DESAFIOS DA ATENÇÃO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA PELA EQUIPE DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

Ana Clara Cruz Santos de Santana

Resumo


A violência é definida como uso intencional da força ou poder em uma forma ameaçadora ou efetiva que vem atingindo uma parcela importante da população. O estudo tem como objetivo identificar as formas de atuação das equipes de saúde das famílias frente aos casos de violência. Trata-se de uma revisão sistemática da literatura realizada em 2015, nas bases de dados Lilacs, BDENF, MEDLINE, Scielo e Google Scholar. Foram incluídos artigos científicos e dissertações que analisaram formas de enfrentamento da equipe diante dos casos de abuso publicados nos últimos cinco anos. A Estratégia de Saúde da Família (ESF) é o um dos níveis de atenção à saúde presente no SUS que mais se aproxima da realidade de vida das pessoas que vivem no seu território, portanto, são locais em potencial para avaliação de risco, identificação e principalmente prevenção de diversas formas de violência.

Palavras-chave


Profissionais de Enfermagem. Atenção Primária. Violência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, et al. Violência doméstica e saúde das mulheres: uma análise da experiência do município de São Gonçalo. O Social em Questão - Ano XVIII - nº 31 – 2014.

ANDRADE, et al. A Visão dos Profissionais de Saúde em Relação à Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: um estudo qualitativo. Saúde e Sociedade. São Paulo, v.20, n.1, p.147-155, 2011.

BERNZ, et al. Desafio da Violência Doméstica para profissionais da saúde: revisão da literatura. Saúde e Transformação Social. ISSN 2178-7085, Florianópolis, v.3, n.3, p.105-111, 2012.

BRASIL, Ministério da Saúde. Temático de Prevenção de Violência e Cultura de Paz, Vol. III (Painel de indicadores do SUS, caderno nº 5). Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2008.

DAY, V. P. et al. Violência doméstica e suas diferentes manifestações. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 25, supl. 1, p. 9-21, abr. 2003.

FERREIRA, et al. O enfermeiro frente à problemática da criança e a adolescente vítima de violência sexual. Revista Uniandrade. v.13 n.1.2010.

JÚNIOR, P. C. A. A Violência doméstica contra Idosos nas áreas de abrangência do programa Saúde da Família de Niterói. Ciência e Saúde. Rio de Janeiro,15(6):2989-2995.2010;

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório mundial sobre violência e saúde. Brasília: OMS/OPAS, 2005.

SHIMBO, et al. Reconhecimento da violência intrafamiliar contra idosos pela equipe da estratégia saúde da família. Escola de Enfermagem Anna Nery. Rio de Janeiro, 2011; 15 (3):506-510

SILVA, M. A; MELO, J. G. Quando o amor pode matar: um panorama sobre a questão da violência doméstica. Natal-RN: DEAM (Delegacia especializada de atendimento à mulher), 2013.

SOUZA, M. C. M. R; HORTA, N. C. Enfermagem em saúde coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.

TAPIA, et al. Papel do enfermeiro frente ao abuso sexual de crianças e adolescentes. Revista Saúde em Foco, Teresina, v. 1, n. 1, art. 7, p. 93-102. 2014.

VELLOSO, et al. Trabalhadores de uma Unidade Básica de Saúde na interface com a violência. Belo Horizonte: Acta Paulista Enfermagem. 2011; 24(4):466-71.2011.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015, Adolescentes de 16 e 17 anos do Brasil. Rio de Janeiro: Flasco Brasil, Junho de 2015.