INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO DA DIÁSTASE ABDOMINAL PÓS-PARTO: UMA REVISÃO DE LITERATURA

  • Vitória Regina Lima de Souza Centro Universitário Tiradentes - UNIT
  • Gleiciane Zeferino Feitosa Centro Universitário Tiradentes - UNIT
  • Vaneska da Graça Cruz Martinelli Lourenze Centro Universitário Tiradentes - UNIT
Palavras-chave: Fisioterapia. Diástase. Tratamento. Período pós-parto.

Resumo

Introdução: A diástase do músculo reto abdominal (DMRA) consiste no afastamento da musculatura abdominal que ocorre durante a gestação e persiste no período puerperal. Trata-se de uma condição que pode gerar desconforto e dores lombares. Assim, torna-se importante a atuação do fisioterapeuta na prevenção e no tratamento dessa condição. Objetivo: Identificar quais as intervenções fisioterapêuticas utilizadas mais comumente no tratamento da diástase do músculo reto abdominal no período pós-parto. Metodologia: Foi realizada uma revisão de literatura com o tema proposto no período de abril a maio de 2017, onde foram analisados estudos publicados entre os anos de 2000 a 2016, nas bases de dados PUBMED, MEDLINE, LILACS, Scielo e PEDro. Foram excluídos estudos que não especificavam o tipo de intervenção fisioterapêutica utilizada e que não permitiram o acesso ao texto completo e incluídos os artigos do tipo ensaio clínico, em língua inglesa e portuguesa. Resultados: Foram encontrados 20 artigos, dos quais 07 apresentavam características para serem incluídos no trabalho. Entre os artigos incluídos, 05 estudos utilizavam a cinesioterapia por meio de exercícios de educação respiratória diafragmática, contração dos músculos abdominais, estimulação dos músculos pélvicos e movimentos de flexão anterior do tronco, abdução de ombros e flexão de cotovelos. A eletroestimulação e a ginástica abdominal hipopressiva também mostraram resultados favoráveis no tratamento da DMRA. Conclusão: A intervenção fisioterapêutica mais utilizada é a cinesioterapia na forma de exercícios de reeducação respiratória e estimulação a contração dos músculos abdominais. Além dela, a eletroestimulação e a ginástica hipopressiva também atuaram de forma eficaz na redução da diástase.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAGÃO, A.S.L.; JESUS, C.S.; SPINOLA, F.D. Prevalência da diástase dos músculos retos abdominais em gestantes em um hospital geral público do interior da Bahia. Revista Digital, v.129, n.11, fev, 2009.

BARACHO, E. Fisioterapia aplicada à obstetrícia, uroginecologia e aspectos de mastologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2007.

BEZERRA, M.A.B; NUNES, P.C.; LEMOS, A. Força muscular respiratória: comparação entre nuligestas e primigestas. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.18, n.3, p.235-40, jul/set. 2011.

BOTH, A.C.C.L.; REIS-NETO, M.M.; MOREIRA, R.S.C. Estudo comparativo da diástase do reto abdominal em puérperas praticantes de atividade física e sedentárias. 54f. Monografia (Especialização) – Universidade da Amazônia, 2008.

BORGES, F.S.; VALENTIN, E.C. Tratamento da flacidez e diástase reto abdominal no puerpério de parto normal com o uso de eletroestimulação muscular com corrente de média frequência – estudo de caso. Revista Brasileira de Fisioterapia Dermato-Funcional, v.1, n.1, 1-8, 2001.

CÂMARA, C.S.; SILVA, D.S.G.; BRITO, R.C.S. Análise da relação entre atividade física e diástase abdominal em puéperas. EF Deportes, v.16, n.157, p.1-3, 2011.

CHIARELLO, C.M.; FALZONE, L.A.; MCCASLIM, K.E.; PATEL, M.N.; ULERY, K.R. The effects of an exercise program on Diastasis Recti Abdominis in Pregnant Women. Journal of Women’s Health Physical therapy, v.29, n.1, p.11-16, 2005.

DIAS, T.M.C.; BARBALHO, T.C.S.; MOURA, A.C.A.; SOUZA, R.J.S.; SOUSA, V.P.S.; VIANA, E.S.R. Recuperação da diástase de reto abdominal no período puerperal imediato co m e sem intervenção fisioterapêutica. Fisioterapia Brasil, v.13, n.6,p.39-44, 2012.

