ENGENHOS DE AÇÚCAR E TECNOLOGIAS DIGITAIS: UTILIZAÇÃO DO HBIM PARA DOCUMENTAÇÃO, REGISTRO, E DIVULGAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO

  • Fabio Henrique Sales Nogueira
  • Tarcicleide dos Santos Silva
Palavras-chave: Patrimônio, HBIM, Engenhos de açúcar

Resumo

Na contemporaneidade a preocupação com o patrimônio arquitetônico nacional tem se tornado cada vez mais uma pauta ativa. As discussões sobre ações e planos de preservação dos bens históricos, protagonizam os diálogos de gestão política e da produção científica, visto que uma grande parcela social avança com novas perspectivas de futuro. O estado de Alagoas é dotado de um expressivo conjunto de bens edificados e imateriais ligados à história da colonização Brasileira e economia açucareira. Neste contexto se destacam os engenhos de açúcar. No século XVII, os engenhos estavam em plena prosperidade e durante longos anos, foram reflexos do intenso desenvolvimento econômico português. Entretanto, a partir do século XIX, perdem espaços para as “modernas” usinas e consequentemente, sua importância, restando assim poucos exemplares que conseguiram alcançar o século XXI. A ausência de documentação e registros destes complexos dificulta os procedimentos de se manter vivas suas identidades. Nesse contexto este artigo buscou ampliar as possibilidade de registro e documentação do patrimônio arquitetônico ao aplicar o conceito de HBIM (Modelagem da informação da construção histórica) em uma edificação de um engenho de açúcar no estado de Alagoas. Como resultado, a pesquisa constatou o potencial desta abordagem não somente objetivando a documentação material, como também sendo possível amplificar seu alcance através dos caminhos digitais.

Referências

ANDRADE, M. J. F. S. et al. Documentando materiais e técnicas construtivas utilizando o BIM: um sobrado em Fortaleza na primeira metade do Sec. XX. In: Anais do 5º Seminário Ibero-americano Arquitetura e Documentação. Anais...Belo Horizonte(MG) UFMG, 2018. Disponível em: <https://www.even3.com.br/anais/arqdoc/71680-documentando-materiais-e-tecnicas-construtivas-utilizando-o-bim--um-sobrado-em-fortaleza-na-primeira-metade-do-sec/>. Acesso em: 20/07/2019 15:00

DIÉGUES JUNIOR, Manuel. O Banguê das Alagoas. Maceió: Edufal, 1980.

GROETELAARS, Natalie Johanna. Criação de modelos BIM a partir de “nuvem de pontos”: Estudos de métodos e técnicas para documentação arquitetônica. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – UFBA. Salvador. 372 p. 2015.

PARAIZO, Rodrigo Cury. Patrimônio Digital. In BRAIDA, Frederico et al. 101 Conceitos sobre Arquitetura e Urbanismo na era digital. São Paulo: Pro books, 2016.

FONSECA, Aristides Perobelli. BIM (Building Information Modeling). In BRAIDA, Frederico et al. 101 Conceitos sobre Arquitetura e Urbanismo na era digital. São Paulo: Pro books, 2016.

PEIXOTO, Gabriella Vasconcelos. Expressão arquitetônica e Estratégias Bioclimáticas: a infuência do clima na configuração da casa e na construção do repertório arquitetônico em Pilar-AL. 2009. 278f. Dissertação (Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2009.

Publicado
2020-10-30
Como Citar
Sales Nogueira, F. H., & Silva, T. dos S. (2020). ENGENHOS DE AÇÚCAR E TECNOLOGIAS DIGITAIS: UTILIZAÇÃO DO HBIM PARA DOCUMENTAÇÃO, REGISTRO, E DIVULGAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO. Caderno De Graduação - Ciências Humanas E Sociais - UNIT - ALAGOAS, 6(2), 186. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitshumanas/article/view/8531
Seção
Artigos