VIOLÊNCIA: HOMICÍDIOS EM MENORES DE 14 ANOS NO ESTADO DE SERGIPE

Wiltar Teles Santos Marques, Marcela de Souza Santos, Wolney Sandy Santos Lima, Kátia Silene Barbosa Vidal, Felipe Souza Nery

Resumo


A criança e adolescente são cidadãos com direitos e deveres. No entanto, em se tratando em direito à vida, o Brasil é o segundo país do mundo em números absolutos de homicídio infanto-juvenil. O presente estudo descreve a tendência temporal das taxas de homicídio em menores de 14 anos residentes no estado de Sergipe, entre 2000 e 2015. Trata-se de uma pesquisa quantitativa do tipo ecológico de série temporal com base em dados do SIM/DATASUS. Foram calculadas as taxas de homicídio em menores de 14 anos para cada 100 mil jovens menores de 14 anos, em cada ano da série. Para a análise da série temporal foi adotado o modelo de regressão linear com correção de Prais-Winsten. Entre os anos de 2000 e 2015, Sergipe apresentou 16.152 óbitos nessa faixa etária. A taxa de homicídio variou de 251,8 óbitos (por 100 mil jovens) em 2000 para 121,4 em 2015, apresentando tendência decrescente. Apesar deste resultado, a situação da violência em jovens em Sergipe é preocupante, pois apresenta altas taxas em toda a série. Programas sociais deficientes, famílias desestruturadas e profissionais despreparados contribuem para aumento da violência. Nesse sentido, entende-se que a inclusão social deve ser base no enfrentamento desta problemática.

Palavras-chave


criança; adolescente; homicídio; crime; violência.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2018.

_______. Casa Civil. Lei Federal nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da criança e do adolescente, 1990. Versão atualizada. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2018.

_______. Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF). Agenda pela Infância 2015 – 2018. 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2018.

_______. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 510 de 07 de abril de 2016, 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2018.

BARBIANE, R. Violação de direitos de crianças e adolescentes no Brasil: interfaces com a política de saúde. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 40, n. 109, p. 200-211, 2016.

BORGES, L. S.; ALENCAR, H. M. Violência, criminalidade e homicídio: o desrespeito entre os parceiros sociais. Rev. Leopoldianum., Ano 40. p. 67-93, 2014.

COSTA, D. H. et al. Homicídios de jovens: os impactos da perda em famílias de vítimas. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 27, n. 3, p. 685-705, 2017.

COSTA, D. H.; NJAINE, K.; SCHENKER, M. Repercussões do homicídio em familiares das vítimas: uma revisão da literatura. Ciência e Saúde Coletiva, v. 22, n. 9, p. 3087-97, 2017.

COSTA, F. A.; TRINDADE, R. C.; SANTOS, C. B. Mortes por homicídios: série histórica. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 22, n. 6, 2014.

EINSTEIN, E. Adolescência: definições, conceitos e critérios. Adolescência e Saúde, v. 2, n.2, 2005.

FREITAS, O.; RAMIRES, J. C. Políticas Públicas de Prevenção e Combate à Criminalidade Envolvendo Jovens. Caminhos de Geografia, v. 12, n. 37, p. 20, 2011.

HANASHIRO, O. et al. Atlas da Violência 2017, Ipea e FBSP. p. 76, jun. 2017.

JUCÁ, R. L. C. O papel da sociedade na política de segurança pública, 2002. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2018.

LEMOS, F. C. S. et al. O extermínio de jovens negros pobres no Brasil: práticas biopolíticas e questão. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São Paulo, v. 12, n. 1, jan./abr. 2017.

SANTOS, L. I. C. et al. Juventude e violência: trajetórias de vida e políticas públicas. Estudos e pesquisas em psicologia. Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 521-538, 2012.

SILVA, J. G. Homicídio de jovens no Brasil: o desafio de compreender a consequência fatal da violência. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2014.

REICHENHEIM, M. E et al. Violência e lesões no Brasil: o efeito, os progressos realizados e os desafios à frente. Lancet, v. 6736, n. 11, p. 75-89, 2011.

ROSA, C. Vidas perdidas: análise descritiva do perfil da mortalidade dos adolescentes no Brasil. Rev. Adolesc. Saúde, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 29-38, abril/junho. 2018.

TRAJANO, A.R.C. Impactos da violência urbana no trabalho em saúde: construindo uma cultura de paz e humanização do trabalho no campo da saúde pública. E- caderno ces (Online). Cidade de Portugal, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. 2008.

VALERA, I. M. A. et al. Nursing team practices in dealing with children and youth violence. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, v. 17, n. 3, p. 103-111, 2015.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2013: mortes matadas por armas de fogo. [Internet]. São Paulo (SP): Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos; 2013. 55p. Disponível em: . Acesso em: 11 de dez. 2018.