DO GÊNERO AOS PAPEIS SOCIAIS: A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DA PESSOA TRANSEXUAL

Larissa Edite de Magalhães Porto Cruz, Mariana Leonesy da S. Barreto, Maria Virgínia Machado Dazzani

Resumo


Investigar os fatores promotores na construção dos papeis na identidade do transexual é importante, considerando o possível sofrimento psíquico vivenciado por pessoas que não se identificam com a sua condição de gênero e sexo biológico. O presente trabalho foi realizado a partir de uma revisão bibliográfica e utilizou a perspectiva histórico-cultural como referencial teórico. O objetivo deste trabalho foi compreender como os papéis de gênero podem ser promotores na construção da transexualidade, bem como, criticar o discurso patologizante que estabelece critérios de diagnóstico para definir a transexualidade e descrever as implicações da cirurgia da resignação sexual na sua configuração indenitária. Os resultados indicam alguns dos fatores promotores dos papeis de gênero na constituição da identidade do transexual, o sofrimento ocasionado pela cirurgia de resignação e a satisfação do transexual ao assumir o seu novo corpo. Além disso, a revisão de literatura assinala a necessidade de promoção de políticas públicas para a pessoa transexual, e de realização de pesquisas futuras sobre a trajetória do indivíduo que realiza a cirurgia de transgenitalização.

Palavras-chave


Papéis de gênero. Identidade de Gênero. Transexualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMEISTER, R. F., & LEARY, M. R. The need to belong: Desire for interpersonal attachments as a fundamental human motivation. Psychological Bulletin, v. 117, n. 3, 497-529, 1995.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1960.

BENTO, Berenice; PELÚCIO, Larissa. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n.2, maio-ago. 2012, p. 569-581

BENTO, Berenice. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense, 2008.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, p.151-172, 2001.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero. Feminismo e Subversão da Identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Actos perfomativos e constituição de género. Um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. In: MACEDO, Ana Gabriela; RAYNER, Francesca (Org.). Gênero, cultura visual e performance. Antologia crítica. Minho: Universidade do Minho/Húmus, 2011.

CASTEL, Pierre-Henri. Algumas reflexões para estabelecer a cronologia “fenômeno transexual” (1910-1995). Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 21, n. 41, p. 77- 111. 2001

CARVALHO, M. E. P. de. Introdução à questão das relações de gênero na Educação. In: CARVALHO, M. E. P. de. (Org.). Consciência de gênero na escola. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2000.

CID-10. Classificação Internacional de Doenças – 10. ed. [s.d.]. Cap. V – Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10. Disponível em: . Acesso em: 20 Abril 2019

CID- 11. Classificação Internacional de Doenças 11ª Revisão: o padrão global para informações de saúde em diagnóstico. World Health Organization, Abril, 2019. Disponível em https://icd.who.int/icd11refguide/en/index.html. Acesso em maio, 2019.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. Rio de Janeiro: Graal, v. 2, 1985.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1997.

GALLI, R.A., VIEIRA, E.M., GIAMI, A. & SANTOS, M.A. dos. Corpos mutantes, mulheres intrigantes: transexualidade e cirurgia de redesignação sexual. Psicologia: teoria e pesquisa, vol. 29, nº 4, p 447-457, 2013.

GERMON, G. Gender: a geneology of an idea. Nova York: Palgrave Macmillan, 2009

HAUSMAN, B. L. Changing sex: Transsexualism, technology, and the idea of gender, Durham: Duke University Press, 1995.

JEFFREYS, S. Gender hurts: A feminist analysis of the politics of transgenderism, London: Routledge, 2014.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos/ Jaqueline Gomes de Jesus. Brasília, 2012.

KIRK, Stuart et KUTCHINS, Herb. Aimez-vous le DSM? Le triomphe de la psychiatrie americaine. Institut Synthélabo: Paris, 1998.

LEMOS, Maitê D. T. O direito a mudança de sexo nos casos de transexualidade: um “novo” direito de quarta geração. In: GORCZESKI, Clóvis (Org.). Direitos Humanos: a quarta geração em debate. Porto Alegre: UFRGS, 2008, T. 4. cap. 1, p. 7-38.

PETRY, Analídia Rodolpho. Transgender women and the Gender Reassignment Process: subjection experiences, suffering and pleasure in body adaptation. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre , v. 36, n. 2, p. 70-75, June 2015 . Available from .

PETRY, A.R.; Transexualidade e heteronormatividade: algumas questões para a pesquisa. Revista Textos & Contextos. Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 193-198, 2011. Avaliable from https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=321527168015. Acesso em 6 de Julho de 2019.

RAYMOND, J. The transsexual empire: The making of the she-male, London: Teachers College Press, 1994 [1979],

SANT’ANNA, Denise B. de. Descobrir o corpo: uma história sem fim. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.25, n.2, pp.49-58, 2000SCOTT, Joan (1990), «Gênero: uma categoria útil de análise histórica», Educação e Realidade, v. 16, n. 2, pp. 5-22.

WORLD HEALTH ORGANIZATION). The ICD-10. Classification of Mental and Behavioural Disorders. Clinical descriptions and diagnostic guidelines, 199. Available from . Access on 03 June 2018

ZUCKER, Kenneth J. at all. Memo outlining evidence for change for gender identity disorder in the DSM-5. Arch




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p299-314


Indexada em: