O ENFERMEIRO NA IDENTIFICAÇÃO DE RISCO NA GESTAÇÃO

Natanael Feitoza Santos, Camilla Oliveira Góis, Elizayne dos Santos, Pablo Lôbo Rivas, Vivianny Neres Rocha, Juliana de Oliveira Musse Silva

Resumo


A gestação é um fenômeno fisiológico que transcorre sem intercorrências na maioria dos casos. São consideradas gestações de Alto risco quando a vida ou a saúde da mãe, e/ou do feto, e/ou do recém-nascido, têm maiores chances de serem atingidas que as da média da população considerada. O presente estudo tem como objetivo apontar as principais evidências sobre a atuação do enfermeiro na identificação da gravidez de alto risco. Trata-se de uma revisão integrativa, onde foram selecionados quarenta artigos nas bases de dados SciElo e Lilacs, como também consulta em Manuais para suporte na elaboração do mesmo. A saúde da mulher e da criança tem sido estudada mundialmente há algumas décadas, no Brasil é considerada como prioridade. O acompanhamento das fases da gestação pressupõe avaliação dinâmica das situações de risco e prontidão para identificar problemas de forma a poder atuar, a depender do problema encontrado, de maneira a impedir um resultado desfavorável. Por fim, a gestação é um fenômeno fisiológico que transcorre sem intercorrências na maioria dos casos. Porém no Brasil, 20% das gestações são de alto risco. Este grupo de gestantes requer acompanhamento especializado, contemplando todos os níveis de complexidade e que ofereça os procedimentos diagnósticos e terapêuticos necessários.

Palavras-chave


Gravidez, gravidez de alto risco, enfermagem obstétrica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALDRIGHI, J. D. et al. As experiências das mulheres na gestação em idade materna avançada: revisão integrativa. Revista Escola de Enfermagem, São Paulo. V. 50, n. 3, p. 512-521, 2016. Disponível em: Acesso em: 05 nov. 2018.

AMORIM et al. Perspectivas do cuidado de enfermagem na gestação de alto risco: revisão integrativa. Revista Electronica Trimestral de Enfermeria. n46, p.516-529, 2017.

BRASIL. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Cadernos de Atenção Básica, n° 32. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Gestação de alto risco: manual técnico. 5. ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2012.

COSTA et al. Perfil epidemiológico de gestantes de alto risco. Revista Cogitare Enfermagem. n21, v2,p.01-08, 2016.

FAROUZANFAR, M. H. et al. Global, regional, and national comparative risk assessment of 79 behavioral, environmental and occupational, and metabolic risks or clusters of risks in 188 countries, 1990-2013: a systematic analysis for the global burden of disease study. n386, v10010, p.2287-2323, 2013.

GUELBER, F. A. C. P. et al. Diagnósticos de enfermagem mais frequentes no pré-natal de risco habitual. HU Revista- Juiz de Fora. n1, v40, 2014.

HERCULANO, M. M. S. et al. Aplicação do processo de enfermagem a paciente com hipertensão gestacional fundamentada em Orem. Revista da rede de Enfermagem do Nordeste. n2, v12, p.401-408, 2011.

KASSEBAUM, N.J. et al. Global regional and national levels and causes of maternal mortality during 1990-2013: a systematic analysis for the global burden of disease study lancet. n46, p.980-1004, 2014.

OLIVEIRA, E. C; BARBOSA, S. M; MELO, S. E. P. A importância do acompanhamento pré-natal realizado por enfermeiros. Revista Científica FacMais. V. 7, n. 3, p. 25-38, 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2018.

PEIXOTO, C. R. et al. O pré-natal na atenção primária: o ponto de partida para reorganização da assistência obstétrica. Revista de Enfermagem. n19, v2, p.286-291, 2011.

RODRIGUES, A. R. M. et al. Gravidez de alto risco: Analise dos determinantes de saúde. Revista de políticas públicas Sanare, Sobral-Ceará. V. 16, n. 01, p. 23-28, 2017. Disponível em:. Acesso em: 05 nov. 2018.

SPINDOLA, T.; LIMA, G.L.S.; CAVALCANTI, L.R. A ocorrência de pré-clâmpsia em mulheres primigestas acompanhadas no pré-natal de um hospital universitário. Revista pesquisa Cuidado Fundamental. n5, v3, p.235-244. 2014.

TANDU-UMBA et al. Pre-pregnancy hight-risk factors at first antenatal visit: how predctive are these of pregnancy outcomes. Intenational Journal Women’s Health. n5, v6, p.1011-1018, 2014.