PATRIMÔNIO HISTÓRICO E RESTAURAÇÃO

  • Mônica Peixoto Vianna Centro Universitário Tiradentes (UNIT-AL)
  • Maria Clara Cavalcante Vieira da Guia Centro Universitário Tiradentes (UNIT-AL)
Palavras-chave: Patrimônio histórico. Preservação. Restauração.

Resumo

O sentimento de preservação de sítios históricos floresceu em meados do século XVIII em decorrência da destruição em massa de edifícios célebres durante as Revoluções Francesa e Industrial. Por conseguinte, as noções ligadas ao restauro foram se definindo e esse movimento se acentuou com grandes transformações que ocorreram na Europa no mesmo século. O presente artigo tem como objetivo estudar o valor do patrimônio histórico edificado e a necessidade de sua preservação a partir da análise acerca dos principais tópicos dentro do tema, evidenciando os fatos históricos imprescindíveis para a sua fundamentação. Está explicitado o valor – ainda que imensurável – da riqueza cultural que o patrimônio histórico possui e os quão importantes e necessários são os processos de restauração e revitalização desses locais. É de grande valor o estudo do patrimônio histórico, uma vez que toda a origem e história da humanidade podem ser vislumbradas não só através de livros e documentos, mas a partir da contemplação de estruturas arcaicas consagradas.

Biografia do Autor

Mônica Peixoto Vianna, Centro Universitário Tiradentes (UNIT-AL)
Professora Titular do curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Tiradentes (UNIT-AL).
Maria Clara Cavalcante Vieira da Guia, Centro Universitário Tiradentes (UNIT-AL)
Graduanda do 4o período do curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Tiradentes (UNIT-AL).

Referências

A RESTAURAÇÃO É UMA ARTE E UMA TÉCNICA. 2014. CAU/BR. Disponível em: <http://www.caubr.gov.br/a-restauracao-e-uma-arte-e-uma-tecnica/>. Acesso em: 16 mar. 2019.

ARDAGH, John; JONES, Colin. Grandes Civilizações do Passado: França. Barcelona: Folio, 2007.

BRANDI, Cesare. Teoria da restauração. 4. ed. São Paulo: Artes&Ofício, 2013.

COLE, Emily. História Ilustrada da Arquitetura. São Paulo: Publifolha, 2014.

CUNHA, Claudia. Teoria e método no campo da restauração. Pós: Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, vol. 19, p.98-115.

FARAH, Ana Paula. Restauro Arquitetônico: o cerne e a formação. Oculum ens. Campinas, jul-dez. 2013.

GLANCEY, Jonathan. A História da Arquitetura. Londres: Dorling Kindersley Ltd., 2000.

MONTEIRO, Flávia. John Ruskin: Teorias da preservação e suas influências na preservação do patrimônio brasileiro no início do século XX. Periódicos CAPES. Porto Alegre, 2012.

NAHAS, Patrícia. O novo e o velho: a experiência do escritório Brasil Arquitetura nos programas de intervenção em edifícios e sítios históricos. Revista de Arquitectura, vol. 12, p. 58-67. Colômbia, dez. 2010.

PORTAIRA N. 375. IPHAN. 2018. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/PORTARIA%20375%20%202018%20-SEI_IPHAN%20-%200732090.pdf>. Acesso em: 22 mar. 2019.

RUSKIN, John. As setes lâmpadas da arquitetura, 1889. Disponível em: <https://archive.org/details/lampsofarchseven00ruskrich/page/212?utm_medium=website&utm_source=archdaily.com.br>. Acesso em: 22 mar. 2019.

VIOLLET-LE-DUC, Eugène Emmanuel. Restauração (adapt.). 4. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006.

Publicado
2020-04-30
Como Citar
Vianna, M. P., & da Guia, M. C. C. V. (2020). PATRIMÔNIO HISTÓRICO E RESTAURAÇÃO. Caderno De Graduação - Ciências Humanas E Sociais - UNIT - ALAGOAS, 6(1), 111. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitshumanas/article/view/7715
Seção
Artigos