AGROTÓXICOS: DANOS À SAÚDE HUMANA E AMBIENTAL. EXTISTEM OUTROS CAMINHOS?

Abílio Curvelo de Mendonça Neto, Eduardo Costa Burle, Renan Tavares Figueiredo

Resumo


Os agrotóxicos, em geral, apesar de representarem um problema ambiental grave, ainda são utilizados diariamente sem um estudo cientifico dos seus efeitos danosos na natureza. A produção de agrotóxicos cresceu desde os anos 40 sem um aumento correspondente da produtividade agrícola, acompanhado de maiores danos à natureza, aos agricultores e aos consumidores. Hoje, alternativas naturais benéficas existem e são mais rentáveis do que a agricultura convencional. Essa revisão propôs apresentar os danos provocados pelos agrotóxicos; assim como alternativas que podem ser colocadas em prática. Os resultados obtidos durante esse estudo demonstraram que não existe sobre os possíveis benefícios da utilização desses defensivos agrícolas entre a comunidade científica e que existe uma escassez de estudos a respeito dos danos a longo prazo provocados pelo uso dessas substâncias. Mais ainda, alternativas como a produção de biofertilizantes, rotação de cultura e o uso de plantas repelentes, entre outros podem ser alternativas eficazes para substituir os agrotóxicos, entretanto é necessário a divulgação dessas técnicas para os agricultores. Conclui-se que os benefícios a curto e a longo prazo trazidos pelo uso dessas substâncias não transcendem os riscos e que a adoção de práticas agrícolas sustentáveis é inadiável ou em breve, poderemos sofrer consequências irremediáveis.

Palavras-chave


Os agrotóxicos, em geral, apesar de representarem um problema ambiental grave, ainda são utilizados diariamente sem um estudo cientifico dos seus efeitos danosos na natureza. A produção de agrotóxicos cresceu desde os anos 40 sem um aumento correspondente

Texto completo:

PDF

Referências


ANDEF. Manual de uso correto de equipamentos de proteção individual. Campinas: Linea Creativa, 2003. 29 p. Disponível em: . Acesso em: 27 dec. 2016.

BALLAMINUT, N. Caracterização fisiológica do inóculo de Lentinus crinitus (L.) Fr. CCB274 empregado em biorremediação de solo. Instituto de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2007. 163 p.

BRASIL. Vigilância do câncer ocupacional e ambiental. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Rio de Janeiro: INCA, 2005, 68 p. Disponível em: < http://www.inca.gov.br/inca/Arquivos/publicacoes/vigilanciadocancerocupacional.pdf>. Acesso em: 27 dec. 2016.

BERTOLAZI, A. A.; CANTON, G. C.; AZEVEDO, I. G.; CRUZ, Z. M. A.; SOARES, D. N. E. S.; CONCEIÇÃO, J. M.; SANTOS, W. O.; RAMOS, A. C. O papel das ectomicorrizas na biorremediação dos metais pesados no solo. Natureza on line, Santa Tereza, ES, v. 8, n. 1, p. 24-31, 2010.

BOCCHI, L. M. A. Avaliação do uso de pesticidas na cultura de laranja no município de Itápolis-SP. Centro Universitário de Araraquara, 2008, 124 p.

CARRARO, G. Agrotóxico e Meio Ambiente: Uma proposta de ensino de ciências e de Química. Porto Alegre: Série UFRGS, 1997, 95 p. Disponível em: < http://www.quimica.seed.pr.gov.br/arquivos/File/AIQ_2011/agrotoxicos_ufrgs.pdf>. Acesso em: 22 oct. 2016.

CARSON, R. Primavera silenciosa. 1. ed. São Paulo, SP: Editora Gaia, 2010, 328 p.

CHABOUSSOU, F. Plantas doentes pelo uso de agrotóxicos: a teoria da trofobiose. 1 ed. Porto Alegre, RS: L&PM, 1987. 256p.

CHABOSSOU, F. Plantas doentes pelo uso de agrotóxicos. 1 ed. São Paulo, SP: Editora Expressão Popular, 2006, 320 p.

COUTINHO, H. D.; BARBOSA, A. R. Fitorremediação: Considerações Gerais e Características de Utilização. Silva Lusitana, Lisboa, PT, v. 15, n. 1, p. 103 - 117, 2007.

FRANÇA, M. S. J. O sumiço das abelhas. Unesp Ciência, São Paulo, SP, v. 34, n. 1, p. 24 – 29, 2012.

FARIA, A. N. Agricultura Orgânica-Dossiê Técnico. Brazília: CDT/UnB, 2007, p. 23. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2016.

FERREIRA, F. A.; SILVA, A. A.; FERREIRA, L. R. Mecanismos de ação de herbicidas. In: V Congresso Brasileiro de Algodão, 2005, Salvador. Anais... Viçosa: CBA, 2005, p 1-4.

FORMENTINI; E. A. Cartilha sobre adubação verde e compostagem. 1 ed. Vitória, ES: Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, 2008.

GIMENES; L. J. Fungos Basidiomicetos: Técnicas de coleta, isolamento e subsídios para processos Biotecnológicos. São Paulo: Instituto de Botânica – IBt, 2010, p. 19.

JARDIM, I. C. S. F.; ANDRADE, J. A.; QUEIROZ, S. C. N. Resíduos de agrotóxicos em alimentos: uma preocupação ambiental global – um enfoque às maçãs. Química Nova [online], v. 32, n. 4, p. 996-1012, 2009.

LATORRACA, A.; MARQUES, G. J. G.; SOUSA, K. M.; FORNÉS, N. S. Agrotóxicos utilizados na produção do tomate em Goiânia e Goianápolis e efeitos na saúde humana. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, João Pessoa, PB, v. 19, n. 4, p. 365-374, 2008.

LITCHFIELD, C. Thirty Years and Counting: Bioremediation in Its Prime? BioScience, Uberlândia, MG, v. 55, n. 3, pp. 273-279, 2005.

LOPES, S. W. Uso dos agrotóxicos e seus impactos à saúde e ao ambiente: uma avaliação integrada entre a economia, a saúde pública, a ecologia e a agricultura. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, 2010, 163 p.

MARÇON, P. G. Modo de ação de inseticidas e acaricidas. DuPont do Brasil S.A, 2015. Disponível em: < http://www.irac-br.org/modo-de-ao-de-inseticidas-e-acaricidas>. Acesso em: 12 oct. 2016.

PALLU, A. P. S. Biossorção de cádmio por linhagens de Aspergillus sp. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Piracicaba, 2006, 69 p.

PASCHOAL, A. D. Alimentos Orgânicos-Parte Dois. Por Que São Melhores Os Alimentos Orgânicos? Professor de Agroecologia e Agricultura Orgânica da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, USP. (Palestra proferida na ADAE-ESALQ, em maio de 2012).

PONTE, J. J. Cartilha da manipueira: uso do composto como insumo agrícola. 1. ed. Fortaleza, CE: Banco do Nordeste do Brasil, 2006, 67p.

REICHE, A. P.; LEMOS, J. L. S. Estudo do potencial de degradação de petróleo de linhagens de fungos isoladas de solo nordestino. In: XIII Jornada de Iniciação Científica, 2005, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: CETEM, 2005. p. 1-7.

ROEL, A. R. Utilização de plantas com propriedades inseticidas: uma contribuição para o Desenvolvimento Rural Sustentável. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 1, n. 2, p.43-50, 2001.

ROEL, A. R. A agricultura orgânica ou ecológica e a sustentabilidade da agricultura. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 3, n. 4, p. 57-62, 2002.

SANTAMARTA, J. A ameaça dos disruptores endócrinos. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, RS, v. 2, n .3, p. 18-29, 2001.

SILVA, K. H. Avaliação do perfil de resistência a antimicrobianos e metais pesados em bactérias isoladas de processo de compostagem. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011, 109 p.

SILVA, R. R. Biorremediação de solos contaminados com organoclorados por fungos basidiomicetos em biorreatores. São Paulo: Instituto de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2009. 186 p.

SOARES, I. A.; FLORES, A. C.; MENDONÇA, M. M.; BARCELOS, R. P.; BARONI, S. Fungos na biorremediação de áreas degradadas. Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, SP, v. 78, n. 2, p.341-350, 2011.

SOARES, W. L.; PORTO, M. F. Atividade agrícola e externalidade ambiental: uma análise a partir do uso de agrotóxicos no cerrado brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva [online], v. 12, n. 1, p. 131-143, 2007.

SOBREIRA, A. E. G.; ADISSI, P. J. Agrotóxicos: falsas premissas e debates. Ciência & Saúde Coletiva [online], v. 8, n. 4, p. 985-990, 2003.

TERÇARIOLI, G. R.; PALEARI, L. M.; BAGAGLI, E. O incrível mundo dos fungos. 1. ed. São Paulo, SP: Editora UNESP, 2010, 128 p.