ACESSIBILIDADE EM MUSEUS DE CIÊNCIA: A PERSPECTIVA DE MEDIADORES BRASILEIROS

Autores

  • Jessica Norberto Rocha Fundação Cecierj Grupo Museus e Centros de Ciências Acessíveis Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia Mestrado em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde Fiocruz Rede Musa, Red de Museos y Centros de Ciencia Iberoamericanos http://orcid.org/0000-0002-9754-3874
  • Marcela Alvaro Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia. http://orcid.org/0000-0001-5201-4875
  • Luisa Massarani Fundação Oswaldo Cruz Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia Mestrado em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde Fiocruz Rede Musa, Red de Museos y Centros de Ciencia Iberoamericanos http://orcid.org/0000-0002-5710-7242
  • Willian Vieira de Abreu Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPE/UFRJ), Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia. http://orcid.org/0000-0002-6685-2754

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3801.2021v9n1p103-120

Palavras-chave:

museus de ciências, mediadores, pessoas com deficiência, acessibilidade, inclusão.

Resumo

Neste artigo, visamos compreender como mediadores de museus de ciências brasileiros entendem e lidam com a acessibilidade e com os públicos com deficiência nas instituições em que trabalham. Os dados foram coletados de abril a dezembro de 2019 por meio de um questionário on-line, com perguntas fechadas e abertas, respondido por 298 indivíduos. Sob o ponto de vista desses profissionais, ainda há algumas lacunas com relação à sua formação, prática e experiência e às estratégias de acessibilidade oferecidas pelos museus que trabalham. Isso faz com que se sintam pouco seguros para realizar o atendimento dos públicos com deficiência. Nesse sentido, apenas um quarto do total dos respondentes afirmou que se sentia preparado para atender pessoas com deficiência. Esse sentimento pode ocorrer em parte pelo fato de que metade de nossos respondentes são jovens de entre 20 e 29 anos e em geral com menos de cinco anos de carreira. Mas reforça a necessidade de que os museus invistam na formação e capacitação desses atores sociais e consolidem e/ou reforcem uma política institucional que vise a acessibilidade e inclusão das pessoas com deficiência nos museus de ciências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jessica Norberto Rocha, Fundação Cecierj Grupo Museus e Centros de Ciências Acessíveis Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia Mestrado em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde Fiocruz Rede Musa, Red de Museos y Centros de Ciencia Iberoamericanos

Doutora em Educação, Universidade de São Paulo (USP), Divulgadora Científica da Fundação Centro de Ciências e de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Fundação Cecierj). Jovem Cientista do Nosso Estado FAPERJ, coordenadora do Grupo Museus e Centros de Ciências Acessíveis, pesquisadora do Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia e da Red De Museos y Centros De Ciencia (MUSA IBEROAMERICANA - CYTED). Professora dos cursos de Mestrado em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde e de Especialização em Divulgação e Popularização da Ciência da Fiocruz e de Especialização em Ensino de Ciências: ênfase em Biologia e Química do IFRJ/Maracanã.

Marcela Alvaro, Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia.

Licenciada em Química pela Universidade Federal Fluminense, Mestre em Divulgação da Ciência, da Tecnologia e da Saúde pelo Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fundação Oswaldo Cruz, cursa Especialização em Ensino de Química pelo Colégio Pedro II. É bolsista de pesquisa do Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia (Brasil).

Luisa Massarani, Fundação Oswaldo Cruz Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia Mestrado em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde Fiocruz Rede Musa, Red de Museos y Centros de Ciencia Iberoamericanos

Doutorado na Área de Gestão, Educação e Difusão em Biociências pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Coordena o Instituto Nacional de Comunicação Pública em Ciência e Tecnologia, sediado na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Mestrado Acadêmico em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde da Casa de Oswaldo Cruz – Fiocruz e a Red de Museos y Centros de Ciencia (MUSA IBEROAMERICANA - CYTED). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq e Cientista do Nosso Estado da Faperj.

Willian Vieira de Abreu, Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPE/UFRJ), Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia.

Doutor em Engenharia Nuclear, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pesquisador do Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia e do Grupo Museus e Centros de Ciências Acessíveis. Membro da Associação Brasileira de Planetários.

Downloads

Publicado

2021-03-26

Como Citar

Norberto Rocha, J., Alvaro, M., Massarani, L., & de Abreu, W. V. (2021). ACESSIBILIDADE EM MUSEUS DE CIÊNCIA: A PERSPECTIVA DE MEDIADORES BRASILEIROS. Interfaces Científicas - Humanas E Sociais, 9(1), 103–120. https://doi.org/10.17564/2316-3801.2021v9n1p103-120

Edição

Seção

NÚMERO TEMÁTICO – DEFICIÊNCIA, ACESSIBILIDADE E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA