RESISTÊNCIA E REINVENÇÃO NOSCOM OS COTIDIANOS ESCOLARES PRÁTICAS SABERES DOCENTES FACE A UMA ONDA DE ATAQUE ULTRACONSERVADOR

  • Rafaela Cotta Leonardo UERJ
  • Fernando Pocahy UERJ
  • Aline Martins UERJ
Palavras-chave: Corpo, Controle, Escola Sem Partido

Resumo

: O presente trabalho busca, a partir de conversas com educadores perseguidos pelo ESP no espaço escolar, demonstrar as tensões emergidas no cotidiano docente, influenciadas pela conjuntura política nacional – vivenciadas nos anos de 2015 a 2017. A política e a chamada “Escola Sem Partido” se movimentaram neste interstício desde fortes estratégias de contensão da liberdade discursiva dos profissionais da educação dentro e fora das instituições escolares. No caminhar da escrita do trabalho percebe-se que os espaços educacionais tiveram um investimento de controle e de difamação nos últimos governos, alertando os perigos que a escola corre ao ter um posicionamento político e ideológico, sobretudo, de esquerda. E, contraditoriamente a esse discurso, coube ao movimento Escola Sem Partido partidarizar a instituição escola desde seus princípios unívocos em oposição à multiplicidade do pensamento-político-e-intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela Cotta Leonardo, UERJ
Doutoranda pelo programa de Pós-graduação em Educação Proped/Uerj. Mestre em Educação Uerj/ProPEd. Integra o grupo de estudos de gênero, sexualidade e(m) interseccionalidades na educação e(m) saúde (GENI). É Graduada em Psicologia pelo Centro Universitário Celso Lisboa e atua tanto em Projetos Sociais, como na clínica.
Fernando Pocahy, UERJ
Professor Adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), atuando na Faculdade de Educação, junto ao Departamento de Estudos Aplicados ao Ensino e ao Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd). É coordenador do GENI - Grupo de Estudos em Gênero, Sexualidade e(m) Interseccionalidades na Educação e(m) Saúde. Bolsista da FAPERJ no programa Jovem Cientista do Nosso Estado (2015-2018) e do Programa de Incentivo à Produção Científica, Técnica e Artística/ PROCIÊNCIA-UERJ-FAPERJ (início 2015, em vigência). É Doutor em Educação e Mestre em Psicologia Social e Institucional, ambos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com bolsa CAPES, vinculado respectivamente aos grupos GEERGE - Grupo de Estudos em Educação e Relações de Gênero e ao Laboratório de Psicologia e Políticas Públicas. É graduado em Psicologia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Atualmente é Editor Associado da Revista Interface - Comunicação, Saúde e Educação - Unesp Botucatu.
Aline Martins, UERJ
Doutoranda pelo programa de Pós-graduação em Educação Proped/Uerj. Mestre em Educação Uerj/ProPEd. Integra o grupo de estudos de gênero, sexualidade e(m) interseccionalidades na educação e(m) saúde (GENI). É Graduada e Licenciada em Ciências sociais (UFRJ) e professora de Sociologia pela Rede estadual no Rio de Janeiro.

Referências

ALVES, Nilda. Sobre os movimentos das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. In: ______;OLIVEIRA, Inês Barbosa (Org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas. 3. ed.Petrópolis: DP&A, 2008.

______. Possibilidades de ‘uso’ de fotografias nas pesquisas de espaçostempos escolares. Revista Brasileira de Educação em Geografia. 2013.

ALVES, Nilda; GARCIA, Regina Leite. O Sentido da Escola. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010 (Publicando originalmente em 1990).

______. O parentesco é sempre tido como heterossexual? Cadernos Pagu, Campinas, n. 21, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104 83332003000200010&lng=en&nrm=iso>.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, v. 17, n. 49, p. 117-132, 2003

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. As artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CRENSHAW, KIMBERLÉ. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, Jan.2002. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf >. Acessado em 05 de março de 2017.

DAVIS, Angela. A liberdade é uma luta constante – Ferguson, Palestina e as bases para um movimento. (ed) BARAT Frank, São Paulo, Boitempo, 2018

FLAX, Jane. Pós-modernismo e relações de gênero na teoria feminista. In: HOLLANDA, H. B. de (Org). Pós-modernismo e Política. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2012.

______. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tadução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, Vozes, 1987.

______. História da Sexualidade I: a vontade de saber, tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque – 2ª ed. – São Paulo, Paz e Terra, 2015.

______. HerculineBarbin, llamada Alexina B. Madrid, TALAS A Edicione s S. L., 2007.

______. O sujeito e o poder. Em: DREYFUS, H. & RABINOW, P. Michel Foucault. Uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

______. Prefácio. Em: DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. O anti-édipo. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

______. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FROCHTENGARTEN, Fernando. A entrevista como método: uma conversa com Eduardo Coutinho. Psicologia USP, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 125-138, mar. 2009. ISSN 1678-5177. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/psicousp/article/view/41992>

HARDING, Sandra. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Revista de Estudos Feministas, 7, n1, 1993, pp. 7-31.

HARAWAY, D. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, v.5. Campinas: Ed. Unicamp, 1995.

hooks, bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília , n. 16, p. 193-210, Apr. 2015

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”?. Em: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHÃES, Joanalira Corpes. Debates Contemporâneos Sobre Educação Para a Sexualidade. Rio Grande: Ed. da FURG, 2017.

LOURO, Guacira. L. Gênero, sexualidade e educação. Uma abordagem pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2003.

______.; NECKEL, Jane Felipe; GOELLNER, Silvana Vilodre (Org). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003.

______. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2 ed., 3ª reimpressão - Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

______. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, Campinas, v.19, n.2, p.17-23, maio/ago. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pp/v19n2/a03v19n2.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2017.

______. O Corpo Educado: Pedagogias da Sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2000.

______. Corpo, escola e identidade. Educação e Realidade. Jul./dez. 2000

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MEYER, Dagmar E. E.; SOARES, Rosangela de F.; Modos de ver e de se movimentar pelos “caminhos” da pesquisa pós-estruturalista em educação: o que podemos aprender com – e a partir de – um filme. In: COSTA, Marisa V.; BUJES, Maria Isabel E. (Org.). Caminhos investigativos III: riscos e possibilidades de pesquisar nas fronteiras. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

______. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Organizadoras). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte, Mazza Edições, 2013.

NOGUEIRA, Conceição. A teoria da interseccionalidade nos estudos de gênero e sexualidades: condições de produção de “novas possibilidades” no projeto de uma psicologia feminista crítica. A. L C. Brizola, A. V. Zanella e M. Gesser (Orgs.). Práticas Sociais, Políticas Públicas e Direitos Humanos. Florianópolis: ABRAPSO, 2013.

POCAHY, Fernando Altair. Interseccionalidade e educação: cartografias de uma prática-conceito feminista. Textura, Canoas, n.23, p. 18-30, 2011

______. Botando corpo, (des)fazendo gênero. Uma ferramenta para a pesquisa-intervenção na educação. Reflexão e Ação (Online), v. 24, p. 289-308, 2016.

POCAHY, Fernando Altair; DORNELLES, Priscila Gomes. Problematizando gênero e sexualidade em interlocução com educadoras/es de uma escola confessional-filantrópica. Revista Docência e Cibercultura (Online), v. 3, p. 127 – 150, n. 1, 2019.

PRANDI, Reginaldo; SANTOS, Renan William dos. Quem tem medo da bancada evangélica? Posições sobre moralidade e política no eleitorado brasileiro, no Congresso Nacional e na Frente Parlamentar Evangélica. Tempo soc. [online]. 2017, vol.29, n.2, pp.187-214. ISSN 0103-2070. http://dx.doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2017.110052.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: Uma Introdução às Teorias de Currículo.3° Edição. Editora Autêntica. 2010.

VEIGA-NETO, Alfredo da. José; GALLO, Sílvio. Fundamentalismo & Educação (Temas & Educação) (Locais do Kindle 994). Autêntica Editora. Edição do Kindle.

Publicado
2020-05-27
Como Citar
Cotta Leonardo, R., Pocahy, F., & Martins, A. (2020). RESISTÊNCIA E REINVENÇÃO NOSCOM OS COTIDIANOS ESCOLARES PRÁTICAS SABERES DOCENTES FACE A UMA ONDA DE ATAQUE ULTRACONSERVADOR. Interfaces Científicas - Educação, 8(3), 257-273. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p257-273
Seção
Artigos