VIOLÊNCIA SEXUAL EM MULHERES: REVISÃO INTEGRATIVA

  • Adão Renato de Jesus Freire Unit
  • Aislayne Rodrigues Valentim unit
  • Gustavo Venícius da Silva Santos unit
  • Graziela Souza de Paula Acadêmico de Enfermagem do 6º semestre da Universidade Tiradentes. Estância - SE
  • Sr. ª Rebecca Maria Oliveira de Góis Professor Assistente I - UNIT
Palavras-chave: Delitos Sexuais, Mulheres, Cuidados de Enfermagem

Resumo

Essa pesquisa tem como objetivo geral: Discorrer sobre a violência contra a mulher. Trata-se de um estudo com caráter descritivo e exploratório, realizado através da revisão integrativa de artigos científicos publicados nas bases de dados virtuais de saúde referentes a Violência sexual contra a mulher, publicados no período entre 2013 a 1018. Não foi necessário submeter esse presente estudo ao Comitê de Ética em Pesquisa, pois o mesmo aborda dados de domínio público e não envolve dados pessoais. Dentre as consequências ocasionadas pela Violência sexual contra a mulher podemos destacar as Infecções Sexualmente Transmissíveis, gravidez indesejada e a depressão. Conclui-se então, a importância da assistência do enfermeiro frente a mulher vítima do abuso sexual, verifica- se a necessidade da criação de medidas e estratégias públicas que visem reduzir e eliminar à Violência sexual contra as mulheres a nível mundial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adão Renato de Jesus Freire, Unit
Acadêmico de Enfermagem do 6º semestre da Universidade Tiradentes. Estância - SE
Aislayne Rodrigues Valentim, unit
Acadêmico de Enfermagem do 6º semestre da Universidade Tiradentes. Estância - SE
Gustavo Venícius da Silva Santos, unit
Acadêmico de Enfermagem do 6º semestre da Universidade Tiradentes. Estância - SE
Sr. ª Rebecca Maria Oliveira de Góis, Professor Assistente I - UNIT
Mestre em Enfermagem pela UEFS

Referências

ACOSTA, D. F.; DE OLIVEIRA GOMES, V. L.; DA FONSECA, A. D. et al. Violência contra mulheres cometidas por parceiros íntimos: (in) visibilidade do problema. Texto & Contexto-Enfermagem , v. 24, n. 1, p. 121-127, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Infecções Sexualmente Transmissíveis Brasília: MS; 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Viva: instrutivo notificação de violência interpessoal e autoprovocada [Internet]. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

BRASIL. Lei nº 12.015 de agosto de 2009. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ano 2009, [s.p], 11 Ago. 2009.

CERQUEIRA, D.; & COELHO, D. S. C. Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde (versão preliminar). 2014.

DELZIOVO, C. R.; COELHO, E. B. S.; D'ORSI, E. et al. Violência sexual contra a mulher e o atendimento no setor saúde em Santa Catarina–Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 1687-1696, 2018.

DE SOUZA, M. G. T. C.; DE SOUZA, B. C.; DA SILVA, E. S. et al. VALORES SOCIETAIS E ESTUPRO DE VULNERÁVEL: UM ESTUDO DAS PERCEPÇÕES E VALORES DE 319 ADULTOS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE. Amazônica-Revista de Psicopedagogia, Psicologia escolar e Educação, v. 23, n. 1, Jan-Jun, p. 32-61, 2019.

DURAND, M. K.; & HEIDEMANN, I. T. S. B. Promoção da autonomia da mulher na consulta de enfermagem em saúde da família. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 47, n. 2, p. 288-295, 2013.

EZECHI, O. C.; MUSA, Z. A.; DAVID, A. N. et al. Tendências e padrões de agressões sexuais em Lagos, no sudoeste da Nigéria. The Pan African Medical Journal , v. 24, 2016.

GUZZO, P. C.; COSTA, M. C.; SILVA, E. B. et al. Healthcare practices for users suffering from violence: from invisibility to comprehensive (un) care. Revista gaucha de enfermagem, v. 35, n. 2, p. 100-105, 2014.

LIMA, F.; GOMES, F.; FELIX, G. et al. Papel da enfermagem na assistência à mulher vítima de estupro. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research. Vol.22, n.1, pág.107-109, 2018 – BJSCR. BJSCR (ISSN online: 2317-4404).

LIMA, C. A.; DESLANDES, S. F. Violência sexual contra mulheres no Brasil: conquistas e desafios do setor saúde na década de 2000. Saúde e Sociedade, v. 23, p. 787-800, 2014.

NUNES, M. C. A., LIMA, R. F. F., MORAIS, N. A. Violência Sexual contra Mulheres: um Estudo Comparativo entre Vítimas Adolescentes e Adultas. Psicologia: Ciência e Profissão Out/Dez. 2017 v. 37 n°4, 956-969.

OLIVEIRA R. N. G.; FONSECA R. M. G. S. A violência como objeto de pesquisa e intervenção no campo da saúde: uma análise a partir da produção do Grupo de Pesquisa Gênero, Saúde e Enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 48, p. 31-38, 2014.

RIBEIRO, J. F.; LEITE, W. A. A. Aspectos da violência sexual contra a mulher: Perfil do agressor e do ato violento. Revista de Enfermagem UFPE, v. 10, n. 1, p. 289-295, 2016.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer; einstein. 2010; 8(1 Pt 1):102-6.

SOUZA, M. M. S.; OLIVEIRA, M. V. P.; JESUS, L. K. A. Violência sexual contra a mulher e o papel do enfermeiro, revisão de literatura. Ciências Biológicas e de Saúde Unit | Aracaju | v.3 | n.3 | p.257-274 | Outubro 2016 | periodicos.set.edu.br.

SOUSA, A. R. D.; GOMES, N. P.; ESTRELA, F. M. et al. Violência conjugal: discursos de mulheres e homens envolvidos em processo criminal. Escola Anna Nery vol. 22, nº 1, 2018.

SOUTO, R. Q.; ARAÚJO, F. K.; XAVIER, A. F. et al. Rape against Brazilian women: Characteristics of victims and sex offenders. Iranian journal of public health, v. 44, n. 12, p. 1613, 2015.

TRIGUEIRO, T. H.; SILVA, M. H. D.; MERIGHI, M. A. B. et al. O sofrimento psíquico no cotidiano de mulheres que vivenciaram a violência sexual: estudo fenomenológico. Escola Anna Nery.2017.

TRIGUEIRO, T. H.; MERIGHI, M. A. B.; MEDEIROS, A. D. et al. Victims of sexual violence attended in a specialized service. Cogitare Enferm, v. 20, n. 2, p. 249-56, 2015.

VERTAMATTI, M. A. F.; DE ABREU, L. C.; DREZETT, J. et al. Tempo decorrido entre agressão sexual e a chegada aos serviços de saúde no Brasil. Journal of Human Growth and Development, v. 23, n. 1, p. 46-51, 2013.

ZUCHI, C. Z.; SILVA, E. B. D.; COSTA, M. C. D. et al. Violência contra as mulheres: concepções de profissionais da Estratégia Saúde da Família acerca da escuta. REME rev. min. enferm, v. 22, p. e-1085, 2018.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS) – BRASIL. Folha Informativa – Violência Contra Mulher. (2017). Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5669:folha-informativa-violencia-contra-as-mulheres&Itemid=820. Acesso em: 16 de janeiro de 2020

BRASIL. Ministério da Saúde - Sistema de Informação de Notificação de Agravos do Sistema Único de Saúde (SINAN). Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/violebr.def. Acesso em 16 de janeiro de 2020.

WHO Depression and other common mental disorders: Global health estimates. World Health Organization, Geneva, Switzerland (2017).

Publicado
2020-09-07
Como Citar
Freire, A. R. de J., Valentim, A. R., Santos, G. V. da S., de Paula, G. S., & Oliveira de Góis, S. ª R. M. (2020). VIOLÊNCIA SEXUAL EM MULHERES: REVISÃO INTEGRATIVA. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - SERGIPE, 6(2), 37. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/cadernobiologicas/article/view/8499
Seção
Artigos