SEIS HIPÓTESES CONFIGURADORAS DE CLÁUSULAS DE BARREIRA PARA A EFETIVIDADE NO PROCESSO DE ENSINAGEM JURÍDICA NO BRASIL

Valtecino Eufrásio Leal, Paulo Alberto da Silva Sales, Geruza Silva de Oliveira Vieira, Marilda Ferreira Machado Leal

Resumo


A partir da análise do quantitativo de cursos jurídicos existentes no Brasil, procura-se por meio desta pesquisa, teorizar sobre seis hipóteses demonstrativas da inviabilidade de bons resultados nos cursos jurídicos do país. A primeira delas passa pelo alto número de cursos autorizados e reconhecidos. A segunda, é inerente ao empirismo e ao tecnicismo adotados pelos docentes em sala de aula. A terceira versa sobre o conflito de linguagem e de comunicação entre as duas gerações que dificulta o processo de ensino-aprendizagem. A quarta tem como foco a relação ou o vínculo de trabalho dos professores com as instituições, que em larga escala, são agentes públicos ou profissionais autônomos, que adotam a docência como segunda profissão ou complemento de renda. A quinta questiona o fato do MEC realizar visitas e inspeções às instituições e aos cursos jurídicos, apenas trienalmente e a última, relaciona-se com a oferta de cursos, apenas em turnos noturnos. O objetivo da investigação é proporcionar diálogos acadêmicos que venham ampliar-se em favor de melhoras no ensino jurídico.

Palavras-chave


Ensino Jurídico. Estratégias. Efetividade. Dignidade Humana. Conflito de Gerações.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2019v8n1p131-140


Indexada em: