A CARACTERIZAÇÃO EM UM SERVIÇO DE PRÁTICA INCLUSIVA EM UMA INSTITUIÇÃO NO ESTADO DE SERGIPE

Angelica de Fátima Piovesan, Iza Fontes Carvalho, Marilda Campanha Alves

Resumo


O presente artigo objetivou realizar um estudo não probabilístico, exploratório de corte transversal realizado através de levantamento de dados em uma instituição particular especializado em inclusão, que funciona desde 2011 nos turnos matutino e vespertino e está situado em Aracaju, capital do Estado de Sergipe, no mês de junho de 2015. Após a análise dos resultados e o estudo da bibliografia pertinente a temática, pode-se afirmar que o sistema de assistência à pessoa com transtornos, embora esteja avançando no Brasil ainda é muito insuficiente. Não existe uma cultura instaurada referida a sistemática de atuação e como e quais documentos devem ser exigidos dos usuários antes do início dos trabalhos com os profissionais competentes. 


Palavras-chave


Educação Inclusiva; Neurociência; Transtornos

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Geraldo P. Neurociência e sequência didática para educação infantil- 2 ed. Rio de Janeiro: Wak Editora. 2015.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais - Dsm V –5ª Ed. 2014.

BARLOW, David H. Psicopatologia: uma abordagem integrada/ David H. Barlow, Mark R. Durand; tradução Roberto Galman; revisão técnica Francisco B. Assumpção Jr. – São Paulo: Cengage Learning. 2011.

BRASIL, Portal Brasil. Dados do Censo Escolar indicam aumento de matrícula de alunos com deficiência. 2015. Disponível em: < http://www.brasil.gov.br/educacao/2015/03/dados-do-censo-escolar-indicam-aumento-de-matriculas-de-alunos-com-deficiencia> acesso em 31 jul 2015.

CARREIRO, Luiz Renato Rodrigues [et al]. Protocolo interdisciplinar de avaliação neuropsicológica, comportamental e clínica para crianças e adolescentes com queixas de desatenção e hiperatividade. Psicologia teoria e prática, 2014. São Paulo, Disponível em . acesso em 29 jul. 2015.

COSENZA, Ramon M. & Guerra, LEONOR B.Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre- Artmed. 2011.

DE OLIVEIRA, G. G. Neurociências e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Educação Unisinos, 18(1), 13-24. 2013.

FREIRE, A. C. C. & PONDÉ, M. P. Estudo piloto da prevalência de TDAH entre crianças escolares na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Arquivos de Neuropsiquiatria, 63(2), 474-478. 2005.

GRACIOLI, Maria Madalena & BIANCHI, Rafaela Cristina. Educação do autista no ensino regular: um desafio à prática pedagógica. Nucleus, 11(2). 2014.

GROSSI, M. G. R., GROSSI, V. G. R., SOUZA, J. R. L. M., & SANTOS, E. D. Uma reflexão sobre a Neurociência e os padrões de aprendizagem: a importância de perceber as diferenças. Debates em Educação, 6(12). 2014.

MALLOY- DINIZ, Leandro F. [et al]. Avaliação Neuropsicológica. Porto Alegre: Artmed. 2010.

MIOTTO, Eliane C. Neurospicologia Clínica. Organizadores, Eliane Correa Miotto, Mara Cristina Souza de Lucia, Milberto Scaff. São Paulo: Roca. 2012.

MIRANDA, A. A. B. Educação Especial no Brasil: desenvolvimento histórico. Cadernos de História da Educação, p. 7.2008.

NETO, José Cipolla. Neurospicologia Clínica. Organizadores, Eliane Correa Miotto, Mara Cristina Souza de Lucia, Milberto Scaff, capítulo 4. São Paulo: Roca. 2012.

OLIVEIRA, Camila Rosa, RODRIGUES, Jaqueline de Carvalho & Fonseca, Rochele Paz. O uso de instrumentos neuropsicológicos na avaliação de dificuldades de aprendizagem. Rev. psicopedag. [online]. 26(79), p. 65-76. 2009.

OLIVEIRA, Débora S. [et al] . Bonding interaction between parents and their autistic children. Journal of Child and Adolescent Psychology. Lisboa, 5(2). 2014.

PINHEIRO, Marta. Fundamentos de Neuropsicologia - o desenvolvimento cerebral da criança. 2007.

RANGEL Junior, É. de B. & LOOS, H. Escola e desenvolvimento psicossocial segundo percepções de jovens com TDAH. Paidéia. Ribeirão Preto, 21(50). 2011.Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/paideia/v21n50/10.pdf> Acesso em: 12 Jul. 2015

RELVAS, M. P. Neurociência e transtornos de aprendizagem: as múltiplas eficiências para uma educação inclusiva. 5. ed. Rio de Janeiro: Wak. 2011.

REED, Umbertina Conti. Neuropsicologia clínica. Organizadores, Eliane Correa Miotto, Mara Cristina Souza de Lucia, Milberto Scaff, cap 25- São Paulo: Roca. 2012.

SANT’ANA, I. M. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicologia em estudo. 10(2), 227-234. 2005.

SANTOS, Camila Reis & Araújo, Michell P. M. A Inclusão de Alunos com Deficiência na Educação Básica: entendendo o contexto histórico para valorizar práticas pedagógicas atuais. Revista FACEVV. Nº 9. 2012.

SCHWARTZMAN, J.S. Deficiência Mental. In: cap 2. Miranda, M.C., Muszkat, M., Mello & C.B. Neuropsicologia do Desenvolvimento: Transtornos do neurodesenvolvimento. Rio de Janeiro: Rubio. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2018v7n1p95–104


Indexada em: