DESCOLONIZR A EDUCAÇÃO: Os Mestres dos Saberes Populares e Tradicionais no contexto da formação cultural

Francisco Antônio Nunes Neto

Resumo


O texto problematiza a importância dos diálogos estabelecidos entre as esferas formais e não-formais no processo de formação cultural. Para tanto, entende a valorização e introdução dos saberes dos mestres da cultura popular como um desafio posto às instituições escolares. Aos nossos dias ainda vigora, em larga medida, um modelo de formação escolar baseado numa tradição livresca de cuja matriz epistemológica foi herdada, sobretudo de países europeus. Neste sentido, o artigo provoca-nos a pensar sobre os novos desafios postos à educação contemporânea à medida que discute a falência do modelo de formação acadêmica seja no âmbito da Escola Básica ou como praticado na maior parte das faculdades e universidades brasileiras que ao não valorizar os saberes populares locais, subalterniza-os, contribuindo na perpetuação de uma hierarquia entre conhecimento e sabedoria.

Palavras-chave


escola; ensino, interculturalidade; epistemologias.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BHABHA, Homi K. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade Cultural e Orientações Sexuais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CHAUÍ, Marilena. O que é filosofia? São Paulo: Brasiliense, 2005.

COLÔMBIA. Declração da Conferência Regional de Educação Superior na América Latina e no Caribe – CRES, 2008, Colômbia-Cartagena de Índias.

FONSECA, Marcus Vinícius. A Educação dos Negros: uma nova face do processo de Abolição da Escravidão no Brasil. Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

FREIRE, José Ribamar Bessa. Desaprendendo na Escola. Manaus: http://www.taquiprati.com.br, 08/10/2014.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro. Modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: UCAM, 2002.

HAESBAERT, Rogério. O Mito da Desterritorialização. Do “Fim dos Territórios” à Multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. 10a ed., Rio de Janeiro: DP & A, 2005.

________. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

MATO, Daniel. “Diferenças Culturais, Interculturalidade e Inclusão na Produção de Conhecimentos e Práticas Socioeducativas”. In CANDAU, Vera Lúcia (org.) Educação Intercultural na América Latina. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009, p. 74-93

________. “Interculturalidad, producción de conocimientos y prácticas socioeducativas”. In.: ALCEU: Revista de Comunicação, Cultura e Política. Rio de Janeiro: PUC-RJ, volume 6, número 11, p. 120-138, jul./dez. 2005, p. 120-137.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2ª ed., São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

________. A cabeça bem-feiita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8ª ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

QUIJANO, Anibal. “Colonialité du Pouvoir, Démocratie et Citoyenneté en Amérique Latine”. In.: Amérique Latine: Démocratie et Exclusion. Paris: L’Harmattan, 1994.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. 3ª ed., São Paulo: Cortez, 2011.

TUGNY, Rosângela Pereira de. Cantos dos povos morcego e hemex – espíritos. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2013.

________. Bestiário dos Cantos dos yãmiyaxop: narradores, escritores e ilustradores. Belo Horizonte: FALE/UFMG; Literaterras, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2016v4n3p31-42


Indexada em: