As orientações para o ensino de matemática nos Relatórios das Delegacias Regionais de São Paulo, período de 1930 a 1940

Martha Raíssa Iane Santana Silva

Resumo


No presente trabalho analisamos as orientações contidas nos relatórios das delegacias regionais de ensino, para o ensino de matemática. Tais relatórios foram produzidos em tempos nos quais o modelo de escola paulista se organizou e se comprometeu em dar visibilidade às práticas que deveriam constituir referência para as demais escolas do país, possibilitando, assim, a imitabilidade, ao mesmo tempo que produziam mecanismos que garantissem a vigilância dessas práticas, e de todos os aspectos que deveriam compor a escola ideal. As análises empreendidas referem-se a questões de metodologia, concepção de ensino e de formação de professores, observa-se uma centralidade concedida à matéria de Aritmética, e a existência de mecanismos acionados para o enfrentamento de problemas pela crescente reprovação nessa matéria, condicionando, assim, a organização de currículos, concepção de ensino, exames, etc.

Palavras-chave


Aritmética. Formação de professores. Prática de ensino

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, M. M. C. de. Modernidade Pedagógica e Modelos de Formação Docente. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n 1. São Paulo Jan/Mar. 2000. Disponível em . Acesso em: 13 mai. 2014.

CELESTE FILHO, Macioniro. Os relatórios das Delegacias Regionais de Ensino do Estado de São Paulo como fonte de pesquisa para a história da educação – décadas de 1930 e 1940. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas-SP, v. 12, n. 1 (28), p. 71-111, jan./abr. 2012.

Relatório da Delegacia Regional de Casa Branca, 1942. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Jaboticabal, parte 6, 1939. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Piracicaba, parte 1, 1938. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Piracicaba, parte 1, 1942. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Ribeirão Preto do ano de 1936. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Ribeirão Preto, parte 4, 1934. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Rio Preto, parte 5, 1940, Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Rio Preto, parte 6, 1940, Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Rio Preto, parte 7, 1940. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Santos, parte 1, 1937. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Santos, parte 1, 1940. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Santos, parte 1, 1941. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Santos, parte 2, 1939. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Taubaté, parte 2, 1938. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Taubaté, parte 3, 1937. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional de Taubaté, parte 6, 1937. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional do Ensino de Guaratinguetá, parte 1, 1936. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional do Ensino de Santos, parte 1, 1936. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2014.

Relatório da Delegacia Regional do Ensino de São Carlos, parte 1, 1933. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

VALENTE, Wagner Rodrigues. No tempo em que normalistas precisavam saber estatística. Revista Brasileira de História da Matemática. Especial nº 1 – Festschrift Ubiratan D’Ambrosio. dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2015v3n2p87-96


Indexada em: