JUSTIÇA RESTAURATIVA E VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

  • Andressa Pereira Lopes Unit Alagoas
  • Julyanne Maria Alves da Silva
  • Marciela Marcelino Ferreira
  • Valter Merencio dos Santos
Palavras-chave: Justiça Restaurativa, Violência, Mulher.

Resumo

A violência doméstica e familiar contra mulher é um fenômeno social que resulta prejuízos físicos, emocionais e morais. O presente trabalho tem como objetivo realizar uma revisão de literatura sobre a Justiça Restaurativa na violência doméstica e familiar contra a mulher. Foi realizada a partir do acesso a artigos científicos disponíveis nas bases eletrônicas de dados, Scientific Electronic Library Online (SciELO) e PePSIC - BVS, livros, teses, bem como foi utilizada a Lei 11.340/2006 mais conhecida como Lei Maria da Penha, a Constituição Federal, Manuais Técnicos de estudos de violência contra a mulher, dicionários digitais, Resoluções do Conselho Nacional de Justiça, Referências técnicas do Conselho Federal de Psicologia e revistas cientificas. No contexto da mulher em situação de violência a Justiça Restaurativa contribui para reparar os danos causados pelos conflitos e possibilita o reconhecimento dos danos sofridos. Além disso, constatou-se que alguns autores apresentam idéias convergentes e divergentes sobre o uso da Justiça Restaurativa na violência doméstica e familiar contra a mulher.

Biografia do Autor

Andressa Pereira Lopes, Unit Alagoas
Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental (USP/Uncisal) Mestre em Psicologia da Saúde (UMESP) Doutora em Psicologia Clínica (UNICAP) Docente do curso de Psicologia da Unit Alagoas

Referências

ANDRADE, C. J .M; FONSECA, R. M. G. S. Considerações sobre a violência doméstica, gênero e o trabalho das equipes de saúde da família. Vers: EscEnferm USP. 2008.

ANDRADE, C. J .M; FONSECA, R. M. G. S. Considerações sobre violência doméstica, gênero e o trabalho das equipes de saúde da família.Rev. esc. enferm. USP, São Paulo , v. 42,n. 3,p. 591-595, 2008 . Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342008000300025&lng=en&nrm=iso>. Acesso: 19 Nov. 2019.

ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS. Justiça restaurativa no Brasil: a paz pede a palavra. Escola Nacional da Magistratura, p. 32-30. 1. ed. São Paulo. 2015.

APAV – Apoio à vítima. Justiça Restaurativa - O Que É? Disponível em: . Acesso em: Nov. 2019.

ATLAS DA VIOLÊNCIA. Organizadores: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

AZEVEDO, A. G. O Componente de Mediação Vítima-Ofensor na Justiça Restaurativa: Uma Breve Apresentação de uma Inovação Epistemológica na Autocomposição Penal In: SLAKMON, Catherine; MACHADO, Maíra Rocha; BOTTINI, Pierpaolo Cruz (Org.). JUSTIÇA RESTAURATIVA: coletânea de artigos. Brasília, DF: Ministério da Justiça e PNUD, 2005.

BOONEM, P.M. A justiça restaurativa, um desafio para a educação. Tese Doutorado São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. 2011.

BRANCHER, L.; KONZEN, A.; AGUINSKY, B. Justiça Restaurativa. Brasília, CEAG, 2011. Disponível em: Acesso em: 03 Nov. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 22 de outubro de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência em planejamento familiar: manual técnico. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Resolução nº 225 de maio de 2016. Justiça restaurativa. Disponível em <http://www.cnj.jus.br/atos-normativos?documento=2289>. Acesso em 04 de setembro de 2019.

BRASIL. Resolução 2002/12 da ONU, de 24 de julho de 2002. Princípios Básicos Para Utilização de Programas de Justiça Restaurativa em Matéria Criminal. Justiça para o Século 21. [s.l.], p. 06. Disponível em: <http://justica21.org.br/j21.php?id=366&pg=0#.U3UV2IFdXxA>. Acesso em: 04 Set .2019.

BRAITHWAITE, J. The fundamentals of Restorative Justice, in: Dinnen, S (Ed) et. al. A Kind Of Mending: Restorative Justice in the Pacific Islands. Camberra: Pandanus Books, 2003, pp. 35-43.

CARVALHO, L. Justiça Restaurativa: o que é e como funciona. Conselho Nacional de Justiça. 2014. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/justica-restaurativa-o-que-e-e-como-funciona/. Acesso em abr. 2019

CAVALCANTI, S. V. S. F.. Violência Doméstica: análise da Lei “Maria da Penha”, nº 11.340/06. Salvador, BA: Edições PODIVM, 2007.

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2015.