DUARTE, G.; OLIVEIRA, R.C.; BATISTA, R.L.A.; DIAS, L.A.R.; FERREIRA, C.H.J. Prescrição de exercício para gestantes com diabetes melito gestacional: revisão de literatura. Revista Fisioterapia e Pesquisa, v.14, n.3, p.76-81, 2007.

FRANCHI, E.F.; RAHMEIER, L. Efeitos da Ginástica Hiporessiva no puerpério imediato – Estudo de casos. Cinergia, v.17, n.2, p.108-112, abr/jun, 2016.

KELLER, J.; ALBRECHT, M.; EBERHARDT, L.; HORN, L.; DONNELLY, C.; LOWE, D. Diastasis recti abdominis: a survey of women’s health specialists for current physical therapy clinical practice for postpartum women. Journal of women’s health physical therapy, v.36, n.3, p.131-142, sep/dec, 2012.

LUNA, D.C.B.; CAVALCANTI, A.L.A.M.H.; GUENDLER, J.A.; BRITO, V.C.; OLIVEIRA, B.D.R. Frequência da Diástase Abdominal em Puérperas e Fatores de Risco Associados. Revista Fisioterapia e Saúde Funcional, Fortaleza, v.1, n.2, p.10-17, jul/dez, 2012.

MACCHI, G.M.; ÁVILA, P.E.S. Importância da fisioterapia na diástase dos músculos reto abdominais em mulheres no puerpério. 15f. Monografia (Especialização) – Universidade da Amazônia, 2013.

MELO, E.C.A.; FERREIRA, L.C. A intervenção fisioterapêutica na prevenção da diástase do músculo reto abdominal em gestantes. Revista Brasileira de Saúde Funcional, Cachoeira, v.1, n.1, p.18-30, Jun, 2014.

MESQUITA, L.A.; MACHADO, A.V.; ANDRADE, A.V. Fisioterapia para Redução da Diástase dos Músculos Retos Abdominais no Pós-parto. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v.21, n.5, p. 267-272,2009.

MICHELOWSKI, A.C.S.; SIMÃO, L.R.; MELO, E.C.A. A eficácia da cinesioterapia na redução da diástase do músculo reto abdominal em puérperas de um hospital público em Feira de Santana – BA. Revista Brasileira de Saúde Funcional, Cachoeira, v.2, n.2, p.05-16, dez, 2014.

PASCOAL, A.G.; DIONISIO, S.; CORDEIRO, F.; MOTA, P. Inter-rectus distance in postpartum women can be reduced by isometric contraction of the abdominal muscles: a preliminary case-control study. Physiotherapy, v.100, n.4, p. 344-8, dec, 2014.

POLDEN, M.; MANTLE, J. Fisioterapia em obstetrícia e ginecologia. 2. ed. São Paulo: Santos, 2000.

RETT, T.M.; BRAGA, M.D.; BERNARDES, N.O.; ANDRADE, S.C. Prevalência de diástase dos músculos retoabdominais no puerpério imediato: comparação entre primíparas e multíparas. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v.13, n.4, p. 275-80, jul/ago, 2009.

SANCHO, M.F.; PASCOAL, A.G.; MOTA, P.; BO, K. Abdominal exercises affect inter-rectus distance in postpartum women: a two-dimensional ultrasound study. Physio therapy, v.101, n.3, p.286-91, sep, 2015.

SILVA, M.M.M. Análise Morfométrica da Diástase dos Músculos Retos do Abdome no puerpério imediato. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, 2003.

SILVA, C.B.; LEMOS, A.; OLIVEIRA, B.D.R. A diástase do músculo reto abdominal interfere na prensa abdominal no período expulsivo do parto? Monografia (Especialização) – Faculdade Integrada do Recife, 2009.

SOUZA, E.L.B. Fisioterapia aplicada à obstetrícia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2002.

Publicado
2018-02-15
Como Citar
Lima de Souza, V. R., Feitosa, G. Z., & Martinelli Lourenze, V. da G. C. (2018). INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO DA DIÁSTASE ABDOMINAL PÓS-PARTO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - ALAGOAS, 4(2), 239. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/4532
Seção
Artigos