Apropriações do método intuitivo para ensinar Aritmética em escolas primárias: analisando a legislação educacional brasileira (1879-1930)

Marcus Aldenisson Oliveira

Resumo


Este texto objetiva compreender de que forma o método intuitivo foi apropriado, por diferentes estados brasileiros para o ensino de Aritmética. Tal compreensão cria algumas possibilidades de conexão de elementos das histórias da educação matemática do curso primário entre as unidades estaduais. Para isso, a posição ocupada inicialmente é a de observador – tentando acompanhar as similitudes e as particularidades de cada espaço. Como resultado, a pesquisa revela que com os reempregos atribuídos ao ensino de Aritmética, a partir da pedagogia intuitiva, contar e calcular deixaram de serem tópicos de conteúdos ancorados em regras fechadas e abstratas e transformaram-se em conhecimentos observados, palpável, vividos e adquiridos pelas experiências dos sentidos.

Palavras-chave


Apropriação; Aritmética do curso primário; Método intuitivo.

Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, Maria Helena Camara. A educação como espetáculo. In: STEPHANOU, Maria e BASTOS, Maria Helena Camara (Orgs.) História e memória da educação no Brasil, vol. II: Século XIX. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 116-131, 2005.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A escola e a República e outros ensaios. Bragança Paulista: EDUSF, 2003. (Estudos CDAPH. Série historiografia).

CHARTIER, Roger. Escutar os mortos com os olhos. Revista Estudos Avançados/USP, nº 24, v. 69, 2010.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Tradução Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Revista Teoria & Educação, nº 2, p. 177-231, 1990.

DARNTON, Robert. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. – São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

GATTI JÚNIOR, Décio. Aspectos teórico-metodológicos e da historiografia brasileira na temática da história das disciplinas escolares (1990-2008). Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão/SE, v.4, n.4, p. 9-30, 2010.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. In: Revista Brasileira de História da Educação. Campinas/SP: Editora Autores Associados, n.1, jan/dez, p. 9-43, 2001.

PESSANHA, Eurize Caldas. História de disciplinas escolares em uma “escola exemplar” em Mato Grosso do Sul: possibilidade de uma história da cultura escolar (1939-2002). Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão/SE, v.4, n.4, p. 31-41, 2010.

SOUZA JÚNIOR, Marcílio e GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. História das disciplinas escolares e história de educação: algumas reflexões. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 391-408, set./dez. 2005.

VALDEMARIN, Vera Teresa; TEIVE, Gladys Mary Ghizoni e HANDAM, Juliana Cesário. Modernidade Metodológica e Pedagógica: apropriações do método de ensino intuitivo nas reformas da instrução pública de Minas Gerais, Santa Catarina e São Paulo (1906-1920): ideias e práticas em movimento. In: SOUZA, R. F. de; SILVA, V. L. G. da e SÁ, E. F. de (Orgs). Por uma teoria e uma história da escola primária no Brasil: investigações comparadas sobre a escola graduada (1870-1930). – Cuiabá: EdUFMT, p. 239-272, 2013.

VALENTE, Wagner Rodrigues. Do ensino ativo para a escola ativa: Lourenço filho e o material de Parker para a Aritmética do curso primário. In: 36ª Reunião Nacional da ANPEd (2013). Anais eletrônico disponível em , acessado em 25 outubro de 2013.

VALENTE, Wagner Rodrigues. O ensino intuitivo e as cartas de Parker. In: V Congresso Brasileiro de História da Educação (2008). Anais eletrônico disponível em < http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe5/pdf/528.pdf>, acessado em 07 de fevereiro de 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2014v2n3p219-232


Indexada em: