A CIDADE E OS BANGUÊS: MAPEAMENTO E ESTUDO DE REMANESCENTES DE ENGENHOS NO MUNICÍPIO DE MACEIÓ

  • Beatriz Cristina Correia de Sá Centro Universitario Tiradentese - AL
  • Ana Clara Guimarães Dias da Silva
Palavras-chave: Engenhos de açúcar, Valorização, Patrimônio Histórico.

Resumo

A colonização e ocupação do território no Brasil teve início a partir da construção de complexos produtores de açúcar, que refletiram no desenvolvimento econômico, social e político do país. Em Alagoas, vários núcleos populacionais nasceram e cresceram em decorrência dos engenhos de açúcar. O surgimento de sua capital, Maceió, foi marcado também pela existência de um engenho. Ou seja, o engenho não era apenas produtor de açúcar, mas também consistia em um núcleo social e cultural, a partir do qual poderiam surgir povoados, vilas e cidades. Contudo, com o surgimento das usinas e crescimento dos núcleos urbanos, os antigos engenhos gradativamente deixaram de funcionar, e foram esquecidos. Entretanto, as antigas propriedades outrora produtoras de açúcar, não deixaram de existir, e muitas vezes ainda guardam resquícios dos tempos de funcionamento dos banguês. Desta forma, este artigo se propõe a apresentar os trabalhos de localização desses complexos no município de Maceió, a partir de estudos e reconhecimento de seus possíveis remanescentes, a fim de resgatar a memória e a história da cidade. Para realização deste trabalho, teve como metodologia pesquisas bibliográficas, manipulação de mapas, criação de infográfico, além de pesquisas feitas em almanaques do século XIX e em sites. Assim, foi possível mapear prováveis localizações de engenhos, e levantar a história de cinco deles. Acredita-se que este trabalho possa contribuir para o reconhecimento, valorização e conservação da memória dessas edificações, como também da história da cidade.

Biografia do Autor

Beatriz Cristina Correia de Sá, Centro Universitario Tiradentese - AL
Estudante de Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Tiradentes - AL.
Ana Clara Guimarães Dias da Silva
Estudante de Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Tiradentes - AL.

Referências

ALBUQUERQUE, Mariana Freitas Cavalcanti De. A MEMÓRIA DO PATRIMÔNIO

INTANGÍVEL EM IPIOCA, ATRAVÉS DE SEUS NARRADORES. Tese (Mestrado

em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal de Alagoas. Faculdade de

Arquitetura e Urbanismo. Maceió, 2013

ALMANAK ADMINISTRATIVO DA PROVINCIA AS ALAGOAS: para o anno de

Maceió: Typopraphia Social de Amintas & Filho, 1880. Nono anno.

ALMANAK DA PROVINCIA AS ALAGOAS: para o anno de 1873. Maceió: Typ.

Social de Amintas & Soares, 1873. Anno segundo.

ALMANAK DO ESTADO AS ALAGOAS: para 1894. Maceió: Typopraphia da

Empreza Gutenberg, 1894. Anno XXI.

ALMANAK LAEMMERT: Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) - 1891 a

Rio de Janeiro, 1901.

Biblioteca do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. Disponível em

<https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/alagoas/maceio.pdf>

Acesso em 02 de Março. de 2020 às 18:05.

COSTA, Craveiro. Maceió. 2ª Ed. Serviços Gráficos de Alagoas S/A - SERGASA.

Maceió, 1981.

FERLINI, Vera Lúcia Amaral. A civilização do açúcar. 11ª Ed. São Paulo, 1994.

JÚNIOR, Manuel Diégues. O Engenho de açúcar no nordeste. 1ºEd. Rio de

Janeiro. Ministério da Agricultura. 1952.

JÚNIOR, Manuel Diégues. O banguê nas Alagoas. Maceió: EDUFAL, 2006.

MACYEL, Aurino. Floriano menino (1928). In: História de Alagoas. Disponível em:

<https://www.historiadealagoas.com.br/floriano-menino.html>. Acesso em 29 de

Julho de 2020 às 15:34.

MORNAY, Carlos. Carta topográfica da Província das Alagoas que de ordem do

Exm. Sr. Dr. Antônio Alves de Souza Carvalho, D. Presidente da Prov. Maceió,

REGO, José lins do. Menino de engenho. 80ª ed. Rio de Janeiro: José Olympeo

Editora.

UNIÃO SOCIAL CAMILIANA. Manual de orientações para trabalhos acadêmicos.

ed. rev. amp. São Paulo: Centro Universitário Tiradentes, 2012.

SANTANA, Moacir Medeiros de. Contribuição à história do açúcar em Alagoas.

Recife: Museu do açúcar, 1970.

Publicado
2020-10-30
Como Citar
Sá, B. C. C. de, & Silva, A. C. G. D. da. (2020). A CIDADE E OS BANGUÊS: MAPEAMENTO E ESTUDO DE REMANESCENTES DE ENGENHOS NO MUNICÍPIO DE MACEIÓ. Caderno De Graduação - Ciências Humanas E Sociais - UNIT - ALAGOAS, 6(2), 149. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitshumanas/article/view/9130
Seção
Artigos