A CONVERSA ONLINE COMO PROCEDIMENTO METODOLÓGICO NA PESQUISA COM MASCULINIDADES DISSIDENTES NA CIBERCULTURA: NOTAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS

Ruann Moutinho Ruani, Dilton Ribeiro Couto Junior, Ivan Amaro

Resumo


Este trabalho é parte das reflexões que vêm sendo desenvolvidas em pesquisa de mestrado em educação em andamento. A pesquisa, ainda em fase inicial, apresenta como objetivo investigar como as normas regulatórias de gênero e sexo agem na constituição das masculinidades de pessoas autoproclamadas gays usuárias de aplicativos de pegação/namoro. Este texto, de cunho teórico, é um recorte desta pesquisa e se propõe a apresentar notas teórico-metodológicas que evidenciam alguns dos desafios da produção de conhecimento no campo de estudos de gênero e sexualidade no contexto das dinâmicas ciberculturais. Mais especificamente, nosso foco é discutir sobre a importância da conversa online como procedimento metodológico na pesquisa que adota o ciberespaço para o desenvolvimento do trabalho de campo. Ao longo do trabalho, buscamos ressignificar o papel dos sujeitos participantes das pesquisas, entendendo-os como coautores no processo de construção do conhecimento, e refletindo também sobre as especificidades do digital em rede nos estudos de gênero. Nossa aposta, durante o trabalho de campo da pesquisa, vem sendo reconhecer a conversa online como procedimento metodológico alinhado com uma dimensão dialógica e de alteridade que prima pela horizontalidade das vozes na interação com homens gays que performatizam masculinidades dissidentes.

Palavras-chave


masculinidades; cibercultura; metodologia; conversa online.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARO, Ivan. Tecnologias digitais e formação de professoras: superando desafios, construindo potencialidades. In: AMARO, Ivan; SOARES, Maria da Conceição Silva (Orgs.). Tecnologias digitais nas escolas: outras possibilidades para o conhecimento. Rio de Janeiro: De Petrus et Alii; Brasília, DF: CAPES, 2016, p. 89-111.

BARBOSA, Alexsandra; SANTOS, Edméa; RIBEIRO, Mayra. Diário online no WhatsApp: App-learning em contexto de pesquisa-formação na cibercultura. In: SANTOS, Edméa; CAPUTO, Stela Guedes (Orgs.). Diário de pesquisa na cibercultura: narrativas multirreferenciais com os cotidianos. Rio de janeiro: Omodê, 2018, p. 111-131.

BELLO, Alexandre Toaldo; FELIPE, Jane. Delineando masculinidades desde a infância. Revista Instrumento, Juiz de Fora, v. 12, n. 2, jul./dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 8 dez. 2018.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, maio/ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2018.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. 3. Ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2016.

BOURDIEU, Pierre. Poder simbólico. Tradução de Fernando Thomaz. 4. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Russel, 2007.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro do. Cibercultura, juventude e alteridade: aprendendo - ensinando com o outro no facebook. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; FERREIRA, Helenice Mirabelli Cassino; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. Compartilhando experiências sobre o “armário”: as conversas online como procedimento metodológico da pesquisa histórico-cultural na cibercultura. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju, v. 6, n. 1, p. 23-34, out. 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2017.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. “Fico sem nada de interessante pra postar qnd estou recatada!”: a relação entre o espaço eletrônico e o espaço físico em conversas mantidas entre jovens no Facebook. In: PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa (Orgs.). Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar. Paraíba: EDUEPB, 2014, p. 167-184. Disponível em: . Acesso em: 6 abr. 2019.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; POCAHY, Fernando; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. Crianças e infâncias (im)possíveis na escola: dissidências em debate. Periódicus, Salvador, v. 1, n. 9, p. 55-74, maio/out. 2018. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2018.

FERRAÇO, Carlos Eduardo; ALVES, Nilda. Conversas em redes e pesquisas com cotidianos: a força das multiplicidades acasos, encontros, experiências e amizades. In:. RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (Orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018, p. 41-65.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault revoluciona a pesquisa em educação? Perspectiva, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 371-389, jul./dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2019.

GUTIERREZ, Suzana de Souza. A etnografia virtual na pesquisa de abordagem dialética em redes sociais on-line. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 32., 2009, Caxambu. Anais... Caxambu: Espaço Livre, 2009, 16p.

MEYER, Dagmar Estermann. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. 2. Ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014, p. 49-63.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

MEDRADO, Benedito; LYRA, Jorge. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 809-840, set./dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2019.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 9-42, 2000. Disponível em: . acesso em: 23 jul. 2019.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégicas analíticas. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. 2. Ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014, p. 25-47.

RALEIRAS, Mónica Sofia Costa. Identidade, Internet e Subjectivação: Os sites de redes sociais. 2009. 104 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2009.

SAMPAIO, Carmen Sanches; RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de. Conversa como metodologia de pesquisa: uma metodologia menor? In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (Orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018, p. 21-40.

SANTAELLA, Lucia. Intersubjetividade nas redes digitais: repercussões na educação. In: PRIMO, Alex. (Org.). Interações em rede. Porto Alegre: Editora Sulina, 2013, p. 33-47.

SANTOS, Edméa; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte de. Autorias partilhadas na interface cidade-redes digitais. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju, v. 6, n. 3, p. 29-40, jun. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.

SKLIAR, Carlos. Elogio à conversa (em forma de convite à leitura). In.: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (Orgs.) Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018, p. 11-13.

SILVA JUNIOR, Paulo Melgaço; BRITO, Leandro Teofilo. Masculinidades performativas no contexto escolar: entre regulações, tensões e subversões. Áskesis, São Carlos, v. 7, n. 1, p. 26-38, 2018. Disponível em: . Acesso em: 3 nov. 2018.

ZAGO, Luiz Felipe. Pornotopias - espaço, mídias e sexualidade. Revista E-Compós, Brasília, v. 19, n. 3, p. 1-18, set./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2019.

ZAGO, Luiz Felipe. Masculinidades disponíveis.com: sobre como dizer-se homem gay na internet. 2009. 227f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p205-218


Indexada em: