A escola como preservação da cultura

Mario de Souza Martins

Resumo


O presente artigo tem como objetivo recuperar a história das escolas de imigração
polonesa em Irati, como forte instrumento de preservação da cultura. Os dados
apresentados foram obtidos através da memória de três ex-alunos que freqüentaram escolas diferentes na década de 1930, antes da proibição do ensino em língua do imigrante, pelo estado brasileiro. Neste período, apesar da existência de decretos estaduais indicando a necessidade do ensino na língua vernácula, percebe-se a permanência do ensino na língua polonesa, até o decreto de nacionalização do ensino, momento em que acontece a desconstrução da cultura do polonês. O processo de nacionalização atinge não só a questão do ensino, mas todas as instâncias da cultura polonesa, principalmente a religião que é a base dessa cultura. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, caracterizando-se como um estudo de caso. O instrumento utilizado para a coleta de dados foi a entrevista com perguntas abertas, dando aos entrevistados total liberdade de expressão e recorrendo a sua memória como fonte de compreensão da sociedade daquele período. Os relatos sobre o cotidiano escolar apontam que os conteúdos, em sua maioria, tratavam da terra natal dos imigrantes. Será apresentada uma breve abordagem a respeito da situação da Polônia no final do século XIX. Também uma abordagem sobre o município de Irati, como um dos municípios que recebeu grande número de imigrantes, com maior ênfase nos poloneses e o histórico das
três escolas onde os entrevistados estudaram. Como referência serão utilizados,
Wachowicz (2002), Orreda (1972, 2007), Félix (2003) dentre outros.

 


Palavras-chave


Palavras-chave: imigração, memória, escola polonesa, cultura.

Texto completo:

PDF

Referências


CHELMICKI, Z. Trad. Dyminski, S. W. Imigrantes poloneses no Brasil de 1891.

Brasília: Edições do Senado federal- vol 139, 2010

DELGADO, L. de A. N. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte:

Autêntica, 2006.

FARAH, A. L. S. GUIL, C. PHILIPI, S. J. Irati 100 anos. Curitiba: Editora Arte, 2008.

FÉLIX, L. O. Política, memória e esquecimento. In: TEDESCO J. C. (org.). Usos de

memórias. Política, educação e identidade. Passo Fundo: UPF, 2002.

FEREIRA, A. B. de H. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova

Fronteira, 2004.

FILIPAK, F. Centenário no Brasil da família Filipak. Curitiba: Gráfica Vicentina,

IAROCHINSKI, U. Saga dos polacos. A Polônia e seus emigrantes no Brasil. Curitiba:

U. Iarochinski, 2000.

KLEIMAN, F. Visões da utopia: entre Karl Mannheim e Russel Jacoby.

Críticasocialista.wordpress.com/.:visões da utopia entre karlmannheim...Acesso em

/03/2012.

KOZOWSKI, V. I. Estes imigrantes entre outros: imigração polonesa na serra gaúcha.

Bento Gonçalves: V.i. Kozowski, 2003.

ORREDA, J. M. Irati. Irati, EDIPAR, 1972.

ORREDA, J. M. Irati. Educação. Revista nº 6 Educação. Irati: 2007.

RS. Cadernos de História. Memorial do RS. Voltaire Schilling. Polônia: a luta pela

liberdade. www.memorial.rs.gov.br/cadernos/polônia. Acesso em 06/03/2012.

TEDESCO, J. C. (org.). Usos de memória. Política, educação e identidade. Passo

Fundo: UPF, 2002.

TODOROV, T. O Homem desenraizado. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 1999.

WACHOWICZ, R. C. As escolas de colonização polonesa no Brasil. Curitiba:

Champagnat, 2002.

WENCZENOVICZ, T. J. Pequeninos poloneses: cotidiano das crianças polonesas. [SJ.:

s.n.] 2010.

WOOWARD, K. et al. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 9. ed.

Petrópolis: Vozes, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2014v2n3p181-195


Indexada em: