A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

Flávia Pierrotti de Castro, Marcos César Rodrigues de Miranda, Rosebelly Nunes Marques

Resumo


O objetivo deste artigo foi identificar quais competências gerais da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) asseguram a construção do conhecimento científico de forma contextualizada. Seu percurso metodológico se deu por meio da Análise textual dividida em três etapas: leitura e reflexão do marco legal da BNCC; análise das dez competências gerais e interpretação das mesmas para construção de seus significados. Foram identificadas seis competências gerais que apresentam a construção do conhecimento científico de forma dinâmica, contextualizada e histórica, visando a formação integral e humana dos discentes brasileiros.

Palavras-chave


Educação Básica. Formação Integral. Competências Cognitivas e Socioemocionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBAGLI, S. Divulgação científica: informação científica para cidadania. Ciência da informação, v. 25, n. 3, 1996.

BRASIL. Constituição 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, 2009.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Caderno de Educação em Direitos Humanos. Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: basenacionalcomumcurricular.mec.gov.br. Acesso em: 26 jul. 2019.

DE ALMEIDA, M. E. B.; da SILVA, M. D. G. M. Currículo, tecnologia e cultura digital: espaços e tempos de web currículo. Revista e-curriculum, v. 7, n. 1, 2011.

GAGLIARDI, R. Cómo utilizar la historia de las ciencias em la enseñanza de las ciencias. Enseñanza de las Ciencias, v. 6, n. 3, p. 291-296, 1988.

GAGLIARDI, R.; GIORDAN, A. La historia de las ciencias: una herramienta para la enseñanza. Enseñanza de las Ciencias, v. 4, n. 3, p. 253-258, 1986.

LOPES, A. C. Conhecimento escolar: ciência e cotidiano. Rio de Janeiro-RJ: UERJ, 1999.

MATTHEWS, M. R. História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, Florianópolis, v. 12, n. 3, p. 164-214, dezembro 1995.

PAIXÃO, M. F.; CACHAPUZ, A. Mudanças na prática de ensino de química pela formação dos professores em história e filosofia das ciências. QNEs, v. 18, p. 31-36, 2003.

RODRÍGUEZ, R. Y. A.; ADÚRIZ-BRAVO, A. A qué epistemología recurrir para investigar sobre la enseñanza de las ciencias. Revista EDUCyT, v. 3, p. 3-16, jan.-jun. 2011.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da educação brasileira. Rev. Ensaio, v. 2, p. 110-132, 2000.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Abordagem de aspectos sociocientíficos em aulas de ciências: possibilidades e limitações. Investigações em Ensino de Ciências, v. 14, p. 191-218, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2020v9n1p107-118


Indexada em: