AS CONSEQUÊNCIAS E MOTIVAÇÕES DO USO, SEM PRESCRIÇÃO MÉDICA, DE DERIVADOS DE METILFENIDATO, POR ESTUDANTES DE MEDICINA

Autores

  • Bárbara Andrade Alapenha de Miranda
  • Gabriella Carvalho Santos
  • Jaim Simões de Oliveira
  • André Fernando de Oliveira André

Palavras-chave:

Metilfenidato, estudantes de medicina, uso indevido de medicamentos controlados e drogas psicotrópicas

Resumo

O uso de medicamentos estimulantes, como Metilfenidato são abusados entre os estudantes acadêmicos para elevar o humor, melhorar os estudos, a memória e a concentração e aumentar seu tempo de rendimento. Sendo assim, os estudantes de medicina estão potencialmente sob maior risco de usar estes medicamentos estimulantes, sem prescrição médica, por conseguirem acesso a estas substâncias facilmente, sendo este uso relacionado às suas condições acadêmicas. Este artigo é uma revisão bibliográfica integrativa e objetiva analisar quais são as consequências do uso destas substâncias psicoativas, sem prescrição médica, por estudantes de medicina, e explicitar motivações para o uso. As buscas foram realizadas, até abril de 2020, em duas bases de dados: PubMed e BVS, nos idiomas inglês e português, usando os seguintes descritores: “prescription drug misuse”, “medical students”, “methylphenidate” e “psychotropic drugs”, os mesmos descritores foram utilizados em português. Desta maneira, é possível concluir que a carga pesada de conteúdos e trabalhos, além da pressão exercida nos estudantes de medicina, motiva o uso de medicamentos que melhoram a concentração, como Ritalina, Adderall e Concerta, sem prescrição médica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CÂNDIDO, R. et al. Prevalência e fatores associados ao uso de metilfenidato para neuroaprimoramento farmacológico entre estudantes universitários. Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, v.18, p.1-7, 2019. Disponível em: https://journal.einstein.br/pt-br/article/prevalencia-e-fatores-associados-ao-uso-de-metilfenidato-para-neuroaprimoramento-farmacologico-entre-estudantes-universitarios/. Acesso em: 19 maio, 2020.

COHEN, Y. et al. Methylphenidate use among medical students at Ben-Gurion University of the Negev. Journal of Neurosciences in Rural Practice, v.6, n.3. p. 320-325, 2015. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26167012/. Acesso em: 17 abr. 2020

DE BRUYN, S. et al. Popping smart pills in medical school: Are competition and stress associated with the misuse of prescription stimulants among students?. Journal Substance Use and Misuse, v.54, n.7. p. 1191-1202, 2019. Acesso em: 17 abr. 2020

FALLAH, G. et al. Stimulant use in medical students and residents requires more careful attention. Caspian Journal of Internal Medicine, v.9, n.1. p.87-91, 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29387325. Acesso em: 14 mar. 2020

FOND, G. et al. (Mis)use of Prescribed Stimulants in the Medical Student Community: Motives and Behaviors. Journal Medicine, v.95, n.16, 2016. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27100420/. Acesso em: 17 abr. 2020

HAAS, G. et al. Sociodemographic, psychiatric, and personality correlates of non-prescribed use of amphetamine medications for academic performance among medical students. Brazilian Journal of Psychiatry, v.41, n. 4. p. 364-365, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1516-4446-2019-0420. Acesso em: 17 abr. 2020

JAIN, R. et al. Non-medical use of methylphenidate among medical students of the University of the Free State. South African Journal of Psychiatry, v.23, n.1006, 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30263181/. Acesso em: 17 abr. 2020

KOWALCZUK, K., KRAJEWSKA-KULAK, E. Exposure to Psychoactive Compounds amongst Students of Medical University. Central European Journal of Public Health, v.25, n.3. p. 171-176, 2017. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/mdl-29022678. Acesso em: 23 abr. 2020

LIMA, ELOISA HELENA. Educação em Saúde e Uso de Drogas: Um Estudo Acerca da Representação das Drogas para Jovens em Cumprimento de Medidas Educativas. Rede de Bibliotecas da FIOCRUZ, v.22, p. 226-246, 2013. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/7244/1/Tese%20completa%20revisada%2024%20out%202013%20-%20Eloisa%20Lima.pdf. Acesso em: 12 mar. 2020.

MORAES, L. et al. Automedicação em acadêmicos de Medicina. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, v.16, n.3. p.167-170, 2018. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2020/01/1047947/167-170.pdf. Acesso em 23 abr. 2020

MORGAN, HL. The Consumption of Brain Stimulants by Medical Students at a University in Southern Brazil: Prevalence, Motivation, and Perceived Effects. Revista Brasileira de Educação Médica, v.1, n.1. p.102-109, 2017. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022017000100102&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 12 mar. 2020

NAWAZ, H., ALAM KHAN, A., BUKHARI, S. Use of Psychoactive Drugs Among Medical Undergraduates in Abbottabad. Journal Ayub Med Coll Abbottabad, v.29, n.4. p. 599-603, 2017. Acesso em: 17 abr. 2020

PAPAZIS, G. et al. Nonmedical Use of Prescription Medications Among Medical Students in Greece: Prevalence of and Motivation for Use. Journal Substance and Misuse, v.53, n.1. p. 77-85, 2017. Acesso em: 17 abr. 2020

WHO (WORLD HEALTH ORGANIZATION). Drugs (psychoactive), 2020 – Disponível em: https://www.who.int/health-topics/drugs-psychoactive#tab=tab_2. Acesso em: 06 abr. 2020

Downloads

Publicado

2021-11-09

Como Citar

de Miranda, B. A. A., Santos, G. C., de Oliveira, J. S., & André, A. F. de O. (2021). AS CONSEQUÊNCIAS E MOTIVAÇÕES DO USO, SEM PRESCRIÇÃO MÉDICA, DE DERIVADOS DE METILFENIDATO, POR ESTUDANTES DE MEDICINA. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - ALAGOAS, 7(1), 137. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/9016

Edição

Seção

Artigos