OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FORMA DE FICHAMENTO DE TEXTOS PARA O LEVANTAMENTO DO ESTADO DA ARTE

Patricia Lupion Torres, Claudete Maria Zaclikevic, Virgínia Bastos Carneiro

Resumo


O presente artigo aborda o estado da arte como possibilidade metodológica atual, especialmente voltada às variadas articulações e estruturas de análises que demanda a pesquisa científica no cenário educacional emergente. Esta opção de pesquisa-formação científica profunda, à luz de categorias e particularidades, inventariante e bibliográfica, ordena periodicamente todo o conjunto de dados de modo multirreferencial, sob uma visão holística e complexa. A técnica de mapas conceituais, como suporte de levantamento do estado da arte em pesquisa-formação, foi utilizada em um experimento na formação de pesquisadores, em processo de doutoramento, em uma universidade de grande porte, localizada na região sul do Brasil. Com o questionamento: “De que modo a técnica denominada “mapas conceituais” pode contribuir para o levantamento do estado da arte?”, foi analisado o procedimento dos mapas conceituais como fichamento de textos para a pesquisa estado da arte. Dentre os autores referenciados, nomeiam-se FERREIRA (2002), ROMANOWSKI e ENS (2006) para preceitos sobre o levantamento do estado da arte, MARRIOT e TORRES (2007) para as considerações sobre mapas conceituais, SANTOS e ROSSINI (2015) e MORIN (2007) para estruturar a pesquisa-formação na complexidade. Considerou-se, assim, que o uso de mapas conceituais como fichamento para o levantamento do estado da arte é de valor significativo para o processo de formação de professores – pesquisadores – autores, pois permite analisar a construção de novas propostas metodológicas, organizar ideias e conceitos, construir e socializar conhecimento por meio de redes de pesquisa.

Palavras-chave


Estado da arte; Mapa conceitual; Pesquisa-formação

Texto completo:

PDF

Referências


CAMBRIDGE DICTIONARY ONLINE. Disponível em: Acesso em: 03 jun. 2017.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Educação & Sociedade, ano XXIII, n. 79, ago. 2002.

MARRIOTT, Rita de Cássia; TORRES, PatriciaLupion. Mapas conceituais. In: TORRES, PatriciaLupion (Org.). Algumas vias para entretecer o pensar e o agir. Curitiba: SENAR-PR, 2007.

MOREIRA, Marco Antônio; BUCHWEITZ, Bernardo. Mapas Conceituais: instrumentos didáticos, de avaliação e de análise de currículo. São Paulo: Moraes, 1987.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

ROMANOWSKI, Joana; ENS, Romilda Theodora. As Pesquisas Denominadas do tipo "Estado da Arte" em Educação. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n.19, p. 37-50, set./dez. 2006.

SANTOS, Edméa; ROSSINI, Tatiana Stofella Sodré. Design interativo aberto: uma proposta para a formação de professores-autores na cibercultura. In: PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa; OSWALD, Maria Luíza; COUTO, Edvaldo (Orgs.). Pesquisa e mobilidade na cibercultura. Salvador: Edufba, 2015.

SOARES, Magda Becker. Alfabetização no Brasil – O Estado do conhecimento. Brasília: INEP/MEC, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2017v6n1p71-80


Indexada em: