COMPLICAÇÕES PÓS-EXTUBAÇÃO EM UMA MATERNIDADE DE ALTO RISCO NO NORDESTE DO BRASIL

  • Isabelle araujo de oliveira santana Universidade Tiradentes
  • Ana Jovina Barreto Bispo Universidade Tiradentes
  • Erica Inez Alves Koszma Universidade Tiradentes
  • Daniel Silva Santos Universidade Tiradentes
  • Renata Santana Dantas Universidade Tiradentes
  • Larissa de Araujo Freire Barrêtto Universidade Tiradentes
Palavras-chave: efeitos adversos, extubação das vias aéreas, ventilação mecânica

Resumo

Objetivos: identificar a frequência de complicações pós-extubação em recém-nascidos em uso de ventilação mecânica internados em unidade de terapia intensiva neonatal e conhecer fatores de risco associados às complicações identificadas. Métodos: estudo observacional, analítico, cujos dados foram colhidos no período de junho de 2017 a abril de 2018 em prontuários de recém-nascidos em uma unidade de terapia intensiva neonatal desde o dia da extubação até sete dias após a retirada da ventilação mecânica. Resultados: A amostra foi constituída por 158 neonatos. A extubação foi programada em 114 (72,15%) pacientes e nos demais aconteceu acidentalmente. As complicações ocorreram em 112 (70,89%) pacientes, sendo as mais frequentes: necessidade de reintubação (35,44%), apneia (17,72%), queda de saturação (17,72%), infecção (16,46%), estridor laríngeo (15,82) e lesão de vias aéreas superiores (15,82%). Os fatores de risco encontrados foram: prematuridade, baixa idade gestacional, baixo peso ao nascer, maior tempo de uso da ventilação mecânica, infecção e convulsão. Conclusão: O estudo mostrou uma frequência de complicações pós-extubação maior que a encontrada na literatura, que relata taxas em torno de 50%. Além dos fatores de risco já conhecidos como baixo peso ao nascer, prematuridade e maior de tempo de uso de ventilação mecânica, merece atenção a presença de fatores ainda pouco conhecido como convulsões e infecções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALECRIM, R. X. et al. Boas práticas na prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica. Acta Paulista de Enfermagem, v. 32, n. 1, p. 11-17, 2019.

BIAZUS, G. F. et al. Fatores de risco associados com a falha de extubação em recém-nascidos submetidos à ventilação mecânica. Revista Inspirar Movimento & Saude, v. 13, n. 2, 2017.

CARVALHO, F. L. et al. Incidência das complicações da assistência ventilatória nos recém-nascidos internados em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. 2015.

CASTRO, E.C.M.; LEITE, Á.J.M.; GUINSBURG, R. Mortalidade com 24 horas de vida de recém‐nascidos pré‐termo de muito baixo peso da Região Nordeste do Brasil. Revista Paulista de Pediatria, v. 34, n. 1, p. 106-113, 2016.

CHOI, Young-Bin et al. Impact of prolonged mechanical ventilation in very low birth weight infants: results from a National Cohort Study. The Journal of pediatrics, v. 194, p. 34-39. e3, 2018.

COSTA, A.C.O.; SCHETTINO, R.C.; FERREIRA, S.C. Predictors of extubation failure and reintubation in newborn infants subjected to mechanical ventilation. Revista Brasileira de terapia intensiva, v. 26, n. 1, p. 51-56, 2014.

CRUZ, C.T. Dor e estresse de recém-nascidos submetidos a punção venosa em terapia intensiva. 2016. 89 f. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2016.

CUNHA, F.A.; OLIVEIRA, A.F.S. Complications arising from mechanical ventilation to the patient of units of adult intensive therapy. J. Health Res. 2018.

DAMIAN, A.; WATERKEMPER, R.; PALUDO, C.A. Perfil de neonatos internados em unidade de tratamento intensivo neonatal: estudo transversal. Arquivos de Ciências da Saúde, v. 23, n. 2, p. 100-105, 2016.

FERGUSON, K.N. et al. Interventions to improve rates of successful extubation in preterm infants: a systematic review and meta-analysis. JAMA pediatrics, v. 171, n. 2, p. 165-174, 2017.

FRANÇA, D.F. Eventos adversos relacionados à terapia ventilatória em recém-nascidos de alto risco. 2016. Dissertação de Mestrado. Brasil.

GAIGHER, M.L.F.; BORTOLI, M.R.; ALVES, T.E.S. Ventilação não invasiva em recém nascidos pré termo. 50 f. Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória-EMESCAM, Vitória, 2016.

JENSEN, E.A. et al. Effects of multiple ventilation courses and duration of mechanical ventilation on respiratory outcomes in extremely low-birth-weight infants. JAMA pediatrics, v. 169, n. 11, p. 1011-1017, 2015.

KRELING, K.C.A.; BRITO, A.S.J.; MATSUO, T. Fatores perinatais associados ao desenvolvimento neuropsicomotor de recém-nascidos de muito baixo peso. Pediatria (São Paulo), v. 28, n. 2, p. 98-108, 2006.

MANLEY, B.J.; DAVIS, P.G. Solving the Extubation Equation: Successfully Weaning Infants Born Extremely Preterm from Mechanical Ventilation. The Journal of pediatrics, v. 189, p. 17, 2017.

MOTA, L.A.A.; CAVALHO, G.B.; BRITO, V.A. Laryngeal complications by orotracheal intubation: literature review. Int. Arch. Otorhinolaryngol. v. 16, n. 02, p. 236-245, 2012.

PAULA, B. M.; SANTOS, D. R. Z.; SILVA, M. R. S. perfil clínico epidemiológico das internações em uma uti neonatal no período de 2016 a 2017. 2018.

RATOLA, A. et al. Prática ventilatória em recém-nascidos de extremo baixo peso. Acta Pediátrica Portuguesa, v. 46, p. 113-118, 2015.

REIS, A.C.F.; CAVALCANTE, S.K.D.; DOS SANTOS, I.L.F. Perfil epidemiológico das infecções hospitalares em uma unidade de terapia intensiva neonatal de um hospital de Cuiabá. TCC-Enfermagem, 2018.

ROSA, R.C., Nathalia et al. Uso da oxigenoterapia de alto fluxo em pediatria e neonatal: revisão de literatura. Revista Saúde, v. 11, 2017.

SILVA, O.M. et al. Fatores que contribuem para o insucesso do desmame ventilatório em pacientes críticos. Revista Uningá Review, v. 14, n. 1, p. 4-4, 2013.

SOUZA, A.C. et al. Cesariana e Doenças Respiratórias nos Recém-Nascidos: Revisão de Literatura. Revista Inspirar Movimento & Saude, v. 4, n. 2, 2012.

SOUZA, K.C.L.; CAMPOS, N.G.; JÚNIOR, F.F.U.S. Perfil dos recém-nascidos submetidos à estimulação precoce em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 26, n. 4, p. 523-529, 2014.

Publicado
2020-09-07
Como Citar
santana, I. araujo de oliveira, Bispo, A. J. B., Alves Koszma, E. I., Santos, D. S., Dantas, R. S., & Barrêtto, L. de A. F. (2020). COMPLICAÇÕES PÓS-EXTUBAÇÃO EM UMA MATERNIDADE DE ALTO RISCO NO NORDESTE DO BRASIL. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - SERGIPE, 6(2), 55. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/cadernobiologicas/article/view/8539
Seção
Artigos