INCLUSÃO DO PACIENTE SURDO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE NO ÂMBITO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA E SUAS INTERFACES COM O CUIDADO DE ENFERMAGEM

  • Willyane Rodrigues dos Santos centro Universitário Tiradentes
  • Analisson Gabriel Almeida Neves
  • Layde Karollyne Lourenço Floriano
  • Cristine Maria Pereira Gusmão
  • Magda Matos de Oliveira

Resumo

A saúde é um direito de todos e dever do Estado, porém a inquietação com os grupos em vulnerabilidade somente ganhou destaque no final do século passado, dadas as barreiras de acesso impostas as pessoas com deficiência aos serviços de saúde, em especial à comunidade surda. Apesar dos avanços históricos, prevalecem os desafios enfrentados por profissionais da saúde na assistência aos surdos. Nesse sentido, esse estudo analisa a literatura publicada sobre a inclusão do paciente surdo nos serviços de saúde no âmbito da Atenção Primária à Saúde e suas interfaces com o cuidado de enfermagem. Trata-se de uma Revisão Integrativa, desenvolvido em 6 etapas. A busca dos estudos foi realizada em abril de 2019 nas bases Medline, Lilacs, BDENF e no buscador Google Scholar, por meio dos descritores “Pessoas com Deficiência Auditiva” AND “Atenção Primária à Saúde” AND “Enfermagem”. Esses estudos foram publicados entre 2009 e 2018 e ratificam as dificuldades de inclusão da pessoa surda nos serviços de saúde na Atenção Primária à Saúde e fornece evidências para o enfrentamento da problemática

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Willyane Rodrigues dos Santos, centro Universitário Tiradentes
A saúde é um direito de todos e dever do Estado, porém a inquietação com os grupos em vulnerabilidade somente ganhou destaque no final do século passado, dadas as barreiras de acesso impostas as pessoas com deficiência aos serviços de saúde, em especial à comunidade surda. Apesar dos avanços históricos, prevalecem os desafios enfrentados por profissionais da saúde na assistência aos surdos. Nesse sentido, esse estudo analisa a literatura publicada sobre a inclusão do paciente surdo nos serviços de saúde no âmbito da Atenção Primária à Saúde e suas interfaces com o cuidado de enfermagem. Trata-se de uma Revisão Integrativa, desenvolvido em 6 etapas. A busca dos estudos foi realizada em abril de 2019 nas bases Medline, Lilacs, BDENF e no buscador Google Scholar, por meio dos descritores “Pessoas com Deficiência Auditiva” AND “Atenção Primária à Saúde” AND “Enfermagem”. Esses estudos foram publicados entre 2009 e 2018 e ratificam as dificuldades de inclusão da pessoa surda nos serviços de saúde na Atenção Primária à Saúde e fornece evidências para o enfrentamento da problemática.
Analisson Gabriel Almeida Neves
Acadêmico do curso de Enfermagem pelo Centro Universitário Tiradentes – UNIT/AL
Layde Karollyne Lourenço Floriano
Acadêmica do curso de Enfermagem pelo Centro Universitário Tiradentes – UNIT/AL
Cristine Maria Pereira Gusmão
Professora do curso de Enfermagem pelo Centro Universitário Tiradentes – UNIT/AL
Magda Matos de Oliveira
Professora do curso de Enfermagem pelo Centro Universitário Tiradentes – UNIT/AL

Referências

ABREU, J.C.; FREITAS, J.M.R.; ROCHA, L.L.V. A percepção dos surdos em relação ao sistema de comunicação das Unidades de Atenção Primária á Saúde – UAPS. BJSCR, Sarandi, 2015. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20141130_223912.pdf. Acesso em 20 de abr. 2019.

ARAGÃO, J.S. et al. Um estudo da validade de conteúdo de sinais, sintomas e doenças/agravos em saúde expressos em LIBRAS. Rev. Latino-Am. Enfermagem., Rio de Janeiro, nov.-dez. 2015;23(6):1014-23. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n6/pt_0104-1169-rlae-23-06-01014.pdf. Acesso em 20 de abr. 2019.

BORGES, J.W.P. et al. Adult nursing-patient relationship: integrative review oriented by the king interpersonal system. REUOL, Recife, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/15249. Acesso em 20 de abr. 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm. Acesso em 20 de abr. 2019.

BRASIL. Lei 8.080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm. Acesso em 20 de abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Diário Oficial da União, Brasília, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em 20 de abr. 2019.

BRASIL. Portaria nº 793, de 24 de abril de 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0793_24_04_2012.html. Acesso em 20 de abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providencias. Diário Oficial da União, Brasília, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em 30 de mai. 2019.

BRUM, C.N. Educação preventiva com deficientes auditivos: desafio para profissionais da saúde e educação. Rev. Enferm. e Atenção à Saúde, Belo Horizontem 2013. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/download/470/411. Acesso em 20 de abr. 2019.

CAIANA, T.L.; NOGUEIRA, D.L.; LIMA, A.C.D. A realidade virtual e seu uso como recurso terapêutico ocupacional: revisão integrativa. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 24, n. 3, p. 575-589, 2016. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/1218/752. Acesso em 19 mar. 2019.

COFEN. Resolução COFEN Nº 564/2017. Aprova o novo Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Diário Oficial da União, Brasília, 2017. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-5642017_59145.html. Acesso em 20 de abr. 2019.

CÔRREA, C.S. et al. O despertar do enfermeiro em relação ao paciente portador de deficiência auditiva. Rev. pesqui. cuid. fundam. (Online), Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/490/pdf_14. Acesso em 20 de abr. 2019.

ERCOLE, F.F.; MELO, L.S.; ALCOFORADO, C.L.G.C. Integrative Review versus Systematic Review. Rev. Min. Enferm., Belo Horizonte, v. 18, n. 1, 2014. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/904. Acesso em: 03 mar. 2019.

FRANÇA, E.G. et al. Dificuldades de profissionais na atenção à saúde da pessoa com surdez severa. Cienc. enferm., Concepcion, 2016. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/pdf/cienf/v22n3/0717-9553-cienf-22-03-00107.pdf. Acesso em 20 de abr. 2019.

GOMES, V. et al. Vivência do enfermeiro ao cuidar surdos e/ou Portadores de deficiência auditiva. Enferm. Glob., Murcia, 2009. Disponível em: https://revistas.um.es/eglobal. Acesso em 20 de abr. 2019.

IANNI, A.; PEREIRA, P.C.A. Acesso da comunidade surda à rede básica de saúde. Rev. Saúd. Soc., São Paulo, 2009. Disponível em: www.revistas.usp.br/sausoc/article/viewFile/29582/31449. Acesso em 20 de abr. 2019.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br. Acesso em 20 de abr. 2019.

LEAL-DAVID, H.M.S. et al. Análise de redes sociais na atenção primária em saúde: revisão integrativa. Acta, São Paulo, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v31n1/0103-2100-ape-31-01-0108.pdf. Acesso em 21 mar. 2018.

LÉLIS, A.L.P.A.; PAGLIUCA, L.M.F.; CARDOSO, M.V.L.M.L. Phases of humanistic theory: analysis of applicability in research. Texto contexto-enferm, Rio de Janeiro, n. 23, v. 4, p. 1113-22, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072014000401113. Acesso em: 03 mar. 2019.

MENDES, K.D.S.; SILVEIRA, R.C.C.P.; GALVÃO, C.M. Integrative literature review: a research method to incorporate evidence in health care and nursing. Texto contexto-enferm., Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 758-64, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072008000400018. Acesso em: 03 mar. 2019.

NÓBREGA, J.D.; MUNGUBA, J.C.; PONTES, R.J.S. atenção à saúde e surdez: desafios para implantação da rede de cuidados à pessoa com deficiência. Rev. Bras. Promoç. Saúde, Fortaleza, 30(3): 1-10, jul./set., 2017. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6176/pdf. Acesso em 20 de abr. 2019.

NOGUEIRA, C.; SANTOS, S.A.S.; CAVAGNA, V.M. et al. Sistema de informação da atenção básica: revisão integrativa de literatura. Rev. pesqui. cuid. fundam, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 27-37, 2014. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/1599/pdf_1027. Acesso em: 03 mar. 2019.

POMPEO, D.A.; ROSSI, L.A.; GALVÃO, C..M. Revisão integrativa: etapa inicial do processo de validação de diagnóstico de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 434-438, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0103-21002009000400014&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 03 mar. 2019.

RODRIGUES, S.C.M.; DAMIÃO, G.C. Ambiente virtual: auxílio ao atendimento de enfermagem para surdos com base no protocolo de atenção básica. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n4/pt_0080-6234-reeusp-48-04-731.pdf. Acesso em 20 de abr. 2019.

SILVA, R.N.A. et al. Assistência ao surdo na atenção primária: concepções de profissionais. JMPHC, São Paulo, 2015. Disponível em: www.jmphc.com.br/jmphc/article/download/266/Assistencia%20ao%20surdo/. Acesso em 20 de abr. 2019.

SOARES, C.B.; HOGA, L.A.K.; PEDUZZI, M. et al. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 48, n. 4, p. 329-339, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n2/pt_0080-6234-reeusp-48-02-335.pdf. Acesso em: 03 mar. 2019.

SOUZA, M.T.; PORROZZI, R. Ensino de libras para os profissionais de saúde: uma necessidade premente. Rev. Práxis, Vitória da Conquista, 2009;1(2):43-6. Disponível em: http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/1119. Acesso em 20 de abr. 2019.

SOUZA, M.T.; SILVA, M.D.; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/eins/v8n1/pt_1679-4508-eins-8-1-0102.pdf. Acesso em: 03 mar. 2019.

TEDESCO, J.R.; JUNGES, J.R. Desafios da prática do acolhimento de surdos na atenção primária. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2013000800021&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20 de abr. 2019.

TRECOSI, M.O.; ORTIGARA, E.P.F. importância e eficácia das consultas de enfermagem ao paciente surdo. Rev. Enferm., Frederico Westphalen, 2013. Disponível em: http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistadeenfermagem/article/view/938. Acesso em 20 de abr. 2019.

Publicado
2020-11-08
Como Citar
dos Santos, W. R., Gabriel Almeida Neves, A., Karollyne Lourenço Floriano, L., Maria Pereira Gusmão, C., & Matos de Oliveira, M. (2020). INCLUSÃO DO PACIENTE SURDO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE NO ÂMBITO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA E SUAS INTERFACES COM O CUIDADO DE ENFERMAGEM. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - ALAGOAS, 6(2), 73. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/7412
Seção
Artigos