MEDICINA E LIBRAS: OS DESAFIOS DE UMA FORMAÇÃO HUMANIZADA

  • ANA MARLUSIA ALVES BOMFIM CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES/UNIT/AL

Resumo

A Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) é uma língua própria destinada à comunicação da população surda, de forma a permitir uma melhor interação com a sociedade, promovendo a inclusão social, concretizando o princípio da dignidade da pessoa humana. Este estudo é fruto de um projeto de iniciação científica e objetiva evidenciar a importância da Libras na formação médica. No processo metodológico realizou-se revisão de literatura em base de dados como Scielo e Lilacs e pesquisa documental nos projetos pedagógicos dos cursos de Medicina do Estado de Alagoas, visando identificar a inserção da Libras na grade curricular. O estudo infere que um dos grandes desafios da sociedade é o respeito à diversidade humana, fato que traz consigo, a necessidade de mudanças estruturais na busca pelo exercício da cidadania, por meio da garantia de acessibilidade em todos os ambientes ao estimular a inclusão social e o respeito às diferenças. O aprendizado em Libras ainda precisa ser mais difundido e incentivado no âmbito da graduação em saúde conforme constatamos nos projetos pedagógicos analisados. Romper a barreira de comunicação possibilitará uma assistência eficaz, garantindo maior segurança e confiança do paciente frente ao seu diagnóstico e tratamento, além de promover equidade e humanização no atendimento.

Biografia do Autor

ANA MARLUSIA ALVES BOMFIM, CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES/UNIT/AL
Professora do Curso de Medicina do Centro Universitário Tiradentes/UNIT/AL

Referências

AMARAL, Sâmia Carvalho. O surgimento da libras e sua importância na comunicação e educação dos surdos. In: Revista Conedu. IV Congresso Nacional de Educação. Nov, 2017. Disponível em: https://editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV073_MD1_SA10_ID2368_16102017221540.pdf. Acesso em: 15 maio 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002. Ministério da Saúde. Brasília: Senado Federal, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 20 maio 2019.

BRASIL. Portal do MEC. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Medicina. 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Med.pdf. Acesso em: 17 maio 2019.

BRASIL. Lei 8080 de 19 de Setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso em: 18 maio 2019.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 2002. Disponível em: https://www.udesc.br/arquivos/udesc/documentos/Lei_n__10_436__de_24_de_abril_de_2002_15226896225947_7091.pdf. Acesso em: 20 maio 2019.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência -Estatuto da Pessoa com Deficiência. Brasília: Senado Federal, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm Acesso em: 21 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Brasília, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_pessoa_com_deficiencia.pdf. Acesso em: 14 maio 2019.

DUARTE, Soraya Bianca Reis et al. Aspectos históricos e socioculturais da população surda. Set, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702013000401713. Acesso em: 16 maio 2019.

GESSER, Audrei. LIBRAS: que língua é essa? São Paulo: Parábola, 2009.

LEAL, Maria Eunice dos Anjos; MOURA, Conceição de Maria Aguiar Barros. Libras na Saúde – Ensino da Língua Brasileira de Sinais para Acadêmicos e Profissionais da Saúde. In: Revista Práticas em Extensão. São Luís, v. 03, nº 01, 02-07, 2019.

LEVINO, Daniele de Azevedo et al. Libras na Graduação Médica: o Despertar para uma Nova Língua. In: Revista Brasileira de Educação Médica. Palmas. 2013.

RIOS, Izabel Cristina. Humanização: a essência da ação técnica e ética nas práticas de saúde. Revista brasileira de educação médica, v. 33, n. 2, p. 253-261, 2009.

ROCHA, C. A. dos S. et al. Formação de profissionais da saúde e acessibilidade do surdo ao atendimento em saúde: contribuições do projeto “comunica”. In: Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, v. 5, n. 1, p.112-128. Minas Gerais. 2017. Disponível em: https://www.ufmg.br/proex/revistainterfaces/index.php/IREXT/article/view/230/pdf. Acesso em: 18 maio de 2019.

SIMÕES, Ana Lúcia de Assis et al. A humanização do atendimento no contexto atual de saúde: uma reflexão. In: REME – Rev. Min. Enf.; 11(1): 81-85, jan/mar, 2007.

Publicado
2020-10-30
Como Citar
ALVES BOMFIM, A. M. (2020). MEDICINA E LIBRAS: OS DESAFIOS DE UMA FORMAÇÃO HUMANIZADA. Caderno De Graduação - Ciências Humanas E Sociais - UNIT - ALAGOAS, 6(2), 23. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitshumanas/article/view/8916
Seção
Artigos