alguns revistas de contação de histórias em quadrinhos relacionadas ao ensino escolar tanto em quilombos urbanos quanto em quilombos rurais (do campo) indicados para uso escolar. A análise terá como critérios o uso adequado de terminologia correspondente ao conceito de quilombo e suas vivências, adequação de imagens representativas e compatibilidade com o contexto em que o material é inserido. A pesquisa terá a Crítica Cultural e a Linguística Aplicada enquanto suportes teórico-metodológicos para a investigação destes materiais e os conceitos que os mesmos carregam em seu conteúdo

Palavras-chave


letramentos; educação quilombola; quadrinhos; linguagem; interdisciplinaridade

Texto completo:

PDF

Referências


KLEIMAN, Angela B. Preciso "ensinar" o letramento? Não basta ensina a ler e a escrever? Ministério da Educação, 2005.

KUMARAVADIVELU. B. A linguística aplicada na era da globalização. In: Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. Branca Fabricio [et al]; Luiz Moita Lopes (org.). São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p. 129-148.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em politica. 2008, p. 287-324.

MINISTERIO DA EDUCACAO/ SECRETARIA DA EDUCACAO CONTINUADA, ALFABETIZACAO E DIVERSIDADE. Orientações e Ações para a Educação das relações étnico-raciais. Brasília: SECAD, 2006, p.137-162.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que tem orientado a pesquisa. In: Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. Branca Fabricio [et al]; Luiz Moita Lopes (org.). São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p. 85-107.

MOURA, Clóvis. Quilombos: Resistência ao escravismo. 3. Ed. Série Princípios. São Paulo: Editora Ática, 1993.

NASCIMENTO, Beatriz. O conceito de quilombo e a resistência afro-brasileira. In: Cultura em movimento: matrizes e ativismo negro no Brasil. Elisa Larkin Nascimento (Org.) São Paulo: Selo Negro, 2008 (Sankofa: Matrizes africanas da cultura brasileira; 2). P. 71-91.

ROCHA, Rosa Margarida de Carvalho. Educação das relações étnico-raciais: pensando referências para a organização da prática pedagógica. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

SOUZA, Ana Lúcia silva. Letramentos de Reexistência: poesia, grafite, música, dança: HIP-HOP. São Paulo: parábola Editorial, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2014v2n2p149-156


Indexada em: