VIOLÊNCIA TRANSFÓBICA NA UNIVERSIDADE: LACUNAS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE ACESSO E PERMANÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR

Autores

  • Bruno Gomes Pereira USP/UNIAN
  • Thiago Sartori USP / UNIAN

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar situações de violência transfóbica no contexto universitário de uma instituição localizada na região metropolitana de São Paulo, envolvendo acadêmicos transexuais e travestis cotistas. A fundamentação teórica está alojada no campo interdisciplina da Sociologia Crítica (SC), a partir da interface com os estudos sobre Políticas Públicas Educacionais (PPE). A metodologia é um estudo de caso, de abordagem qualitativa, considerando que as análises foram feitas a partir de entrevistas gravadas com três estudantes que ingressam no ensino superior por meio das cotas para pessoas trans. O tratamento científico dos dados se deu a partir das forças ideológicas que constituem o entorno dos dados coletados. A pesquisa revela que há um desamparo das PPE no que se refere ao acesso de pessoas trans no contexto acadêmico, existindo uma lacuna entre o princípio do acesso e o princípio da permanência na educação superior do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Gomes Pereira, USP/UNIAN

Doutorando em Ensino de Língua e de Literatura

Thiago Sartori, USP / UNIAN

Doutorando pela USP. 

Downloads

Publicado

2024-03-21

Como Citar

Pereira, B. G., & Sartori, T. L. (2024). VIOLÊNCIA TRANSFÓBICA NA UNIVERSIDADE: LACUNAS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE ACESSO E PERMANÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR. Interfaces Científicas - Humanas E Sociais, 12(2), 20–32. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/humanas/article/view/11791

Edição

Seção

Artigos