CRISÓSTOMO, L. Justiça Restaurativa e Varas de Violência Doméstica e Familiar. OABRJ, Rio de Janeiro Mar./2018. Disponível em: http://revistaeletronica.oabrj.org.br/wp-content/uploads/2018/03/Justica-Restaurativa-e-Varas-de-Violencia-Domestica-e-Familiar.pdf. Acesso em: 1 out. 2019.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências técnicas para atuação de psicólogas (os) em programas de atenção à mulher em situação de violência. Brasília. CFP. 2012.

CUNHA ,R. S.Violência domestica.Lei Maria da penha (lei 11.340/2006) São Paulo: revista dos tribunais, 2007.

CUNHA, B. M.Violência contra a mulher, direito e patriarcado: perspectivas de combate à violência de gênero. XVI jornada de iniciação cientifica da UFPR, 2014. Disponível em: http://www.direito.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2014/12/Artigo-B%C3%A1rbara-Cunha-classificado-em-7%C2%BA-lugar.pdf . Acessado: 01 Out. de 2019.

DIAS, M. B. A impunidade dos delitos domésticos. Palestra proferida no IX Congresso Nacional da Associação Brasileira das Mulheres de Carreira Jurídica. Alagoas. Discursos: Maria Berenisse Dias. Disponível em: www.mariaberenice.com.br. Acesso em: 20 Set. 2019.

ESTIARTE, Carolina Villacampa. La Justicia Restaurativa en los Supuestos de Violencia Doméstica (y de Género). In: SUMALLA, Josep Tamarit (Org.). La justicia restaurativa: desarrollo y aplicaciones. Comares: Granada, 2012.

FABENI, L. S. programa de extensão. PROEXT/ MEC. 2014

FERRARI, D. C. A.VECINA, T. C. C. O fim do silêncio na violência familiar – teoria e prática. Ágora. São Paulo, 2002.

GARCIA, M. V., RIBEIRO, L. A., JORGE, M. T., PEREIRA, G. R., & RESENDE, A. P. Caracterização dos casos de violência contra a mulher atendidos em três serviços na cidade de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 24 (11), 2551-2563, 2008.

GAARDER, E. Lessons from a restorative circles initiative for intimate partner violence. Restorative Justice, v. 3, n. 3, p. 342-367, 2015.

GREGORI, M.F. Cenas e queixas: um estudo sobre mulheres, relações violentas e a prática feminista. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra-ANPOCS, 1993.

GOLART, E. A. S. MAIER, P. J. Justiça restaurativa e violência contra a mulher: uma nova perspectiva de solução eficaz. XII mostra nacional de trabalhos científicos da UNISC. Rio Grande do Sul, Ed. 2016, p. 1-17. Disponível em: https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/snpp/article/view/14687/3111. Acesso em: 29 out. 2019.

GROSSI, K. Violência contra a mulher: implicações para os profissionais de saúde. In:LOPES, M. J. M.;MEYER, D. E.; WALDOW, V. R. (Orgs.) Gênero e Saúde. Artes Médicas. Porto Alegre, 1996.

HIRIGOYEN, M. F. A violência no casal: da coação psicológica á agressão física. Trad. Maria Helena Kuhner. Rio de Janeiro.Bertrand, Brasil, 2006.

LEI N. 11.340 DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre a Lei Maria da Penha. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso: outubro de 2019.

LIBÓRIO, B. A violência contra a mulher no brasil em cinco gráficos. Revista ÉPOCA. Disponível em: https://epoca.globo.com/a-violencia-contra-mulher-no-brasil-em-cinco-graficos-23506457. Acesso em: 10 out. 2019.

MARQUES, F. M. Violência doméstica e Justiça Restaurativa. APAV – Associação de proteção às vítimas. Lisboa, 2008.

MONTEIRO, F. S. O papel do psicólogo no atendimento às vítimas e autores de violência doméstica. (monografia). Centro Universitário de Brasília - UniCEUB - Faculdade de Ciências da Educação e Saúde - FACES - Curso de Psicologia. Brasília. 2012.

NUNES, A.C.O. Como restaurar a paz nas escolas: um guia para educadores. MPSP. São Paulo: Contexto. 2018.

NUPEMEC. Justiça restaurativa: Tribunal de justiça do Paraná. Manual de Justiça Restaurativa. 2014.

OLIVEIRA, S; SANTANA, S;CARDOSO,N. V. Da justiça retributiva à justiça restaurativa: caminhos e descaminhos.Argumenta Journal Law, Jacarezinho – PR, Brasil, n. 28. 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial de Violência e Saúde. Genebra: OMS, 2002.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Declaração sobre a eliminação da violência contra as mulheres. Resolução n° 48/104, 20 de dezembro de 1993 [sob proposta da Terceira Comissão (A/48/629)], 85ª sessão plenária. Nova York: ONU, 1993.

PALLAMOLLA, R. P. Justiça restaurativa: da teoria a pratica. 1 ed. São Paulo: IBCCrim, 2009.

PASINATO, W. “Femicídios” e as mortes de mulheres no Brasil. Campinas: Cadernos Pagu, n. 37, p. 219-246. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332011000200008. Acesso em: 2 Set. de 2019.

PASINATO, W. Contribuições para o debate sobre violência, gênero e impunidade no Brasil. São Paulo: Revista da Fundação Seade: perspectiva, v 21 n.2, p.5-14,2007.

PEQUENO, M. J. P. Direitos Humanos e Violência. Acesso em 22 de outubro, 2019, em http: //www.colegiointegral.com. br/EM/AULAS/2ano/SOC-violencia.ppt. 2007.

PRANIS, K. Processos circulares. São Paulo: Palas Athena, 2010.

______. Processos circulares. São Paulo: Palas Athena, 2010.

ROCHA, L. F. A violência contra a mulher e a Lei “Maria da Penha”: alguns apontamentos. Revista de Psicologia da UNESP. São Paulo, 2009.

SANTANA, S. P; SANTOS, C. A. M. A justiça restaurativa como política pública alternativa ao encarceramento em massa. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 8, n. 1, p. 227-242. https://doi.org/10.5102/rbpp.v8i1.5059. 2018.

SANTOS, C. C. A Justiça Restaurativa: um modelo de reação ao crime diferente da justiça penal: porquê, para quê e como? Editora Coimbra, 2014.

SENADO FEDERAL. Panorama da violência contra as mulheres no Brasil. Recurso eletrônico: indicadores nacionais e estaduais. Ed I. Observatório da mulher, Brasilia. 2017.

SLAKMON, C. DE VITTO, R.C.P. PINTO, R.S.G. org., 2005. Justiça Restaurativa (Brasília – DF: Ministério da Justiça e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD). 2005

SOUZA, P. V. Violência doméstica e familiar contra a mulher – A lei Maria da Penha: uma análise jurídica. Geledes: instituto da mulher da negra. 2014. Disponível em: https://www.geledes.org.br/violencia-domestica-e-familiar-contra-mulher-lei-maria-da-penha-uma-analise-Juridica/?gclid=Cj0KCQjw_5rtBRDxARIsAJfxvYBGWJCfl3lX_eVdlcMO2YofVIqBAauQ9gnkUQ58rqTRaY95iwolizsaApPfEALw_wcB. Acesso em: 3 out. 2019.

SCHREIBER, H. I. B. Violência de gênero no Brasil Atual. In: Periódico CBFQ – Estudos Feministas. 2005 .Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br- /index.php/ref/article/viewFile/16177/14728>. Acesso em: 03 de Out. 2019.

STRANG, H; SHERMAN, L. The morality of evidence: the second annual lecture for Restorative Justice: An International Journal. Restorative Justice, v. 3, 2015.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL. Cria Núcleo de Estudos Para Expansão da Justiça Restaurativa. Institucional TJDF. 2015. Disponível em: http://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/noticias/2015/dezembro/tjdft-cria-nucleo-de-estudos-para-expansao-da-justica-restaurativa. Acesso em abril. 2019.

PEMBERTON, A.; VANFRAECHEM, I. Victims’ victimization experiences and their need for justice. In: VANFRAECHEM, I.; BOLÍVAR, D.; AERTSEN, I. (Orgs.). Victims and Restorative Justice. Abingdon: Routledge, 2015.

VASCONCELLOS, J. O Século XXI Marca a Era dos Direitos e do Poder Judiciário, afirma Ricardo Lewandowski. Conselho Nacional de Justiça. Disponível em: http://www. https://www.cnj.jus.br/o-seculo-xxi-marca-a-era-dos-direitos-e-do-poder-judiciario-afirma-ricardo-lewandowski/. Acesso em abr. 2016staurativa. 2011. Disponível em: Acesso em setembro. 2019.

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER: Pesquisa Data Senado. Instituto de pesquisa data senado: Secretaria da transparência, 2017-2017. 2018-2019. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/arquivos/aumenta-numero-de-mulheres-que-declaram-ter-sofrido-violencia. Acesso em: 11 set. 2019.

WAISELFISZ J. J. Mapa da violência de 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Flascoinst.sangari. 1ª Edição Brasília – DF – 2015. Disponível em: www.mapadaviolencia.org.br. Acesso em: 4 de Ago. 2019.

ZEHR, H. Justiça Restaurativa. Tradução de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2012

ZEHR, H. Trocando as Lentes: novo foco sobre o crime e a justiça. São Paulo; Palas Athenas, 2010, p. 194.

________. Trocando as Lentes: novo foco sobre o crime e a justiça. São Paulo; Palas Athenas, 2010.

Publicado
2020-10-30
Como Citar
Lopes, A. P., da Silva, J. M. A., Ferreira, M. M., & dos Santos, V. M. (2020). JUSTIÇA RESTAURATIVA E VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER. Caderno De Graduação - Ciências Humanas E Sociais - UNIT - ALAGOAS, 6(2), 95. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitshumanas/article/view/8764
Seção
Artigos