PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM MUSEUS DE CIÊNCIA: PERFIL E OPINIÃO DOS VISITANTES ESPONTÂNEOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3801.2021v9n1p55-72

Palavras-chave:

Museus de Ciência, Pessoa com Deficiência, Acessibilidade, Inclusão, Estudos de Público

Resumo

A discussão em torno da acessibilidade vem crescendo e ganhando espaço nas agendas de discussão de políticas públicas com vistas a garantir à pessoa com deficiência o exercício de seu direito à fruição. São escassos os estudos de público em museus brasileiros sobre o tema e os existentes não contemplam as pessoas com deficiência. O presente artigo apresenta uma pesquisa inédita acerca do perfil e da opinião de pessoas com deficiência em situação de visita espontânea à dez museus que integram o Observatório de Museu e Centros de Ciência e Tecnologia - OMCC&T, nas cidades do Rio de Janeiro e de Duque de Caxias. Foram aplicados 4.705 questionários aos visitantes espontâneos maiores de 15 anos dessas instituições e 63 foram respondidos por pessoas com deficiência. Os respondentes estão distribuídos igualmente quanto ao sexo; dentre estes, a deficiência física prevalece. A maior parte dos respondentes possui ensino superior completo, característico do público que frequenta museus. Eles consideraram a falta de divulgação e de informações sobre museus e exposições como uma das principais barreiras à visitação. O acolhimento pela equipe dos museus foi o único aspecto considerado “ótimo/muito bom” por mais da metade dos pesquisados, evidenciando a importância da acessibilidade atitudinal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Fernandes Costa, Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Escola de Museologia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professora do Departamento de Estudos e Processos Museológicos e da Escola de Museologia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, bem como Educadora Museal na Seção de Assistência ao Ensino do Museu Nacional/Universidade Federal do Rio de Janeiro (MN-UFRJ). É Doutoranda em Educação no PPGEdu/UNIRIO. Realiza atividades de pesquisa no campo da Educação Museal e na área da Divulgação Científica. Participa da concepção, execução e avaliação de programas, projetos e ações de educação museal e de popularização da ciência. Atua principalmente nos seguintes temas: estudos de público e avaliação em museus, mediação humana, acessibilidade cultural, colaboração museu-escola e inclusão sociocultural.

Aline Rocha Castro, Museu da Geodiversidade (IGEO/UFRJ)

Bacharel em Museologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) (2006); Mestre em Museologia e Patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) (2009); Especialista em Acessibilidade Cultural pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (2014), Doutora em Ciências (Geologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (2014) e Bolsista de Pós-doutorado Júnior do CNPq, na Coordenação de Museologia do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) (2017-2018). Atualmente é museóloga e vice-diretora do Museu da Geodiversidade (MGeo - IGEO - UFRJ), membro do Fórum Permanente UFRJ Acessível e Inclusiva (UFRJ), professora (colaboradora - mestrado) do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio (UNIRIO - MAST), pesquisadora do Instituto Nacional de Comunicação Pública em Ciência e Tecnologia e do Laboratório de Estudos de Comunidades Paleozoicas (LECP - UNIRIO) e professora dos Cursos de Especialização em Acessibilidade Cultural (UFRJ/MinC) e Museus, Identidades e Comunidades (FUNDAJ). Atua principalmente nos seguintes temas: Museologia, Museografia, Patrimônio Natural (com ênfase em Patrimônio Geológico e Científico e Geoconservação), Divulgação Científica, Museus Universitários e Museus Acessíveis

Denise Coelho Studart, Museu da Vida/COC/Fiocruz, Núcleo de Estudos de Público e Avaliação em Museus - Nepam [Pesquisadora].

Ph.D. em Museum Studies pela University College London (UCL) (2000), Inglaterra ? Reino Unido; Museóloga pela UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1993); Especialização em Estudos Especiais de Crítica de Arte e em Conservação de Obras de Arte pela UIA - Università Internazionale dell Arte, Itália (1988). Em 2002 ingressou por concurso público no Museu da Vida, Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz. Atualmente integra a equipe do Núcleo de Estudos de Público e Avaliação em Museus (Nepam), Museu da Vida, realizando pesquisas, coordenando eventos acadêmicos, participando de comissões e da elaboração de projetos diversos. Áreas de interesse e atuação: museologia, estudos de público, comunicação e educação museal, meio ambiente & museus, ciência & arte. OUTRAS INFORMAÇÕES: Trabalhou em museus europeus (entre eles o Museu Britânico e o Science Museum, ambos em Londres, e também na Cité des Sciences et de l´Industrie, Paris, realizando pesquisas de público). Trabalhou em diversos museus brasileiros (Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, Museu de Arte Popular Casa do Pontal, Centro Cultural Banco do Brasil e Museu de Astronomia e Ciências Afins). Foi Coordenadora do Comitê de Educação e Ação Cultural do ICOM / International Council of Museums, no Brasil (CECA-Brasil) de 2002 a 2005. Foi Secretária Geral e membro do Comitê Organizador do 4th Science Centre World Congress, realizado em abril de 2005 no Rio de Janeiro. Membro suplente do Conselho Consultivo do Comitê Brasileiro do ICOM (2006-2009; 2012-2015). No Museu da Vida/COC/Fiocruz, implantou o Núcleo de Estudos de Público e Avaliação (Nepam), o qual coordenou de 2006 a 2008. Participou da criação do Observatório de Museus e Centros Culturais (OMCC) em 2005 e atualmente integra a equipe do Observatório de Museus e Centros de CIência e Tecnologia (OMCC&T) criado em 2013. Cedida ao Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro para Chefiar o Museu do Meio Ambiente (2008-2009), participou da elaboração do Plano Museológico de Implantação do referido Museu. Coordenou o I Simpósio Museus, Biodiversidade e Sustentabilidade Ambiental, realizado no Rio de Janeiro (Junho 2010). Atualmente - como mencionado acima, no início - integra a equipe do Núcleo de Estudos de Público e Avaliação em Museus / Nepam, do Museu da Vida/COC/Fiocruz, realizando pesquisas na área de estudos de público, arte e ciência, sustentabilidade ambiental, e coordenando eventos diversos.

Mônica Santos Dahmouche, Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância - Fundação Cecierj - Museu Ciência e Vida.

Possui graduação, mestrado e doutorado em Física pela Universidade de São Paulo (1997) e pós-doutorado no BNM-SYRTE (Paris), com ênfase em Física Atômica. Foi professora substituta no IF-Ufscar, Atualmente é docente da Fundação Cecierj - Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do RJ. Tem experiência na área de Física Atômica, e desde 2006 vem atuando em Divulgação e Popularização da Ciência, com ênfase em feiras de ciências, museus e centros de ciência e relações de gênero na ciência. Em 2007 implantou a Caravana da Ciência que coordenou até 2008. É diretora do Museu Ciência e Vida, tendo coordenado seu processo de implantação. Fez estágio Sejour Culture promovido pelo Ministério da Cultura francês. Como pesquisadora suas linhas de interesse são o papel dos museus e centros de ciência na educação não formal, as feiras de ciências na formação dos estudantes e na divulgação científica, a divulgação científica para sensibilização do público para ciência, as relações de gênero no universo das ciências exatas na perspectiva da divulgação científica. Integra o grupo de pesquisa OMCC&T - Observatório de Museus e Centros de Ciência e Tecnologia. É docente no Curso de Especialização em Divulgação da Ciência, da Tecnologia e da Saúde e no mestrado acadêmico oferecido pela Casa de Oswaldo Cruz, Divulgação da Ciência, da Tecnologia e Saúde.

Wailã de Souza Cruz, Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro [Astrônomo]

Possui graduação em Astronomia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004), Pós-graduação em Ensino de Astronomia pelo CEFET-Campos (2005) e Pós-Graduação em Divulgação da Ciência, da Tecnologia e da Saúde pela Fiocruz (2014). Atualmente é astrônomo da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro desde junho de 2004. Tem experiência na área de Divulgação Científica, com ênfase em Museus e Centros de Ciências. É coordenador da equipe de mediadores do Museu do Universo. Participa do grupo de pesquisa OMCC&T (Observatório de Museus e Centros de Ciência e Tecnologia) que realiza estudos sobre a divulgação da ciência e a sociedade. Participou da comissão organizadora do 3o Encontro Nacional da Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciências (2018).

Downloads

Publicado

2021-03-26

Como Citar

Costa, A. F., Castro, A. R., Studart, D. C., Dahmouche, M. S., & Cruz, W. de S. (2021). PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM MUSEUS DE CIÊNCIA: PERFIL E OPINIÃO DOS VISITANTES ESPONTÂNEOS. Interfaces Científicas - Humanas E Sociais, 9(1), 55–72. https://doi.org/10.17564/2316-3801.2021v9n1p55-72

Edição

Seção

NÚMERO TEMÁTICO – DEFICIÊNCIA, ACESSIBILIDADE E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA