O ÓCIO COMO TEMPO LIVRE, E A SUA CONTRIBUIÇÃO PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO

MARLTON FONTES MOTA, LILIAN JORDELINE FERREIRA DE MELO

Resumo


O ócio, ao longo da história, vivenciou a deturpação de conceitos, vinculando-se à idéia de ociosidade, mesmo acolhido na concepção de ócio criativo. Ao pretender elucidar as suas diversas diferenças conceituais, os estudiosos passaram a perceber o ócio como um processo contínuo de aprendizagem, incorporado ao desenvolvimento de atitudes, valores, e competências, passando a ser reconhecido como parte integrante da educação, pontuando o fato de que a melhor fonte do ócio está no próprio indivíduo. O presente artigo pretende demonstrar que a educação tornou-se uma das grandes responsáveis em inspirar a mudança de paradigma sobre a experiência do ócio, isto, com a preocupação de educar no tempo livre e para o tempo livre.

Palavras-chave


Ócio – educação – indivíduo – autonomia – experiência

Texto completo:

PDF

Referências


CLERTON MARTINS, José. Educação para o ócio é educar também para a vida. Diário do Nordeste. 2011. Entrevista. Disponível em: . Acesso em: 02 jun.2014.

DE LA TORRE, Saturnino de La. Criatividade Aplicada: recursos para uma formação criativa. CARBALLAL, Carmen (trad.). São Paulo: Madras Editora Ltda, 2008.

FERREIRA, Aurora. Arte, escola e inclusão – atividades artísticas para trabalhar com diferentes grupos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

RHODEN, Ieda. O ócio como experiência subjetiva: contribuições da psicologia do ócio. In: Revista Mal Estar e Subjetividade.2009. Disponível em: . Acesso em 06 maio.2014.

SILVA, Renata Laudares. RAPHAEL, Maria Luiza. SANTOS, Fernanda Silva dos. Carta Internacional de Educação para o lazer como ferramenta de intervenção pedagógica efetiva no campo do saber. Revista Pensar a Prática. 2006. vol.09. Disponível em: Acesso em: 13 jun.2014

TRILLA, Jaume.. PUIG, Josep Maria. A pedagogia do ócio. Valério Campos (trad). 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

VELOSO BRASILEIRO, Fabiana. OLIVEIRA MARTINS, José Clerton. Educação para o ócio a escola contemporânea: algumas reflexões. 2011. Apresentação oral em GT. Disponível em: Acesso em: 10 maio.2014.

WLRA (WORLD LEISURE AND RECREATION ASSOCIATION), «international Charter for Leisure Education», Em ELRA (European Leisure and Recreation Association), Verão de 1994, pp 13-16. Manuel Cuenca Cabeza, em 2004, apresentou esta Carta em Anexo ao seu livro Pedagogia del Ócio: Modelos y Propuestas. Bilbao. Universidad de Deusto. ISBN: 84-7485-922-0, acrescentando a seguinte informação: Para la edición utilizo la traducción de Yolanda Lázaro Fernández, introduciendo algunas correcciones. Fue publicada en Gorbeña, S., González, V.J. & Lázaro, Y., El Derecho al Ocio de las personas com discapacidad, Universidad de Deusto, Bilbao, 1997, pp. 243-252. É a partir desta versão que traduzo para português. Amélia Rosa Macedo. Disponível em: Acesso em: 14 jun.2014

WOGEL, Livio dos Santos – FAC. A festa como vivencia do ócio na formação contínua de professores. 2009. Disponível em: Acesso em: 03 jun.2014




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2015v3n3p55-65


Indexada em: